Imunoglobulinas

O que são as Imunoglobulinas

As Imunoglobulinas (também conhecidas como Anticorpos), são glicoproteínas sintetizadas e excretadas por células plasmáticas derivadas dos linfócitos B, e desempenham um papel essencial no sistema imunológico do corpo. Eles se encaixam em substâncias estranhas, como bactérias, e ajudam a destruí-las. A imunoglobulina é abreviada de Ig.

Essas moléculas também são conhecidas como anticorpos. Sua estrutura é glicoprotéica e são produzidas por células chamadas plasmócitos (linfócito B produtor de anticorpo),  que é um tipo de leucócito. Eles atuam como uma parte crítica da resposta imune, reconhecendo e vinculando especificamente a determinados antígenos, que são pedações de bactérias ou vírus, e ajudando na sua destruição. A resposta imune do anticorpo é altamente complexa e extremamente específica. Isso significa dizer que cada imunoglobulina funciona somente para um antígeno.

Existem várias classes e subclasses de imunoglobulinas (isotipos). Cada uma tem sua própria características biológicas, estrutura, especificidade e distribuição do alvo. Assim, a avaliação do isotipo da imunoglobulina pode fornecer informações úteis sobre a resposta imune humoral. A avaliação e o conhecimento da estrutura e das classes de imunoglobulina também são importantes para seleção e preparação de anticorpos como ferramentas para imunoensaios e outras aplicações de detecção.

As imunoglobulinas ocorrem em duas formas principais: anticorpos solúveis e anticorpos ligados à membrana. O último contém uma região transmembranar hidrofóbica. O splicing  regula a produção de anticorpos segregados e receptores de Linfócitos B ligados à superfície desses linfócitos.

As imunoglobulinas ligadas à membrana estão associadas não covalente com dois péptidos acessórios, formando o complexo do receptor do antígeno das linfócito B. Os primeiros receptores de antígeno expressos pelas células B são IgM e IgD. O receptor é um protótipo do anticorpo que o linfócito B está preparada para produzir. O receptor do linfócito  B (BCR) só pode ligar antígenos. É o heterodímero de Ig alpha e Ig beta que permite que a célula transduza o sinal e responda à presença de antígenos na superfície celular. O sinal gerado causa o crescimento e a proliferação da produção de linfócitos B e a produção de anticorpos dentro dessas células.

Tipos de imunoglobulina (isotipos)

Os vários anticorpos produzidos pelos linfócitos B são classificados pelo isotipo, cada um dos quais difere em função e respostas de antígeno principalmente devido à variabilidade da estrutura. Foram identificadas cinco principais classes de anticorpos em mamíferos placentários: IgA, IgD, IgE, IgG e IgM. Esta classificação é baseada em diferenças na sequência de aminoácidos em uma região das cadeias do anticorpo.

IgG e IgA são ainda agrupados em subclasses (por exemplo, em IgG1, IgG2, IgG3, IgG4, IgA1 e IgA2 humanas) com base em pequenas diferenças adicionais nas sequências de cadeia  de aminoácidos.

Com base nas diferenças na sequência de aminoácidos, as imunoglobulinas podem ser subsequentemente sub-classificadas pela determinação do tipo de cadeia leve (cadeia leve kappa ou cadeia leve lambda). Uma cadeia leve possui dois domínios sucessivos: um domínio constante e um domínio variável. A proporção dessas duas cadeias leves difere muito entre as espécies, mas as cadeias leves são sempre kappa ou ambas lambda, nunca uma de cada uma.

A determinação de subclasses individuais é relevante na avaliação de imunodeficiências primárias ou respostas imunes, especialmente se a concentração total de IgG ou IgA não for alterada ou elevada.

Por que saber o isotipo é importante

As respostas imunes podem variar com cada antígeno apresentado ao sistema imunológico, de modo que a quantificação dos níveis específicos de anticorpos ajuda a interpretar a resposta imune após a vacinação ou infecção.

A avaliação dos níveis de anticorpos monoclonais humanos também é amplamente utilizada como um indicador de diagnóstico para determinar a imunidade de um indivíduo, como doenças auto-imunes e condições gastrointestinais que podem ser caracterizados por deficiências específicas de isotipo ou concentrações variáveis de um ou mais isotipos. Os estados de doença podem variar desde a ausência de uma classe ou subclasse de isotipo até uma deficiência total de classes de imunoglobulinas.

Os vários isotipos também diferem em sua capacidade de se ligar a certas resinas. Conhecer o isotipo é essencial para avaliar as melhores técnicas de purificação para obter o máximo rendimento e a pureza de um anticorpo desejado.

1308 Visualizações 2 Total

References:

  • Gomes, Drº Clayson Moura. “IMUNOGLOBULINAS.” (2017).
  • Vançan, Sandra. “Purificação de imunoglobulina G a partir do plasma ou soro humano utilizando cromatografia de afinidade com íons metálicos imobilizados.” (1999).
  • Planeta Biologia: https://planetabiologia.com/sistema-imunologico/ > acessado em 19/01/2018
  • Feitosa, Francisco Leydson Formiga, and E. H. Birgel. “Variação da concentração de imunoglobulinas G e M, de proteína total e suas frações eletroforéticas e da atividade da gamaglutamiltransferase no soro sanguíneo de vacas holandesas, antes e após o parto.” Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia 52.2 (2000): 111-116.
  • Engvall, Eva, and Peter Perlmann. “Enzyme-linked immunosorbent assay (ELISA) quantitative assay of immunoglobulin G.” Immunochemistry 8.9 (1971): 871-874.
1308 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática