Dinis I

Dinis I de Portugal foi um reformador e sábio administrador do reino português, promovendo uma prosperidade nunca antes vista no reino.

Biografia Dinis I:

Dinis I de Portugal era filho de Afonso III com Beatriz de Castela. Nasceu a 9 de Outubro de 1261 em Lisboa. Foi coroado Rei de Portugal a 6 de Fevereiro de 1279, reinando até a sua morte a 7 de Janeiro de 1325. Casou-se com Isabel de Aragão, a Rainha Santa Isabel, resultando desta união, o sucessor Afonso IV, e Constança de Portugal. Ficou conhecido para a História como o Lavrador e o Poeta.

Dinis I de Portugal

Dinis I de Portugal

Dinis I foi o sucessor natural, após a morte do seu pai Afonso III. Uma das primeiras medidas, do novo soberano, foi solucionar o conflito entre Portugal e Roma, instigado pelo pai. Dinis assinou um acordo, com o Papa Nicolau IV, onde prometia defender os interesses da Igreja no reino. Mais tarde este acordo traria os seus frutos para Portugal, com a permissão papal de criação da Ordem de Cristo, ordem religiosa criada em Portugal, em substituição da Ordem dos Templários.

Como o seu pai havia concluído o processo de reconquista português, os mais de quarenta anos de reinado de Dinis I, foram dedicados à criação de uma identidade nacional, e frenesim reformador, que permitiram a Portugal tornar-se dos reinos mais influentes no contexto político da Época Medieval. Apenas envolveu-se num conflito com Castela, em 1295, prontamente solucionado com a cedência de Serpa e Moura a Portugal, e assinatura do Tratado de Alcanizes em 1297.

Dedicando-se exclusivamente à administração do reino, promoveu diversas reformas judiciais; administrativas; económicas e políticas. Foi responsável pela uniformização da língua portuguesa, essencial para a fixação identitária de qualquer nação, e dos pesos e das medidas. Até o reinado de Dinis I, cada cidade e região, definia as suas próprias medidas, originando discrepâncias comerciais no reinado, que desencorajavam trocas comerciais, tanto internamente como externamente, dificultando também, a colecta de impostos pelos oficias régios.

Continuou a política de centralização do poder régio, iniciada com Afonso II e D. Afonso III. Durante o seu reinado, foram elevadas diversas povoações, a cidade ou concelho, libertou as ordens militares fixadas em Portugal da influência estrangeira, incentivou a exploração de minas de pratas, ferro, estanho e cobre. Promoveu o comércio externo, exportando o excedente da produção em Portugal. Assinou o primeiro acordo comercial com Inglaterra em 1308, que mais tarde evoluiria, para uma aliança entre os dois reinos, com o Tratado de Windsor.

Lançou as bases para a criação da Marinha Portuguesa, ao contratar o genovês Manuel Pessanha, como Almirante, responsabilizando-o pela criação de uma estrutura naval, tanto militar como marcante. Seria o seu filho, Afonso IV, que começaria a tirar os primeiros proveitos desta iniciativa de Dinis, que mais tarde estaria na origem da expansão ultramarina portuguesa.

Ficou conhecido como o Poeta, por dedicar-se á poesia trovadoresca, foi um dos principais impulsionadores, deste género literário na Península Ibérica. Promoveu a tradução de diversas obras, tanto das letras como das ciências, para português. Foi o primeiro soberano de Portugal, verdadeiramente culto e alfabetizado.

Em 1290, cria em Lisboa, a primeira Universidade portuguesa, dedicada ao ensino da Medicina, Artes, Direito Civil e Religioso. Após transitar diversas vezes entre Lisboa e Coimbra, a Universidade fixou-se definitivamente em Coimbra com João II em 1537.

O epíteto, o Lavrador, surge com a protecção dada por Dinis I aos agricultores, através de isenções e benefícios, e criação de inúmeros mercados agrícolas um pouco por todo o reino. Embora seja do senso comum, a plantação do Pinhal de Leiria, não foi ordenada por Dinis, mas sim pelo seu pai, Dinis apenas conservou-o. Este Pinhal era e é fundamental, para impedir o avanço das dunas, protegendo tanto povoações como terrenos agrícolas.

Os últimos anos do seu reinado ficaram, marcados pelo conflito com o filho Afonso, que receava o favorecimento do pai ao meio-irmão Afonso de Sanches. De facto Dinis I preferia Afonso de Sanches, ao seu filho legítimo com Isabel de Aragão. O conflito não escalou para guerra aberta, entre pai e filho, por intervenção da Rainha, que após a morte de D. Dinis, seria também fundamental, ao apaziguar e mediar o conflito entre os meios-irmãos.

É globalmente considerado um reino justo, que pôde dedicar a sua vida à administração e reforma do reino. Estas reformas trouxeram prosperidade a Portugal, que seria aproveitada mais tarde, no processo de expansão atlântica. Após a sua morte em 1325, foi sucedido pelo seu filho legítimo Afonso IV.

Reis da Primeira Dinastia (Dinastia de Borgonha)

| Afonso I | Sancho I | Afonso II | Sancho II | Afonso III | Dinis I | Afonso IV | Pedro I | Fernando I |

729 Visualizações 1 Total

References:

MATTOSO, José (Dir.); História de Portugal, 1. Antes de Portugal, 2. Monarquia (A) feudal (1096-1325), 3. No Alvorecer da Modernidade, 1480_1620(, Circulo de Leitores, Lisboa, 1993

SERRAO, Joel MARQUES, A. H. de Oliveira, Dir.; Nova Historia de Portugal, 2. Das invasoes germanicas a “Reconquista”, 3. Portugal em definiçao de fronteiras. Do Condado Portucalense a crise do seculo XIV. Proença, Lisboa, 1992

729 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática