Licopeno

O licopeno é um pigmento natural de cor vermelha pertencente ao grupo dos carotenóides, encontrado em algumas frutas como é o caso do tomate e tem propriedades antioxidantes.

Estrutura química do licopeno

O licopeno (ver Figura 1), sendo da família dos carotenóides, é constituído por treze ligações duplas, sendo que onze são conjugadas e as restantes duas não são conjugadas. Possivelmente, é esta característica específica do licopeno de possuir duas ligações duplas não conjugadas que lhe confere uma afinidade especial para combater o oxigénio singlet (1O2).

As propriedades antioxidantes do licopeno e de outros carotenóides deve-se à existência de inúmeras ligações duplas com as  quais os radicais livres reagem e são neutralizados.

Figura 1 – Representação da estrutura molecular do licopeno e de outros carotenóides para comparação, como o β-caroteno, a luteína, a zeaxantina, a cantaxantina e a astaxantina.

Figura 1 – Representação da estrutura molecular do licopeno e de outros carotenóides para comparação, como o β-caroteno, a luteína, a zeaxantina, a cantaxantina e a astaxantina.

No tomate, o licopeno encontra-se na sua forma trans-, mas quando exposto a acção térmica (por exemplo, no processamento dos alimentos) e química (por acção de enzimas digestivas) a molécula sofre uma modificação para uma forma cis-, forma esta que é mais facilmente absorvida pelo organismo.

O licopeno e a sua biodisponibilidade

A absorção do licopeno tem uma relação directa com a biodisponibilidade do mesmo nos seus frutos de origem, como o tomate.

Por biodisponibilidade entende-se a quantidade de composto que é possível ser extraído, neste caso, das células do tomate. Estudos realizados demonstram que o processamento dos alimentos fontes de licopeno aumenta a sua biodisponibilidade. Isto porque a acção do calor sobre as células provoca a ruptura das paredes celulares e, consequentemente há uma maior libertação do carotenoide.

Contudo, o processamento pode conduzir a uma degradação não desejada de licopeno que não afecta apenas a qualidade do produto final, mas também os benefícios trazidos à saúde humana nas comidas baseadas em tomate. Na fruta fresca, este carotenóide ocorre essencialmente na forma isomérica trans, mais estável. As principais causas de degradação durante o processamento são a isomerização, tornando a substância mais instável, daí que, por acção do tempo, seja promovida a sua oxidação. Todavia, a absorção do licopeno pelo organismo dá-se mais facilmente quando este se encontra na forma cis, criando-se, deste modo, um paradoxo entre os benefícios trazidos ou não pelo processamento deste fruto.

A biodisponibilidade do licopeno é afectada pela matriz alimentar. Estudos demonstram que a presença de certas fibras alimentares, por exemplo a pectina, diminuem a absorção do licopeno visto que aumentam a viscosidade do meio, o que interfere com a formação de micelas (meio de transporte do licopeno para o organismo), e ainda, alguns autores sugerem que é possível que haja uma competição entre os carotenóides na incorporação das micelas, na absorção intestinal, transporte linfático ou em mais de um nível, o que diminui a sua biodisponibilidade.

Licopeno e saúde

A existência de licopeno no sangue diminui a deposição do mau colesterol nas artérias por evitar a oxidação das LDL (low density lipoproteins) e a sua posterior agregação às paredes dos vasos, diminuindo, desta forma, o risco de ocorrência de ateroesclerose e enfartes do miocardio.

Como antioxidante, a sua ação é bastante positiva na saúde,  pois controla a acção dos radicais livres existentes nas células por forma a que estes não danifiquem o material genético nem oxidem precocemente os seus organelos. Acredita-se mesmo que o licopeno tem efeitos retardarores no envelhecimento das células e promotores na renovação eficaz das mesmas.

Durante a irradiação ultravioleta (UV), a pele é exposta às danificações oxidativas. O dano foto-oxidativo afecta os lípidos, as proteínas e o DNA das células e promove o cancro da pele. Felizmente, vários estudos indicam que o licopeno pode ter um efeito protector das células da pele.

1005 Visualizações 1 Total

References:

  • Moritz, Bettina, & Tramonte, Vera Lúcia Cardoso. (2006). Biodisponibilidade do licopeno. Revista de Nutrição19(2), 265-273.
  • Nunes, Itaciara L., & Mercadante, Adriana Z.. (2004). Obtenção de cristais de licopeno a partir de descarte de tomate. Food Science and Technology (Campinas)24(3), 440-447.
  • Shami, Najua Juma Ismail Esh, & Moreira, Emília Addison Machado. (2004). Licopeno como agente antioxidante. Revista de Nutrição17(2), 227-236.
1005 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática