Transfobia

A transfobia diz respeito à aversão contra indivíduos que não se identificam com o seu sexo biológico.

Conceito de Transfobia

A transfobia diz respeito à aversão contra indivíduos que não se identificam com o seu sexo biológico. Devido às suas características específicas estes encontram diversos obstáculos sociais nas mais variadas situações do seu quotidiano.

Rodriguez, Cervantes e Martínez-Guzmán (2015) referem-se à transfobia como forma de violência para com pessoas trangénero. Barrón-Velázquez, Salín-Pascual e Guadarrama-López (2014) referem que a homofobia-transfobia não são um fenómeno comportamental apenas da espécie humana e que se assume como a aversão obsessiva em relação a indivíduos homossexuais.

Por esse motivo, em alguns países latinos criou-se uma lei que visa a proibição de discriminação e comportamentos violentos contra qualquer cidadão com base na identidade de género ou orientação sexual (Rodriguez, Cervantes, & Martinez-Gusmán, 2015). Esta lei vale para toda a comunidade lésbica, gay, bissexual e trangénero/transexual/travesti ou intersexual (LGBTTTI) (Rodriguez, Cervantes, & Martinez-Gusmán, 2015).

Fez-se necessário criar estas leis devido aos obstáculos frequentes sentidos pelos indivíduos que sofrem com atitudes de transfobia e também devido à sua dificuldade em lidar com a sua própria aparência física, o que os leva a iniciar processos de alteração corporais baseados em automedicação com hormonas e sem qualquer tipo de orientação médica, injeções de todo o tipo e ainda intervenções cirúrgicas que são realizadas por pessoas sem formação superior para o efeito (Barrón-Velázquez, Salín-Pascual, & Guadarrama-López, 2014).

Nestas situações, muitos acabam por ser vítimas de mutilações e chegam a acabar por se suicidar (Barrón-Velázquez, Salín-Pascual, & Guadarrama-López, 2014).

Segundo estes pressupostos, parece evidente a necessidade de terapia junto destes indivíduos, que visa promover a sua autoestima e fortalecer a sua autoafirmação para que, uma vez agindo dentro dos parâmetros adequados, possam usufruir de direitos como a mudança de nome e de género, a possibilidade de casar e outros tipos de direitos legais acessíveis à maioria dos cidadãos (Barrón-Velázquez, Salín-Pascual, & Guadarrama-López, 2014).

Algumas das especialidades habilitadas a intervir junto destes indivíduos, são a medicina interna, a medicina interna e especialidades cirúrgicas, a urologia, a psiquiatria, a ginecologia e a cirurgia plástica (Barrón-Velázquez, Salín-Pascual, & Guadarrama-López, 2014). Dentro da medicina interna e da medicina geral, encontramos ainda a psicologia, numa vasta quantidade de casos (Barrón-Velázquez, Salín-Pascual, & Guadarrama-López, 2014).

De acordo com os seus estudos Rodriguez, Cervantes e Martinez-Gusmán (2015) observaram que uma grande parte da comunidade considera que a orientação sexual de cada indivíduo provoca reações divididas, uma vez que uns aceitam a diferença e outros não.

Estas atitudes díspares entre a população em relação aos indivíduos LGBTTTI deve-se às questões acerca da preservação da espécie, uma vez que a reprodução é a única forma de garantir a vinda de novas gerações (Barrón-Velázquez, Salín-Pascual, & Guadarrama-López, 2014).

A comunidade transexual apercebe-se bastante de comportamentos transfóbicos quando se depara com a dificuldade em adquirir o direito à identidade sexual através de um documento oficial já que o reconhecimento da sua identidade sexual permanece ignorado, ou que acaba por levar o indivíduo à resignação (Rodriguez, Cervantes, & Martinez-Gusmán, 2015). São estes alguns dos obstáculos com que o indivíduo trans se depara quando enfrenta uma situação de transfobia (Rodriguez, Cervantes, & Martinez-Gusmán, 2015).

“…a discordância que experimentam entre a sua identidade de género e o seu sexo de nascimento reproduz-se e agrava-se devido à sua carência de personalidade jurídica de acordo com a sua identidade de género, de modo que se convertem em não identificados na sua própria nacionalidade” (Alcaraz, 2008, p.29, cit in Rodriguez, Cervantes, & Martinez-Gusmán, 2015).

Podemos, contudo, assumir que é no mercado de trabalho que estes indivíduos encontram as suas maiores dificuldades, uma vez que a maioria deles não consegue arranjar emprego devido à transfobia de que é alvo, o que os leva a acabar na rua e a enveredar pela indústria do sexo, com salários precários (Rodriguez, Cervantes, & Martinez-Gusmán, 2015).

Se a isto tudo juntarmos o nível socioeconómico, a situação de transfobia piora uma vez que a comunidade LGBTTTI não é tratada toda da mesma forma, dependendo de ser proveniente da alta sociedade ou da baixa sociedade (Rodriguez, Cervantes, & Martinez-Gusmán, 2015).

Conclusão

A transfobia abarca, entre a comunidade LGBTTI, principalmente os indivíduos transexuais, trangénero e travestis, que, por se identificarem com o género oposto ao seu, tornam-se vítimas de comportamentos agressivos por parte da comunidade. Devido a estas circunstâncias tornou-se crucial criar uma lei que vise a proteção dos mesmos embora a mesma abarque falhas no que concerne ao reconhecimento dos indivíduos na sua identidade de género verdadeiro. Outra questão fundamental é a necessidade de cuidados de saúde e de acompanhamento adequado, junto de profissionais habilitados às condições específicas desta população.

1779 Visualizações 1 Total

References:

  • Barrón-Velázquez, E., Salín-Pascual, R.J., & Guadarrama-López, L. Encuesta para evaluar el conocimiento sobre las condiciones de diversidade sexo-genérica y homofoia em uma muestra de alunos universitários. Survey to assess knowledge about the conditions of sex-gender diversity and homofobia in a sample of university students. Rev Mex Neurocl [online] 2014 16(6) [cited 2016-07-08]: 267-276. Disponível em com/wp-content/uploads/2014/…/Nm145-04.pdf;
  • Rodríguez, N.E.M., Cervantes, O.O.G., & Martínez-Gusmán, A. Identidades transgénero y transfobia em el contexto mexicano: Uma Aproximación narrativa. Transgender identities and transphobia in the Mexican contexto: A narrative approach. Quaderns de Psicologia [online]. 2015, vol.17, no3 [cited 2016-0708]: pp. 71-82. Disponível em quadernsdepsicologia.cat/article/viewFile/…/1279-pdf-es.
1779 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática