Ciclo da violência doméstica

O ciclo da violência doméstica abarca três fases, sendo elas a tensão, a explosão e a “lua de mel” em sequência e em espiral.

Ciclo da violência doméstica

O ciclo da violência doméstica abarca três fases, sendo elas a tensão, a explosão e a “lua de mel” em sequência e em espiral.

Segundo a revisão bibliográfica de Peinado, Moura, Almeida, Santos e Gaspar (2010) define-se como violência doméstica todo o ato, por parte de familiar, que abarque violência verbal, tal como insulto, violência física, por exemplo agressões à integridade física, violência psicológica, que entendemos como ameaças, chantagens, etc, ou, por fim, violência sexual como é o caso da violação.

A partir daqui, alguns autores propõem a explicação do processo da violência doméstica a de acordo com um ciclo vicioso que contempla diferentes fases que se prolongam no tempo: fase de aumento de tensão – fase de explosão – fase de “lua de mel” – fase de aumento de tensão (e assim sucessivamente) (Peinado, Moura, Almeida, Santos, & Gaspar, 210).

É necessário ainda analisar a situação da vítima no que concerne a questões como a família, o perfil do agressor, o nível sócio económico (NSE) etc (Carmo, & Moura, 2010).

No entanto, existem casos relatados em que não é possível compreender a razão pela qual a vítima se mantem no registo de violência durante anos (Carmo, & Moura, 2010).

Convém salientar que este ciclo funciona em círculo e abarca sempre as três fases, pelo que as mesmas devem ser explicadas da seguinte forma:

  • Fase de aumento de tensão: o agressor encontra um motivo superficial para se dirigir à vítima com atos agressivos, que faz com que o mesmo despolete uma discussão entre o casal com contornos não adequados (Carmo, & Moura, 2010; Peinado, Moura, Almeida, Santos, & Gaspar, 2010). Seguidamente e feita uma análise errada do comportamento da vítima que pode ser ou não relevante mas que, mesmo relevante ou motivo de chamada de atenção, se deveria a algo acidental, como por exemplo, chegar atrasada por motivos impossíveis de controlar (Carmo, & Moura, 2010; Peinado, Moura, Almeida, Santos, & Gaspar, 2010). A atitude do agressor torna-se desmedida, culpando a vítima de tudo o que lhe causa frustração e irritação, o que a leva a adquirir sentimentos de inferioridade e desconforto perante o mesmo (Carmo, & Moura, 2010; Peinado, Moura, Almeida, Santos, & Gaspar, 2010).
  • Fase de explosão: aqui o agressor já parte para a agressão com qualquer um dos contornos já mencionados, que pode acontecer com a junção de todos, aumentando a violência em forma de espiral (Carmo, & Moura, 2010; Peinado, Moura, Almeida, Santos, & Gaspar, 2010). Nesta fase, além de todas as posturas violentas mencionadas, o agressor assume uma atitude de superioridade, hostilidade e controlo total sobre a vítima (Carmo, & Moura, 2010; Peinado, Moura, Almeida, Santos, & Gaspar, 2010).

Carmo e Moura (2010) referem, a respeito do controlo que o agressor exerce sobre a vítima, que o mesmo acontece, principalmente por uma questão de dependência, ou seja, a vítima é, frequentemente, dependente do agressor em vários níveis como emocional e financeiro.

  • Fase de “lua de mel”: é a fase de arrependimento em que o agressor minimiza todo o seu comportamento durante a crise, pede perdão e faz promessas de melhoria, insistindo que não vai repetir o que fez (Carmo, & Moura, 2010; Peinado, Moura, Almeida, Santos, & Gaspar, 2010). É comum que ele assuma a inadequação dos seus comportamentos violentos mas que também justifique os mesmos com argumentos externos e dizendo que a situação se deveu à tensão do momento, que não pensou e que não se controlou num curto e único espaço de tempo (Carmo, & Moura, 2010; Peinado, Moura, Almeida, Santos, & Gaspar, 2010).

Após muitos episódios de repetição deste ciclo, aparece, aos poucos, o desacreditar no relacionamento, em que um dos dois já não tem esperança na felicidade conjunta e o afeto começa a perder a força (Carmo, & Moura, 2010). Por esta altura, a vítima, na maioria dos casos oficiais, a mulher, termina a relação/casamento, ao fim de diversas tentativas de reconciliação sem êxito (Carmo, & Moura, 2010).

Conclusão

O ciclo da violência doméstica abarca sempre três fases que se expressam sempre da mesma forma e cada vez mais agressivos. Na maioria dos casos relatados, a vítima é a mulher, inserida num casamento ou relacionamento disfuncional, no qual, o agressor, habitualmente o homem, descarrega todas as suas frustrações em cima da mesma. A situação, por se tornar repetitiva e impossível de contornar, leva, quase invariavelmente ao rompimento da relação/ término do casamento.

1688 Visualizações 1 Total

References:

  • Carmo, P.C.C.S., & Moura, F.G.A. (2010). VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: A DIFICIL DECISÃO DE ROMPER OU NÃO COM ESSE CICLO. Fazendo Gênero 9. Diásporas, Diversidades, Deslocamentos. 23 a 26 de agosto de 2010. Acedido a 20 de setembro de 2016 em fazendogenero.ufsc.br/…/1278278656_ARQUIVO_VIOLENCIADOMESTICA;
  • Peinado, A., Moura, C., Almeida, I.A., Santos, M, & Gaspar, T. (2010). VIOLÊNCIA DOMÉSTICA – UMA ABORDAGEM TEÓRICA SOB A PERSPECTIVA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. [em linha] PT O PORTAL DO PSICÓLOGO. www.psicologia.pt. Acedido a 20 de setembro de 2016 em www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0206.pdf.
1688 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática