Filantropia

O conceito de filantropia visa responder às necessidades básicas de um determinado grupo que, de alguma forma, não tem o seu bem-estar assegurado.

Filantropia

O conceito de filantropia visa responder às necessidades básicas de um determinado grupo que, de alguma forma, não tem o seu bem-estar assegurado.

A filantropia nas organizações privadas sem fins lucrativos aparece com o objetivo de oferecer serviços públicos, por exemplo, nas Santas Casas e nas obras diocesanas, procurando responder aos problemas sociais e às desigualdades mais urgentes dos países (Paiva, & Yamamoto, 2008).

Para que as organizações atuem adequadamente segundo princípios filantrópicos, Colauto e Beuren (2003) defendem que os técnicos que prestam serviços nas mesmas, tenham formação no desenvolvimento de competências para os cargos que desempenham.

Paiva e Yamamoto (2008) focam o fato de essas pessoas trabalharem em regime maioritariamente de voluntariado, de forma liberal e democrática, em vários países em vias de desenvolvimento, com o objetivo de responder às condições mínimas de existência humana.

No entanto, em várias realidades, a filosofia filantrópica das organizações enfrenta bastantes dificuldades devido às condições desfavoráveis no que concerne aos recursos e à impossibilidade de dar continuidade a muitas das iniciativas solidárias, uma vez que o próprio estado nem sempre colabora da melhor forma (Paiva, & Yamamoto, 2008).

Nestas organizações sem fins lucrativos, os voluntários procuram responder às necessidades públicas e sociais, no intuito de melhorar a condição social, promover a democracia, a estabilidade e aumentar o desenvolvimento económico de mercado (Colauto, & Beuren, 2003). Estas organizações dizem respeito ao terceiro setor e possuem vários programas de assistência social, saúde e educação em paralelo com o estado (Colauto, & Beuren, 2003).

Nesta mesma linha teórica que refere o conceito de terceiro setor, com base numa filosofia filantrópica, Paiva e Yamamoto (2008) consideram também fundamental responder às necessidades ao nível da saúde, da educação e das condições mínimas de cidadania, uma vez que, em muitas realidades, a discrepância no que refere às desigualdades, é preocupante. A filantropia, para os autores visa a diminuição da pobreza e da exclusão social, mediante parcerias feitas com organizações próprias para o efeito (Paiva, & Yamamoto, 2008).

A filantropia nas organizações visa:

  • Proteger a família, abarcando todas as fases de desenvolvimento;
  • Amparar as crianças e os adolescentes carentes;
  • Promover programas de prevenção, habilitação e reabilitação de portadores de deficiência;
  • Garantir a educação e a saúde gratuitas;
  • Promover a integração no mercado de trabalho;
  • Promover o atendimento e o acesso dos beneficiários da Lei Orgânica da Assistência Social e a defesa e garantia dos seus direitos.

 (Colauto, & Beuren, 2003, p.5).

Assim, de acordo com os autores, a filantropia procura oferecer serviços de atendimento à educação, a todas as faixas etárias, ao trabalho e à saúde, segundo contornos que não tenham fins lucrativos, focada exclusivamente nas necessidades do ser humano, o ponto de vista solidário (Colauto, & Beuren, 2003).

No caso de um hospital, por exemplo, para que este seja considerado como uma organização filantrópica, é preciso que o mesmo nasça da carência de uma comunidade e com a finalidade de prestar serviços (Colauto, & Beuren, 2003, p.5).

A filantropia no âmbito da psicologia

Quando falamos de psicologia num contexto mais filantrópico, referimo-nos à área comunitária e psicossocial que visa atuar em meios mais pobres de acordo com a realidade de cada país, para promover a qualidade de vida e o bem-estar das populações mais carenciadas (Paiva, & Yamamoto, 2008).

Neste contexto, o papel comunitário do psicólogo é a prevenção do risco junto de pessoas carenciadas, pelo que ele se desloca para junto de grupos vulneráveis, intervindo diretamente com eles focando as suas necessidades prioritárias (Paiva, & Yamamoto, 2008).

Para se fazer uma atuação comunitária eficaz no âmbito da psicologia, é necessário estudar aquela população e a realidade em que se insere para que se compreenda quais são as suas carências e seguidamente atuar sobre as mesmas (Paiva, & Yamamoto, 2008).

Habitualmente, uma intervenção filantrópica neste âmbito é realizada junto de pessoas com problemas de álcool, drogas, violência, e junto dos mais vulneráveis, que são, habitualmente, as crianças, os adolescentes e os idosos (Paiva, & Yamamoto, 2008).

Conclusão

Em suma, o conceito de filantropia no terceiro setor visa responder às necessidades básicas de um determinado grupo que vive abaixo do limiar de carência em vários níveis tais como a saúde e a educação. As organizações sem fins lucrativos que são, habitualmente, as que se responsabilizam por este tipo de população, atuam no sentido de dar resposta a estas carências no sentido de promover o bem-estar essencial das populações, embora ainda enfrentem bastantes dificuldades devido à crise que se atravessa.

1199 Visualizações 1 Total

References:

  • Colauto, R.D., & Beuren, I.M. (2003). Proposta para avaliação da gestão do conhecimento em entidade filantrópica: o caso de uma organização hospitalar. [em linha] SCIELO Brasil – scielo.br/scielo. Rev. Adm.contemp. vol.7, bo.4. Acedido a 25 de maio de 2016 em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141565552003000400009&script=sci_arttext&tlng=pt;
  • Paiva, I.L., & Yamamoto, O.H. (2008). Os Novos Quixotes da Psicologia e a Prática Social no “Terceiro Setor”. The New Quijotes of Psychology and the Social Practice in the “Third Sector”. Los Nuevos Quijotes de la Psicología y la Práctica Social en el “Tercer Sector”. [em linha] PEPSIC, Periódicos Eletrônicos em Psicologia – pepsic.bvsalud.org/scielo, Psicologia Política, 8(16), 231-250.
1199 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática