Morangueiro

Apresentação do morangueiro e das suas principais características; morfologia; principais espécies; classificação científica…

Este artigo é patrocinado por: «A sua instituição aqui»

Apresentação do Morangueiro

O termo Morangueiro é a designação comum dada a várias espécies de plantas herbáceas rasteiras, estoloníferas, da família das rosáceas, que produz morangos, uma infrutescência muito apreciada e que é cultivada sobretudo em países de clima temperado e sub-tropical.

Classificação científica morangueiro
Reino: Plantae
Divisão: Spermatophyta
Classe: Eudicotiledóneas
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Subfamília: Rosoideae
Género: Fragaria L.
Espécie: Várias
Nome binomial

 

Morfologia do Morangueiro

Sistema radical

Possui um sistema radical fasciculados e superficial, com 50% a 90% das suas raízes localizadas nos primeiro 20 cm do solo e 25% a 50% dos primeiros 7,5 cm. Quando maduro, o morangueiro possui entre 20 e 25 raízes primárias e milhares de raízes materiais. As raízes primárias são as que penetram no solo e vivem geralmente apenas um ano podendo, em condições favoráveis, viver um período de tempo maior. As raízes secundárias têm funções de absorção de nutrientes e e de água e servem como acumuladores de reservas durante o inverno. As raízes nascem adventiciamente a partir da base das folhas novas ao longo da coroa, mas emergirão apenas se estiverem em contacto com o solo. No seu conjunto, o sistema radical de uma planta adulta apresenta um aspeto fasciculado, de cor amarelo pardo e tanto mais claro quanto mais jovem e sã for a planta.

 

Caule

O caule do morangueiro é um rizoma estolhoso curto e com formato cilíndrico e retorcido que se ramifica e do qual emergem em roseta as folhas trifoliadas formando um conjunto a que é dada a designação de coroa. A planta é constituída por uma ou mais coroas onde crescem influrescências, estolhos, coroas ramificadas e raízes adventícias. Cada coroa constitui uma unidade independente da planta que cresce apenas alguns centímetros em comprimento, conferindo ao morangueiro um hábito em roseta. Cada coroa possui um número de folhas em várias fases de desenvolvimento e agrupadas em espiral no eixo. A base da coroa encontra-se protegida pelas estípulas das folhas mais velhas e mortas. Por cima destas encontram-se as folhas verdes maduras, as quais possuem também estípulas de proteção.

 

Folhas

As folhas, de cor verde, mate ou brilhante, consoante as variedades, são constituídas por três folíolos (trifoliadas), pilosos, de margens dentadas e dispõem-se em espiral a 2/5, estando cada sexta folha quase por cima da primeiro, numa disposição que permita a máxima exposição à luz. O tempo que medeia entre a emergência das folhas sucessivas em plantas que estejam em crescimento ativo é de cerca de 8 a 12 dias e cada uma delas tem uma duração que varia entre um e três meses. A taxa de emergência depende fundamentalmente da temperatura, sendo maior na Primavera e no Verão.

O pecíolos das folhas, possuem na sua base duas estípulas de proteção, onde se encontram os gomos, os quais podem evoluir em estolhos ou em novas coroas.

 

Estolho

O estolho é um ramo especializado que difere dum ramo-coroa pela elongação dos primeiros dois entrenós. Um estolho novo emerge das estípulas-bainha da folha subjacente. Os estolhos surgem na Primavera e Verão, quando os dias são maiores. O primeiro estolho emerge, geralmente, na axila da primeira folha. Os primeiro e segundo entrenós do estolho alongam-se por vários centímetros terminado numa bráctea e num gomo axilar. Os terceiro e seguintes entrenós são muito curtos, possuindo os nós folhas trifoliadas em gomos axilares, constituindo as plantas-filhas (os clones). O primeiro gomo axilar da planta-filha pode produzir um novo estolho com dois nós e outro clone e assim sucessivamente.

 

Inflorescência, flor e fruto

A inflorescência é terminal, emergindo das estípulas-bainha da folha, imediatamente abaixo dela, em simultâneo com a expansão da folha. O eixo de crescimento da inflorescência termina numa flor primária que mantém uma posição dominante no desenvolvimento da inflorescência. Cada eixo da inflorescência termina numa única flor produzindo brácteas que irão suster o outro eixo com uma flor de ordem inferior e assim sucessivamente. Desta forma, uma inflorescência típica apresenta uma flor primária, que é a mais velha, duas flores secundárias, quatro flores terciárias e oito flores quaternárias.

As flores são pentâmeras, agrupando-se em corimbos e possuindo pedúnculos compridos revestidos de pêlos. O comprimento do pedúnculo depende do fotoperíodo, com os dias mais compridos a induzirem hastes florais mais longas. No morangueiro cultivado as flores são hermafroditas, possuindo geralmente cinco sépalas e cinco pétalas. As pétalas são de cor branca e de forma variável, variando desde elíptica a arrendodada e a oval. A flor possui entre 20 e 30 estames e um número de pistilos que pode variar entre os 60 e os 600. Todos estes órgãos encontram-se dispostos em espiral sobre um grande receptáculo. Os estames estão dispostos ao redor e sobre os ovários de forma a que quando se dá deiscência das anteras, o pólen cai diretamente sobre as estigmas, que são rugosos e com depressões a fim de reterem eficazmente os grãos de pólen. As flores primárias de cada inflorescência são as primeiras a frutificarem produzindo os frutos de maiores dimensões. As flores secundárias e terciárias, como possuem menor número de pistilos, produzirão frutos menores.

A fecundação dos óvulos é feita pelo pólen da mesma flor ou de flores da mesma ou de plantas diferentes. Assim, como resultado da fecundação do óvulo dos vários carpelos desenvolve-se um fruto composto, que é um múltiplo de aquénios. O fruto propriamente dito é um aquénio (que se apresenta como um pequeno ponto verde ou preto) disposto num receptáculo floral hipertrofiado. Contudo, no morangueiro designa-se por fruto o conjunto constituído pelo receptáculo e os aquénios nele contidos.

 

Espécies de Morangueiro

Existem mais de duas dezenas de espécies de morangueiros e numerosas variedades híbridas e cultivares. A classificação das espécies é geralmente efectuada com base no número de cromossomas daí resultando as espécies diplóides (dois conjuntos de sete cromossomas básicos), tetraplóides (quatro conjuntos de sete cromossomas básicos), hexapóides (seis conjuntos de sete cromossomas básicos), octoplóides (oito conjuntos de sete cromossomas básicos) e decaplóides (dez conjuntos de sete cromossomas básicos). As variedades atualmente existentes são o resultado de intensos trabalhos de melhoramento genético e cruzamento de várias espécies oriundas da Europa e das Américas. As espécies comercialmente mais importantes são as europeias Fragaria vesca, Fragaria moschata e Fragaria viridis, e as americanas Fragaria virginiana, Fragaria chiloensis, as híbridas Fragaria ananassa e as remontantes Fragaria ananassa x Fragaria vescana.

 

Espécies diploides:
Fragaria daltoniana
Fragaria iinumae
Fragaria nilgerrensis
Fragaria nipponica
Fragaria nubicola
Fragaria vesca (o morango silvestre europeu)
Fragaria viridis
Fragaria yezoensis

Espécies tetraploides:
Fragaria moupinensis
Fragaria orientalis

Espécies hexaploides:
Fragaria moschata

Espécies e híbridos octoploides:
Fragaria x ananassa (o morangueiro agrícola mais comum)
Fragaria chiloensis
Fragaria iturupensis
Fragaria virginiana

Espécies e híbridos decaploides:
Fragaria Potentilla
Fragaria vescana

9059 Visualizações 1 Total

References:

  • MEXIA, António e outros. Manual do Morangueiro (Projecto PO AGRO DE&D nº 193), 2005. ISBN 972-579-030-8
9059 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.