WAIS

Conceito de WAIS – Escala de Inteligência de Wechsler para Adultos; Subtestes e conceito de QI; Interpretação da escala

Conceito de WAIS

A WAIS, por extenso Wechsler Adult Intelligence Scale, é uma escala de inteligência para indivíduos adultos desenvolvida por David Wechsler.

É utilizada na avaliação individual da inteligência de adultos com idades compreendidas entre os 16 e os 89 anos, estando validada para a população portuguesa. A WAIS-III é a versão mais recente utilizada em Portugal.

Para alem desta, Wechsler desenvolveu ainda a escala WISC para crianças e adolescentes entre os 6 e os 16 anos e a escala WPPSI para crianças dos 3 aos 6 anos.

Subtestes e QI

Com a aplicação da WAIS são avaliadas diferentes aptidões, quer de carácter verbal ao nível daquilo que se designa por inteligência cristalizada, quer de realização/não verbal tida por inteligência fluída. Os resultados obtidos são comparados com normas específicas de acordo com a nacionalidade e idade do indivíduo. Neste sentido, é possível enquadrar os resultados, isto é, compará-los com o que poderão ser considerados os resultados esperados para determinada idade em determinada cultura (resultados de referência por grupo etário).

Através de um conjunto de subtestes, a WAIS avalia aptidões ao nível do vocabulário e compreensão verbal; atenção, concentração e memória; aritmética; velocidade de processamento a nível mental e motor; pensamento lógico-abstrato; e organização espacial e percetiva.

Os resultados nos subtestes permitem medir o desempenho manifesto pelo QI ou Quociente de Inteligência, sendo este a capacidade global que o indivíduo apresenta, num determinado momento, como resultado de um conjunto de aptidões cognitivas. Para além do QI referente à Escala Completa, são ainda considerados o QI Verbal e o QI de Realização.

Contudo, estes não devem ser considerados determinantes, mas antes estimativas do desempenho do indivíduo, não sendo imutáveis nem devendo ser extrapolados para todas as situações de vida, já que a avaliação pela WAIS constitui-se sobretudo uma medida de pensamento analítico. Neste sentido, tende a ser uma medida de avaliação do desempenho académico/ocupacional.

Enquadramento e interpretação

De um modo geral, a aplicação desta escala justifica-se quando se verificam queixas ou manifestações ao nível do desempenho escolar ou profissional, alterações no raciocínio, atenção, compreensão, entre outras competências cognitivas.

A presença de resultados considerados inferiores às normas e/ou resultados muito discrepantes entre tarefas verbais e de realização podem dever-se, entre outras, a lesões cerebrais, deficiência mental, dificuldades de aprendizagem específicas, fatores emocionais ou quadros clínicos/neuropsicológicos (e.g. depressão; ansiedade; alzheimer) ou ainda a estimulação deficitária ao nível da aquisição do conhecimento e/ou de oportunidades de aprendizagem.

Deste modo, a interpretação dos resultados deve ser realizada atendendo ao enquadramento conferido pelas queixas do indivíduo, pela sua história de vida bem como pela história clínica. A par da avaliação das aptidões cognitivas deve assim ser considerada a avaliação ao nível da personalidade, fatores emocionais e motivacionais.

Palavras-chave: WAIS; Wechsler; inteligência; pensamento analítico

2421 Visualizações 1 Total

References:

  • Afonso, M.J. (2004). Da WAIS à WAIS-III. Evolução conceptual e metodológica. RIDEP: 18(2), 99-117.
  • Groth-Marnat, G. (2003). Handbook os Psychological Assessment. New Jersey: John Wiley & Sons, Inc.
2421 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.