Anti racismo

Anti racismo é um fenómeno que visa combater a desigualdade e a discriminação com base na raça.

Este artigo é patrocinado por: «A sua instituição aqui»

Anti racismo

Anti racismo é um fenómeno que visa combater a desigualdade e a discriminação com base na raça. Esta atitude procura lutar pelos direitos humanos de todo o cidadão compreendendo que a dignidade é um direito de todos, independentemente da cor da pele.

De acordo com Michael Foucault (1992, cit in Schucman, 2010) o racismo é definido como “uma ideologia que se solidificou com base na ideia científica da luta entre as raças, justificada pela teoria do evolucionismo e da luta pela vida”.

É deste fenómeno inter racial que nascem as lutas anti racismo, as quais, visam, através da educação dada pelos pais, levar as crianças a não ter atitudes de discriminação baseadas em diferenças raciais (França, & Monteiro, 2004).

Para que a monitorização de comportamentos anti racistas nas crianças dê frutos, é importante a interiorização de atitudes anti racistas através de posturas não discriminatórias por parte dos pais (França, & Monteiro, 2004). Podemos compreender, pela revisão da literatura, que essa é a forma mais poderosa de promover mudanças de comportamentos preconceituosos e discriminatórios nas crianças, principalmente a partir dos 5 anos até aos 7, uma vez que é nesta fase que elas adquirem a sensibilidade necessária para perceber a diferença (França, & Monteiro, 2004).

Segundo alguns estudos, quando pretendemos entender como se dá o processo contra o racismo, devemos compreender de que forma é que este se origina pelo que, os mesmos estudos permitiram concluir que crianças entre os 5 e os 7 anos ainda não têm maturidade suficiente para compreender atitudes racistas pelo que os seus níveis de preconceito ainda são consideráveis, independentemente da educação que adquirem por parte dos pais (França, & Monteiro, 2004).

No entanto, verifica-se que, ainda hoje, apesar de todas as tentativas de combater o problema do racismo, este é um fenómeno que, juntamente com o preconceito e articulado com o mesmo, continua a ser um problema com contornos graves (Lima, & Vala, 2004).

Para França e Monteiro (2004) trata-se de um fenómeno que, para ser combatido, o processo deve ser o mais precoce possível, ou seja, iniciado, preferencialmente na infância, a partir dos 5 a 7 anos, como já foi referido. Este processo remete para a necessidade da intervenção dos pais e educadores, junto das crianças, tendo em conta a capacidade de compreensão dos mesmos em relação à noção de anti racismo (França, & Monteiro, 2004).

Crandall et al (2002, cit in França, & Monteiro, 2004) referem que, ao longo do seu desenvolvimento, as crianças vão adaptando os comportamentos dos pais em relação ao racismo e ao preconceito, pelo que, se a postura dos pais for de racismo e discriminação, a das crianças será, invariavelmente, a mesma.

Os estudos levados a cabo por Schucman (2010) demonstram também que as práticas anti racismo em determinados estados do Brasil, começaram por recorrer a estratégias como a implementação de uma secretaria de igualdade, dirigida a negros bem como a disciplina de História da África e da cultura afro-brasileira, obrigatória.

Este tipo de demanda visa combater políticas públicas de cariz discriminatório, uma vez que a definição racial leva a que as populações tenham diferentes comportamentos de acordo com a raça que têm, o que acaba por proliferam a desigualdade (Schucman, 2010).

A promoção de políticas públicas para o reconhecimento da população negra, tem como finalidade a extinção das desigualdades existentes e a identidade do povo de raça negra de modo a que estes indivíduos não sejam discriminados em função da sua aparência física (Schucman, 2010).

Para Oliveira e Lima (2004) as práticas antirracistas começam por ser, antes de mais, demandas a favor dos direitos humanos, com a finalidade de resolver conflitos entre grupos, tais como, por exemplo, a crítica ao regime nazi-fascista, a Declaração dos Direitos Humanos, a condenação da UNESCO às classificações raciais, as lutas pelos direitos civis, entre outros movimentos sociais de relevância ao longo da história da Europa.

A autora não deixa, no entanto, de referir o fenómeno da autodepreciação, ou seja, a questão de ser a própria pessoa de raça negra a inferiorizar a sua própria raça, enquanto grupo minoritário devido à deterioração de que já é alvo por parte da sociedade (Schucman, 2010). Esta pessoa assume uma postura de incapacidade, ódio e desprezo por si mesma e pelo seu grupo racial (Schucman, 2010).

Conclusão

Podemos perceber que as medidas anti racismo devem começar, preferencialmente, durante a infância, uma vez que esta é a fase de desenvolvimento em que as crianças mais absorvem aquilo que lhes é incutido pelos adultos. Atitudes discriminatórias e preconceituosas são largamente evitadas quando os educadores assumem comportamentos que promovem a igualdade de direitos e deveres e trabalham pela extinção da desigualdade, pois são estes os conteúdos de cidadania que as crianças aprendem.

3103 Visualizações 1 Total

References:

  • França, Dalila, Xavier de, Monteiro, Maria Benedita. A expressão das formas indirectas de racismo na infância (*). Análise Psicológica (2004), 4 (xxii): 705-720;
  • Schucman, Lia Vainer. Racismo e antirracismo: a categoria raça em questão. Psicol..polít. [online]. 2010, vol.10, n.19 [citado 201608-10], pp. 45-55. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s1519-549×2010000100005.
3103 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática