Lúdico

O lúdico diz respeito a toda a atividades relacionada com o ato de brincar.

Lúdico

O lúdico diz respeito a toda a atividades relacionada com o ato de brincar. Esta técnica é das mais eficazes no processo de aprendizagem e desenvolvimento de diferentes competências durante o período infantil.

É através dos símbolos lúdicos que a criança começa a ter os primeiros contatos com o mundo real, altura em que dá os seus primeiros passos no sentido de uma adaptação física e funcional entre o seu corpo e tudo à sua volta, desenvolvendo a capacidade de coordenação motora (Salomão, Martini, & Jordão, 2007).

Segundo Miranda (2013) a psicologia ganha uma importância significativa, neste sentido, quando associada a todo o processo de introdução das atividades lúdicas no contexto educativo, que, na maioria dos casos, passa por uma análise e avaliação do desenvolvimento global das crianças. Este processo prende-se com o facto de depender de subsídios associados aos recursos didáticos para a educação (Miranda, 2013).

A partir do momento em que o mundo lúdico começa a ser possível de associar ao espaço real, dá-se a organização sócio motora, que traz consigo a noção do meio envolvente (Salomão, Martini, & Jordão, 2007).

“Através do lúdico a criança começa a desenvolver sua capacidade de imaginação, abstração e aplicar ações relacionadas ao mundo real e ao fantástico” (Miranda, 2013).

Sabendo da eficácia do processo lúdico, podemos compreender como a aprendizagem, nesta fase de desenvolvimento, precisa de ser promovida através desta estratégia, ou seja, apelando à capacidade de se adaptar ao nível da criança, no sentido de fazer da aprendizagem algo natural (Salomão, Martini, & Jordão, 2007).

Os trabalhos de Miranda (2013), vêm, precisamente, no sentido de corroborar toda esta teoria, quando compreendem o lúdico enquanto técnica significativamente eficaz de aprendizagem durante a infância.

Assim, a expressão lúdica estimula diferentes competências como o sentido crítico, a criatividade, a capacidade de socializar, o que faz da mesma uma estratégia pedagógica de grande valor (Salomão, Martini, & Jordão, 2007).

Quando introduzido de forma estruturada, o processo lúdico permite aprender diferentes competências e habilidades, enquanto as crianças interagem entre si (Miranda, 2013).

Salomão, Martini e Jordão (2007) acreditam, deste modo, que no contexto escolar, é dever do responsável pela criança, promover condições que permitam a utilização de materiais lúdicos do interesse da criança.

Para que a estratégia lúdica se mostre eficaz, cabe aos pais e ao educador, empregar métodos devidamente estruturados de introduzir a brincadeira, no contexto pedagógico e em ambiente grupal, para promover a interação de todos (Miranda, 2013).

Nos jardins de infância, por exemplo, é comum haver brinquedos disponíveis para que as crianças brinquem e criem atividades lúdicas de forma livre e espontânea com os mesmos de forma aleatória (Salomão, Martini, & Jordão, 2007).

Lopes (2006, p. 110, cit in Salomão, Martini, & Jordão, 2007) refere que a importância de brincar se deve ao facto de ser o ato mais eficaz de promoção do desenvolvimento tanto da identidade como da autonomia da criança. A brincadeira estimula a comunicação, através dos gestos, dos sons e até mesmo da capacidade de representação de um determinado papel, numa brincadeira em específico (Salomão, Martini, & Jordão, 2007).

Concentração, atenção, memória, imaginação, entre outras capacidades que se desenvolvem ao longo das diferentes fases, são adquiridas, em grande parte, nos tempos de brincadeira (Miranda, 2013; Salomão, Martini, & Jordão, 2007).

Para Miranda (2013) isto significa que se pode atribuir uma conotação educativa e estimuladora, à atividade lúdica, já que a mesma se mostra plenamente eficaz de desenvolver as capacidades cognitivas infantis.

Com o amadurecimento, as brincadeiras tornam-se mais estruturadas, adquirem contornos regrados, interativos e começam a ser realizadas em grupo, o que também promove competências de socialização (Salomão, Martini, & Jordão, 2007).

É necessário ter ainda em atenção o facto de que cada criança é diferente e tem a sua própria forma de brincar, o que significa que, prestar atenção à individualidade e às características pessoais de cada uma delas, é fundamental para cativar a sua atenção, para a atividade lúdica, sem esquecer a adaptação da brincadeira a cada faixa etária (Miranda, 2013).

Conclusão

É evidente a importância significativa do lúdico no que diz respeito ao desenvolvimento, à aquisição de competências e à capacidade de aprendizagem das crianças. Apelando à criatividade e criando espaços plenos de atividades lúdicas interativas, as crianças têm a possibilidade de desenvolver capacidades como a concentração, a memória, a imaginação, entre outras. Para tal, é necessário que o educador crie e promova a oportunidade de criar esse tipo de ambiente.

1036 Visualizações 1 Total

References:

  • Miranda, A.B.S. (2013). O Lúdico na Educação Infantil. PSICOLOGADO ARTIGOS. psicologado.com. Disponível em https://psicologado.com/atuacao/psicologia-escolar/o-ludico-na-educacao-infantil;
  • Salomão, H.A.S., Martini, M., & Jordão, A.P.M. (2007). A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ENFOCANDO A BRINCADEIRA E AS SITUAÇÕES DE ENSINO NÃO DIRECIONADO. [em linha] COM.PT O PORTAL DOS PSICÓLOGOS. www.psicologia.pt. Disponível em www.psicologia.pt/artigos/textos/A0358.pdf.
1036 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática