Ruínas de Tróia

Este artigo é patrocinado por: «A sua instituição aqui»

As ruínas romanas de Tróia, por vezes conhecidas apenas por Ruínas de Tróia, são um sítio arqueológico localizado na margem esquerda do rio Sado, na zona noroeste da Península de Tróia, em frente a Setúbal, no concelho de Grândola, mais especificamente na freguesia do Carvalhal.

As ruínas abrangem construções entre os séculos I e VI e estão classificadas como Monumento Nacional desde 1910. Mais recentemente passaram a integrar a lista indicativa a património mundial da UNESCO.

CetariasTroia

Na zona onde atualmente se localizam estas ruínas existiu um agregado populacional que tinha como principal atividade a pesca e o fabrico e exportação de conservas de peixe (garum). Estima-se que este agregado esteve ativo desde o século I até ao século VI. É provável que a península onde se localizava o povoado fosse, na época, uma ilha, a Ilha de Ácala, como era conhecida durante o Período Romano.  

As primeiras referências históricas às ruínas aconteceram no século XVI por Gaspar Barreiros e André de Resende. No entanto, aparentemente te-las-ão confundido com Cetóbriga, em Setúbal. Nos séculos seguintes vários autores as mencionaram, mas apenas na segunda metade do século XVIII foram efetuadas as primeiras escavações arqueológicas a mando de D. Maria I. Em 1850 decorreram novas escavações onde se encontraram paredes com pinturas e pisos com mosaicos. Em períodos mais recentes foram escavadas os banhos, as casas de salga, as necrópoles e a basílica paleocristã.

As ruínas de Tróia abrangem um núcleo habitacional com casas de rés-do-chão e primeiro andar (conhecidas por “Casas da Princesa”, várias necrópoles, um columbário, termas, uma roda de água e os restos de uma basílica paleocristã. No entanto, as estruturas mais características deste espaço são as oficinas de salga de peixe, uma vez que a atividade industrial de Tróia estava centrada na pesca e fabrico de peixe em conserva, que era exportado para o restante Império Romano. As oficinas de salga eram constituídas por uma série de tanques (cetárias) organizados ao redor de um pátio central. Até ao momento foram identificadas 20 oficinas de várias dimensões. Além disso,as termas também eram uma zona de grande importância. Foram escavadas em 1956 e ocupavam uma área de 450 m2. Incluíam apoditério (vestíbulo), frigidário (tanque de água fria), tepidário (água morna), caldário (água quente) com sistema de aquecimento subterrâneo, piscinas diversas e sala de ginástica.

268 Visualizações 1 Total
268 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.