Glinka, Mikhail

Biografia do compositor russo Mikhail Glinka (1804-1857), considerado o fundador da escola nacional russa e o primeiro compositor a ser conhecido e admirado fora do seu país.

Nascimento 1 de Junho de 1804, Novospasskove, Rússia
Morte 15 de Fevereiro e 1857, Berlim, Alemanha
Ocupação Compositor
Principais Obras

«Uma Vida pelo Czar»; «Ruslan e Lyudmila»;«Jota Aragonesa»; «Uma Noite em Madrid»; «Kamarinskaya»; «Zapiski»; «Festival Polonaise»

Primeiros anos

Mikhail Glinka nasceu no dia 1 de Junho de 1804, em Novospasskove, na Rússia. Filho de um capitão das forças armadas já reformado, a sua família tinha um longo histórico de lealdade e serviço aos czares. Mikhail foi essencialmente criado pela avó paterna (que era exageradamente protectora, autoritária e manipuladora) até aos 6 anos de idade, altura em que esta faleceu.

Glinka mudou-se, então, para a propriedade do seu tio materno, a 10 quilómetros da sua casa, onde se viria a interessar por música ao ouvir a orquestra privada do tio, cujo repertório incluía Haydn, Mozart e Beethoven. O próprio pediu para receber aulas de música ao mesmo tempo que estudava russo, francês, alemão e geografia.

Com 13 anos de idade foi enviado para São Petersburgo com o objectivo de prosseguir estudos numa escola de crianças para a nobreza. Ali o compositor teve a oportunidade de aprender latim, inglês, persa, matemática, zoologia, ao mesmo tempo que continuava a estudar música. Alguns dos seus professores de músicas foram John Field e Charles Meyer.

Em 1824, começou a trabalhar para o Ministério das Comunicações, onde se manteve até 1828. Embora já tivesse decidido que queria ser músico, Glinka cedeu às pressões do pai para trabalhar no serviço público. A profissão de  músico não sofria de boa reputação entre a nobreza. Ainda assim, não abandonou a música e dedicou-se à composição nesse período.

Início da carreira

Em 1830, Glinka viajou para Itália com o tenor Nikolay Ivanov. Em Milão estudou com Francesco Basili, famoso compositor e maestro italiano. Permaneceu em Itália durante três anos, passados a ouvir música, a galantear mulheres e a conhecer pessoas conhecidas como Mendelssohn e Berlioz. As suas composições adquiriram maturidade e dedicou-se, principalmente, a escrever peças com base em temas de óperas, além de prestar uma atenção especial a pequenos ensambles instrumentais. Apesar de gostar de Itália, as saudades da Rússia levaram-no a tomar a decisão de escrever uma obra de carácter verdadeiramente nacional.

O compositor iniciou a viagem de regresso a casa, parando em Viena, onde teve a oportunidade de ouvir Franz Liszt, e em Berlim, onde permaneceu durante cinco meses. Nesta cidade estudou composição com Siegfried Dehn. Ao receber a notícia da morte do pai, regressou apressadamente à sua cidade natal, Novospasskove, em 1834.

Uma Vida Pelo Czar

Depois de regressar à Rússia, Glinka dedicou-se de imediato à composição de uma ópera, para a qual ainda não tinha enredo, mas com o objectivo de criar uma ópera verdadeiramente russa. Convidado regular para os encontros que o poeta Vasily Zhukovsky organizava em sua casa com as principais figuras do cenário literário e musical da Rússia (Pushkin, Gogol, Pletnev, por exemplo), encontrou aqui o enredo que necessitava. Zhukovsky não só incentivou o músico como lhe sugeriu a história do camponês Ivan Susanin, que sacrificou a vida em prol do czar.

O compositor concluiu a ópera mas o Teatro de São Petersburgo recusou-se a levá-la a palco. Acabou por concordar sob as seguintes condições: o nome da ópera foi alterado para «Uma Vida pelo Czar» e Glinka teve de recusar todos os royalties. A estreia aconteceu no Outono de 1836, com um sucesso estrondoso. O próprio Czar agradeceu a Glinka no final.

Com esta ópera, Mikhail Glinka pretendia glorificar, através do camponês, a grandeza do carácter nacional russo, a sua coragem e resistência. «Uma Vida pelo Czar» foi a primeira ópera russa escrita sem diálogos falados e, também pela primeira vez na história da música da Rússia, um camponês foi elevado a uma personagem heróica.

Mikhail Glinka

Ruslan e Lyudmila

Em 1837, o músico foi nomeado mestre da Capela Imperial. No ano seguinte, por sugestão do Czar, viajou até à Ucrânia para recrutar novas vozes para o coro.

Neste período compôs algumas das suas melhores canções e dedicou-se à escrita de uma nova ópera, com base num conto de Alexander Puskin, «Ruslan e Lyudmila». A estreia aconteceu exactamente seis anos depois da estreia da sua ópera anterior mas não foi tão bem recebida, pelo contrário: a ópera foi muito criticada por um jornalista influente da época, Faddey Bulgarin, o público geral também não a apreciou e o Czar Nicolau I abandonou a estreia antes da conclusão da obra.

Retirada do repertório, só voltaria a ser encenada na Rússia 13 anos depois da morte de Glinka.

França e Espanha

As críticas duras levaram o compositor a abandonar a Rússia em 1844 e a encetar uma viagem por França e Espanha para se recompor.

Em Paris, teve a satisfação de ouvir excertos das suas duas óperas, regidos por Berlioz (a primeira apresentação de música russa no ocidente) e outros maestros. Berlioz escreveu até uma crítica muito favorável a Glinka. Seguiu, depois, para Espanha, onde em 1845 escreveu a abertura «Jota Aragonesa». Decidiu voltar a fazer outra pausa para estudar a música folclórica espanhola e só em 1848, depois de regressar à Rússia, compôs outra ópera, com base no carácter e estilo espanhol, «Uma Noite em Madrid».

Ainda enquanto viajava, inspirado pelas saudades de casa, escreveu a fantasia para orquestra sobre duas canções tradicionais «Kamarinskaya». O título faz referência a uma dança russa.

Últimos anos

Entre 1852 e 1854 voltou a viajar pelo estrangeiro, passando a maior parte do tempo em Paris, mas a Guerra da Crimeira fê-lo regressar a casa. Compôs, então, «Zapiski» e, em 1855, surgiu a sua última composição notável «Festival Polonaise» para o baile de coroação do Czar Alexandre II.

Passou os últimos cinco meses de vida em Berlim, onde viria a falecer no dia 15 de Fevereiro de 1857. Foi enterrado em Berlim mas passados alguns meses o seu corpo foi levado para São Petersburgo.

Legado musical

Mikhail Glinka marcou o início de uma nova direcção de desenvolvimento da música russa. A cultura musical, à semelhança da literatura e da moda, chegava à Rússia da Europa, mas, com Glinka, assistiu-se pela primeira vez ao aparecimento de música originalmente russa em obras musicais e muitos acontecimentos históricos começaram a ser utilizados na música, apresentados de uma forma realista. As primeiras pedras para o movimento nacionalista russo tinham sido lançadas.

O crítico de música russo Viktor Korshikov sintetizou esta ideia afirmando que o desenvolvimento da música russa seria inexistente sem três óperas, «Uma Vida Pelo Czar», «Ruslan e Ludmila» e «Convidado de Pedra». As primeiras duas são da autoria de Glinka e a terceira da autoria do seu primeiro discípulo, Aleksandr Dargomijski.

A mensagem de Glinka foi determinante para os compositores das gerações posteriores. De então por diante, todos – com a excepção de Tchaikovsky – abandonaram a tradição ítalo-franco-alemã para procurar inspiração nas fontes populares nacionais. Glinka terá dito: “Quem cria a música é o povo; nós, os artistas, só fazemos os arranjos”.

904 Visualizações 1 Total

References:

Massin, J. & Massin, B. (1983). História da Música Ocidental. Editora Nova Fronteira, S.A: Rio de Janeiro.

The Editors of Encyclopædia Britannica (nd). Mikhail Glinka. Em http://www.britannica.com/biography/Mikhail-Glinka

Yudina, A. (nd). Prominent Russians: Mikhail Glinka. Em http://russiapedia.rt.com/prominent-russians/music/mikhail-glinka/

904 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática