Vírus

Como um vírus biológico, um vírus de computador é algo que ninguém deseja ter. Eles são pequenos programas ou scripts que podem afetar negativamente a saúde do seu computador.

Como um vírus biológico, um vírus de computador é algo que ninguém deseja ter. Os vírus de computador são pequenos programas ou scripts que podem afetar negativamente a saúde do seu computador. Estes pequenos programas mal intencionados podem criar ficheiros, mover ficheiros, apagar ficheiros, consumir memória do computador e fazer com que o computador deixe de funcionar corretamente. Alguns vírus podem duplicar-se, unir-se a programas, e viajar através das redes. Na verdade abrir um anexo de email infetado é a forma mais comum para ser atacado por um vírus.

Todos sabemos que é difícil o suficiente manter um computador a funcionar bem quando é saudável, muito menos quando ele foi atacado por um vírus. Portanto, é melhor prevenir um ataque do que tentar curá-lo. Há muitos programas de antivírus disponíveis que analisam ficheiros com vírus e eliminam-os antes que possam causar danos ao computador. Alguns desses programas incluem o Norton AntiVirus, o McAfee VirusScan, Kaspersky e Panda. É uma mais valia ter um desses programas no computador para evitar um ataque de algum vírus. Também é importante atualizar a base de dados do antivírus, pelo menos, uma vez por mês, para que o seu programa possa verificar todos os vírus mais recentes. Ele mantém o sistema do computador mais forte e saudável.

Em geral, há três classes principais de vírus de computador:

File infectors: Alguns vírus infectam os ficheiros ao anexarem-se a eles, e geralmente, escolhem as extensões .COM ou .exe. Alguns podem infectar qualquer programa para o qual a execução é solicitada, incluindo ficheiros .SYS, .OVL, .PRG e .mnu. Quando o programa é carregado, o vírus é carregado também. Outros ficheiros ou scripts infectados com vírus podem chegar em anexo numa mensagem de email.

System ou boot-record infectors: Esses vírus infectam o código executável encontrado em certas áreas do sistema num disco. Eles anexam-se aos setores de arranque no DOS de uma pen drive ou no Master Boot Record em discos rígidos. Um cenário típico é receber uma pen drive de uma fonte inocente que contém um vírus no setor de arranque. Quando o sistema operativo está em execução, os ficheiros na pen podem ser lidos sem ativar o vírus. No entanto, se deixar a pen na unidade e, em seguida, desligar o computador ou reiniciar o sistema operativo, o computador irá encontrar a pen drive, e ao arrancar, vai carregar o vírus  e tornar temporariamente impossível usar o disco rígido. É por isso que deve fazer um disco de recuperação.

Os vírus de macro: Estes estão entre os vírus mais comuns, e eles tendem a fazer o menor dano. Os vírus de macro infectam o programa do Microsoft Word e, normalmente, inserem palavras indesejadas ou frases.

A melhor proteção contra um vírus é saber a origem de cada programa ou ficheiro que é carregado no computador ou aberto num programa de email. De tempos em tempos, pode receber um aviso através de uma mensagem de email de um novo vírus. A menos que o aviso seja de uma fonte que reconhece, é bem provável que seja um vírus disfarçado.

Lista dos 3 piores vírus da história

1. Storm Trojan

Os utilizadores eram atraídos para abrir emails por causa do assunto, que era “230 mortos em tempestade na Europa”. Uma vez que o anexo de email fosse aberto, o Trojan implantava um serviço chamado wincom32. Todos os computadores infectados tornaram-se zombies ou robôs, ou seja, uma enorme rede global de computadores escravizados pelo storm Trojan.

2. Melissa

Criado por David L. Smith, que deu o nome de uma stripper de Miami, e ironicamente não foi projetado para criar danos em massa. Mas foi tão bem sucedido que os servidores ficaram sobrecarregados. Melissa foi espalhada através de um ficheiro num grupo Usenet chamado alt.sex, e o ficheiro continha senhas para 80 sites pornográficos. Assim que o destinatário do email abrisse o ficheiros, no Microsoft Word 97 ou 2000, o worm, enviava-se aos primeiros 50 endereços de e-mail que tinha no computador.

3. My Doom

O my doom foi o vírus que se propagou mais rápido de todos os tempos e durante o mês de fevereiro de 2004 estimou-se que infetou 1 em cada 12 e-mails.

O vírus espalhou-se através de redes de partilha de ficheiros peer-to-peer e email. Ele manifesta-se através de um anexo de email que geralmente tinha um título inócuo como Mail Delivery System ou Mail Transaction Failed. Naturalmente, muitas pessoas abriam o anexo.

O seu objetivo era um assalto ao Google, AltaVista e Lycos e no seu pico conseguiu encerrar o Google por quase um dia. Ele também atacou outros sites e uma empresa colocou uma recompensa para encontrar o seu criador. Ele nunca foi descoberto, mas acredita-se que estava em algum lugar na Rússia.

551 Visualizações 1 Total
551 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.