Clarinete

Clarinete: instrumento de sopro da família das madeiras; morfologia, família e desenvolvimento do instrumento.

O instrumento

O clarinete é um aerofone de palheta simples, constituído por cinco partes: a boquilha (onde se encontra a palheta), o barrilete, duas partes intermédias e, finalmente, o pavilhão. O tubo do instrumento é cilíndrico na maioria do seu comprimento. Deste facto, conjuntamente com o tipo de embocadura, resulta uma propriedade bem característica: como a palheta vibra contra a boquilha ao mesmo tempo que permanece encostada, impedindo a passagem do ar, o clarinete funciona como um tubo fechado.

Partes do clarinete

Ao funcionar como tubo fechado, o instrumente emite sons bastante mais graves do que outros aerofones de tamanho semelhante. Ao mesmo tempo, só permite a obtenção de harmónicos ímpares pelo que, para se preencher cromaticamente o intervalo de 12.ª entre a fundamental e o 3.ª harmónico, é exigido ao clarinete possuir mais orifícios (18) e chaves em comparação com outros aerofones, como a flauta, o oboé e o saxofone. É este complexo sistema de chaves faz deste instrumento um de difícil execução.

Capaz de produzir várias sonoridades (na região mais grave, um som profundo e rico; na região intermédia, mais brilhante, caloroso mas sempre aveludado; na região aguda, mais estridente, prestando-se facilmente a efeitos sarcásticos), liga-se com facilidade a outros instrumentos, especialmente as madeiras e as trompas, em contexto de orquestra. Adicionalmente, o clarinete pode obter nuances de extremo pianíssimo ao extremo fortíssimo de um modo que outros instrumentos de sopro não podem.

A família do clarinete

A família de clarinetes é variadíssima. Independentemente do facto, destacam-se alguns como o:

  • Clarinete soprano: o mais comum, normalmente em dois tamanhos: Si bemol e Lá (também já se construíram em dó mas são hoje obsoletos); são ambos transpositores e têm uma extensão de três oitavas e uma sexta. É um instrumento notoriamente expressivo.
  • Clarinete alto em Mi bemol, uma quarta abaixo do instrumento em Si bemol: actualmente, é muito pouco usado, sendo somente encontrado nas bandas militares e ocasionalmente em partituras de orquestra (de Strauss, por exemplo); é um instrumento transpositor, sendo a sua música notada uma 3.ª abaixo do seu som.
  • Clarinete baixo: transpositor em Si bemol, produz sons correspondentes a uma oitava abaixo do clarinete soprano (tem uma dimensão maior, portanto); de todos os membros da família, além do soprano, é aquele que mais intervém na orquestra.
  • Clarinete contrabaixo: quase exclusivamente um instrumento de banda militar, a sua parte é escrita uma 9.ª acima do seu som; também conhecido como clarinete pedal, embora a origem do termo não seja clara.

Desenvolvimento do instrumento

O clarinete foi inventado por Johann Christian Denner (um dos principais construtores alemães de madeira do final do século XVII), em Nuremberga, provavelmente entre 1700 e 1707. Surgiu a partir de um instrumento chamado chalumeau, muito rudimentar, constituído por um tubo de cana com seis orifícios mais um para o polegar; a palheta era cortada na própria cana, mas não era necessária acção labial directa sobre esta.

Os primeiros clarinetes possuíam duas chaves e um orifício que permitia atingir o 3.º harmónico, aumentado assim a extensão do comprimento. Em 1720, surgiu um clarinete mais aperfeiçoado, com uma campânula semelhante à do oboé. Foi para este instrumento que Haendel escreveu, em 1740, a abertura da ópera «Tamerlano» e que Vivaldi reservou algumas partes dos seus concertos. Mais tarde, passou a ser construído em três partes (boquilha, corpo e campânula), o que permitiu a substituição das partes por outras de diferentes comprimentos, facilitando deste modo a execução de diferentes tonalidades.

No período clássico, o clarinete, que possuía já cinco chaves e um pavilhão mais alongado, passou a ter uma extensão e uma qualidade sonora apreciáveis. Nesta altura surgiu a primeira obra teórica dedicada a este aerofone, «Essai d’instruction à l’usage de ceux qui composent pour la clarinete et le cor» (1764), de Valentin Roeser, e apareceram os primeiros grandes clarinetistas: Joseph Beer, Johan Simon Hermstdt e Joseph Henrich Baermann. O nome clarinete surgiu igualmente nesta época, derivado de clarino, nome do registo agudo do trompete, porque o som do instrumento era, aqui, mais áspero e estridente do que aquele que associamos hoje ao instrumento.

Embora Haendel, Vivaldi ou o mestre capela da Antuérpia Joseph Faber já o tivessem incluído na orquestra, foi no período clássico que se tornou obrigatório. Tal deveu-se à sua inclusão na orquestra de Mannheim pelo compositor Carlos Stamitz, que se entusiasmou particularmente pelo potencial do instrumento, usando-o nalgumas das suas sinfonias e escrevendo 11 concertos para este. É neste contexto que Mozart toma contacto com o clarinete, que também o entusiasma, levando-o a compor obras notáveis como o «Concerto em Lá M K.622», o «Quinteto K. 581» para clarinete e quarteto de cordas e o «Trio K. 498» para clarinete, viola e piano. O compositor austríaco inclui-o, ainda, nas suas últimas sinfonias.

No início do século XIX, o clarinete surge já com oito chaves e com uma nova configuração da boquilha. Mas o seu desenvolvimento não cessou aqui. Em 1812, o clarinetista e compositor Iwan Müller, em Paris, apresentou um clarinete em Si b de 13 chaves, que permitia ao clarinete tocar em todas as tonalidades. Este novo instrumento, apesar do êxito, não foi aprovado pela Comissão do Conservatório de Paris, que defendia a especificidade de clarinetes diferentes para as várias tonalidades.

Tendo sido este um marco importante na história do instrumento, foi ultrapassado pelo clarinete com o sistema de Boehm (inventado alguns anos antes para a flauta). A adaptação deste sistema ao instrumento deveu-se ao professor do Conservatório de Paris Hyacinthe Klosé e ao construtor Auguste Buffet. “O “princípio das anilhas móveis de Boehm” (Pinto, 2006) permitiu fechar orifícios de difícil acesso aos dedos e assim criar outros orifícios de impossível alcance para a fisionomia dos dedos. Para além destas alterações, foi introduzida, entre o corpo e a boquilha do instrumento, outra peça denominada barrilete. Este clarinete foi apresentado em 1839 em “Paris Exhibition” (Pinto, 2006), e teve muito êxito. Ainda hoje, é o clarinete mais utilizado em quase todo o mundo” (Capitão, 2017, p. 17).

Clarinete

A importância do instrumento no universo da música revelou-se na vastidão do repertório para clarinete escrito a partir do Romantismo, tanto para o instrumento a solo como em conjuntos de câmara, além do seu papel na orquestra. O clarinete é igualmente preponderante no jazz.

238 Visualizações 1 Total

References:

Capitão, J.M.R. (2017). Iniciação ao clarinete: estudo de caso. Dissertação de mestrado em ensino da música, Universidade Católica.

Henrique, L. (1998). Instrumentos Musicais. Fundação Calouste Gulbenkian.

Kennedy, M. (1994). Dicionário Oxford de Música. Publicações Dom Quixote.

238 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática