Travestismo

O travestismo assume, habitualmente, contornos bastante vastos e complexos para o indivíduo, tanto pessoal como socialmente.

Travestismo

O travestismo assume, habitualmente, contornos bastante vastos e complexos para o indivíduo, tanto pessoal como socialmente. Por isso é importante compreender em que consiste esta forma de expressão e o processo de mudança a ela inerente.

Segundo os estudos de Azevedo, Scorsolini-Comin e Spizzirri (2015), o conceito de travestismo diz respeito aos indivíduos que se identificam com o código de género contrário ao seu sexo biológico e que, por esse motivo, se apresentam de acordo com a sua identificação, recorrendo a técnicas como próteses, alterações hormonais e cirurgias de mudança de sexo.

Este tipo de modificações que procuram chegar o mais perto possível da imagem do género oposto, são denominados como body building e body modification (Próchno, Nascimento, & Romera, 2009).

Prochno, Nascimento e Romera (2009) dizem ainda que a literatura científica se debruça, essencialmente, sobre o feminismo que os homens procuram e que se expressa pelo travestismo, pelo transexualismo, pela castração ou drag queen, contudo, de forma confusa.

Amaral, Silva, Cruz e Toneli (2014) referem que o estudo desta forma de expressão de género,vem sendo estudada cada vez mais, desde os anos 90, do ponto de vista do travesti e das “travestilidades”, tanto no campo das ciências sociais como no campo da antropologia.

Para Azevedo, Scorsolini-Comin e Spizzirri (2015) a diversidade sexual no âmbito dos movimentos Gay. Lésbica, Bissexual, Travesti, Transexual e Transgénero (LGBT), deve-se ao interesse, cada vez maior, da ciência, em estudar as suas diferentes formas queer de se expressar pela sua complexidade.

Estes movimentos levaram a que a identidade de género deixasse de ser vista como uma forma natural de se apresentar, para se tornar numa forma de expressão de género, subjetiva e diversificada, o que pôs fim ao conceito exclusivamente normativo, de género masculino versus feminino (Azevedo, Scorsolini-Comin, & Spizzirri, 2015.)

“…a travesti não apenas rompe com padrões heteronormativos e com a masculinidade, mas cria um novo feminino, um feminino próprio da travesti.”

(Azevedo Jr, 2002, cit in Azevedo, Scorsolini-Cormin, & Spizzirri, 2015, p.9).

Algumas pesquisas indicam ainda que, à luz do DSM-IV o travestismo e o transexualismo se tratam de perturbações de identidade de género, o que leva à necessidade de um acompanhamento interdisciplinar bastante complexo antes e depois da cirurgia de mudança de sexo devido a questões sócioemocionais e legais (Próchno, Nascimento, & Romera, 2009).

Outras ainda, maioritariamente realizadas através de visitas a bairros, pensões e territórios de prostituição de várias capitais brasileiras, principalmente a partir dos anos 2000, visaram compreender melhor as experiências corporais, políticas e sociais, destes indivíduos influenciadas pelo, cada vez maior interesse sobre o tema na comunidade Lésbica, Gay, Bissexual, Travesti e Transexual (LGBT) (Amaral, Silva, Cruz, & Toneli, 2014).

A esmagadora maioria dos estudos sobre o travestismo ganhou importância no sentido da intervenção ao nível da saúde e dos cuidados paliativos, uma vez que tanto os profissionais como os governos associam o mesmo às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) (Amaral, Silva, Cruz, & Toneli, 2014).

Este foco de interesse insere-se, de acordo com Azevedo, Scorsolini-Comin e Spizzirri (2015) na questão do uso de preservativos, do consumo de álcool e drogas, das perturbações mentais e de personalidade.

Além disso, devido às preocupantes discriminações homofóbicas, transfóbicas, e de identidade, de que estes indivíduos são alvo, verifica-se a necessidade de debruçar mais sobre o estudo das suas experiências de vida, no sentido de compreender o seu comportamento, as suas necessidades, a sua expressão social, afetiva e sexual (Azevedo, Scorsolini-Comin, & Spizzirri, 2015).

Juntando a todos estes problemas, os indivíduos que se assumem como travestis enfrentam, frequentemente, as atitudes de rejeição por parte da família e dos amigos, a dificuldade em encontrar emprego, o preconceito social e complicações na saúde devido às hormonas femininas (Azevedo, Scorsolini-Comin, & Spizzirri, 2015).

Pelos estudos de Azevedo, Scorsolini-Comin e Spizzirri (2015) compreende-se que o estudo do travestismo está demasiado voltado para as questões da saúde, mas negligencia o desenvolvimento vital do indivíduo que se assume como travesti, o que os leva a ficar limitados ao diagnóstico e à patologização da postura travesti, ao invés de abarcar a mesma, dentro da sociedade.

Conclusão

A literatura aponta para uma vasta complexidade de questões sobre o travestismo, uma vez que se trata de uma expressão de género forma da normativa, ou seja, oposta à do sexo biológico do indivíduo. Devido aos obstáculos relacionados com questões normativas que interferem com a atitude da sociedade para com o travesti, seja do ponto de vista do preconceito, da discriminação ou até mesmo da legislação, é necessário que o processo de mudança a que o indivíduo que se assume como travesti, vai enfrentar, seja devidamente acompanhado por uma equipa de profissionais, multidisciplinar, responsável.

1471 Visualizações 1 Total

References:

  • Amaral, M. S., Silva, T. C., Cruz, K. O., & Toneli, M. J. F. (2014). “Do travestismo às travestilidades”: Uma revisão do discurso acadêmico no Brasil entre 2001-2010. Psicologia e Sociedade, 26(2), 301-311.
  • Azevedo, R.N., Scorsolini-Comin, F., & Spizzirri, G. (2015). “TEM QUE NASCER JÁ COM AQUELE DOM”: VIVÊNCIAS DE UMA JOVEM TRAVESTI. “You have to be born with that gift”: Experiences of a Young Travesti. “Tiene que haber nacido con ese don”: Experiencias de un Joven Travesti. [em linha]. PEPSIC – PERIÓDICOS ELETRÔNICOS EM PSICOLOGIA, www,pepsic.bvsalud.org/scielo. Revista da Abordagem Gestáltica – Phenomenological Studies – XXI(2): 202-212. Acedido a 4 de maio de 2016 em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672015000200009
  • Próchno, C.C.S.C, Nascimento, M.J.C., & Romera, M.L.C. (2009). Body building, travestismo e feminilidade. Body building, travestism and feminility. Estudos de Psicologia., 26(2) | 237-245.

1471 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática