João III

João III de Portugal viu no decorrer do seu reinado, o início do declínio imperial português, e a fixação do Brasil como principal território colonial.

Biografia de João III:

João III de Portugal era filho de Manuel I com Maria de Aragão e Castela. Nasceu em Lisboa, a 7 de Junho de 1502, foi coroado Rei, a 19 de Dezembro de 1521, reinando até a sua morte em 1557. Casou com Catarina de Áustria, com teve diversos filhos, embora todos tenham morrido no decurso do seu reinado, foi sucedido no trono, pelo neto, Sebastião. Ficou conhecido como o Colonizador, e o Piedoso.

João III de Portugal

João III de Portugal

João III teve uma educação variada, englobando áreas como o latim, o grego, a matemática, a astronomia, geografia e direito civil. Ascendeu ao trono português aos 19 anos, com o reino no auge do seu poder. As diversas monarquias europeias viam, emergir jovens monarcas que dinamizavam o continente. Manteve o governo do pai, permitindo a contínua e boa administração do reino, no primeiro período do seu reinado.

Durante o seu reinado, iniciou-se o processo de colonização do Brasil, e outras regiões do Império, valendo-lhe o cognome, de o Colonizador. Esta colonização e ocupação de espaço pretendia, afirmar a soberania e autoridade do reino, nos territórios coloniais, constantemente ataques por holandeses, e corsários ao serviço de Inglaterra e França. O império, herdado por João III estendia-se desde as Américas até o Extremo Oriente, o que tornava a defesa de um território tão vasto, muito difícil, para um reino com um milhão e meio de habitantes.

Paralelamente à dimensão colossal do Império, que dificultava a sua defesa, as de mais, potências europeias, estabilizaram a política interna e externa. Sem a ocorrência de grandes conflitos, reinos como a Franja e Inglaterra, voltaram-se para a expansão ultramarina, colocando em causa, o domínio dos países ibéricos nos oceanos.

A defesa das praças portuguesas no Norte de África, contra os ataques muçulmanos, mostrava-se cada vez mais dispendiosa, levando ao abandono de inúmeras cidades em Marrocos, durante o reinado de João III, como Aguz ou Alcácer-Ceguer,

A Oriente, o Império Otomano instigava as populações do golfo pérsico e Índia, a revoltarem-se contra os portugueses, fragilizando a rota marítima portuguesa até a Índia, relativamente à rota do Levante, que voltava a florescer, sobre o domínio otomano.

O monarca ficou conhecido como o Piedoso, pela sua devoção religiosa, o que levou a uma forte influência do clero no reino. Em 1536,é introduzida a Inquisição, provavelmente a decisão mais desastrosa do monarca, causando uma crise financeira do Império, e início da decadência do Império português.

A classe económica portuguesa, era constituída essencialmente por judeus e cristãos, com a introdução da Inquisição, estas comunidades fugiram do país, estabelecendo-se um pouco por toda a Europa, mas com especial incidência, na Holanda, contribuindo de forma decisiva para a ascensão holandesa no século XVI. Sem financiamento interno, João III foi obrigado a contrair pesados empréstimos no estrangeiro, que lesaram a economia do reino.

Em geral o seu reinado ficou marcado por diversas crises, económica, militar, religiosa com a ascensão dos movimentos protestantes, alimentar com a escassez de produção agrícola, crises naturais, como o terramoto em Lisboa de 1531 e ascensão de grandes poderes como os Otomanos, Espanhóis, Franceses e Ingleses, Portugal pura e simplesmente não tinha a dimensão demográfica, para afirmar-se eficazmente no panorama global.

João III procurou essencialmente, através de uma política de colonização e exploração económica, vincar o poder português no território brasileiro, tornando-o o território mais valioso de todo o Império.

Nomes importantes das artes e letras desenvolveram, o seu trabalho, no reinado de João III. Luís de Camões, Garcia de Resende, Damião de Góis, entre muitos outros.

João III foi visto por muito historiadores, como uma mau governante, que não estava ao nível de Manuel I e João II. É indiscutível, que durante o seu reinado, o Império decresceu e perdeu influência, decisões como a introdução da Inquisição, iriam acarretar grandes prejuízos ao reino, mas externamente, o panorama político europeu, alterou-se, e um país com a dimensão demográfica, que Portugal tinha, pouco ou nada poderia fazer, face á proliferação de novos rivais.

381 Visualizações 1 Total

References:

GODINHO, Vitorino Magalhães,; Os descobrimentos e a economia mundial, Ed. Presença,1983.

BETHENCOURT, Francisco; CURTO, Diogo Ramada, dir.; A Expansão Marítima Portuguesa (1400-1800), Edições 70, 2010

381 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.