Marco de Canaveses (Porto)

Este artigo é patrocinado por: «A sua instituição aqui»

Apresentação da cidade e município de Marco de Canaveses

Marco de Canaveses é um município português localizado no distrito do Porto, na região norte e sub-região do Tâmega. É sede de um concelho com cerca de 53 450 habitantes, de acordo com os censos de 2011, estando dividido em 16 freguesias em 201,89  km². O município é limitado norte pelo município de Amarante, a leste por Baião, a sul por Cinfães, a sudoeste por Castelo de Paiva e a oeste por Penafiel.

História

O topónimo “Marco de Canaveses” é composto por dois elementos: o primeiro (“Marco”) deriva de uma marca de pedra, divisória das freguesias de Fornos, S. Nicolau e Tuias; o segundo (“Canaveses”) será uma alusão à cultura do cânhamo, em tempos abundante na região. Outra explicação para o topónimo tem origem numa lenda: conta-se que a rainha D. Mafalda teria passado pelas obras da ponte que mandara construir e, estando com sede, pediu água aos pedreiros. O acesso ao rio era muito difícil e um deles ofereceu uma cana para que a rainha bebesse diretamente do rio. Ao devolvê-la, D. Mafalda terá dito “Guardai-a porque a cana é boa às vezes”.

Desde tempos antigos que vários povos povoaram o território que corresponde ao atual concelho de Marco de Canaveses, sendo ainda hoje possível encontrar diversos vestígios. Da ocupação romana chegam até à atualidade os vestígios de Tongóbriga, uma povoação romana de que restam as termas, o fórum, as habitações e uma necrópole.

A história de Marco de Canaveses associa-se à história da velha vila de Canaveses, em que Mendo Gil foi o primeiro administrador conhecido. Entre 1255 e 1384 o senhorio pertenceu a D. Gonçalo Garcia e aos seus descendentes. Em 1384 D. João I deu-o a João Rodrigues Pereira. Já no reinado de D. João II o território era posse da coroa e no século XIX foi integrada no no concelho de Soalhães e, em meados do mesmo século, no de Marco. Por decreto de D. Maria II foi criado o concelho de Marco de Canaveses em 1852. A vila foi elevada a cidade em 1993.

Património e natureza

No que se refere ao património natural e edificado de Marco de Canaveses é importante mencionar a sua localização, marcada pelos rios Douro e Tâmega. Neste contexto, destacam-se as albufeiras artificiais de Carrapatelo (Douro) e do Torrão (Tâmega), que têm boas condições para desportos náuticos. Um dos locais que se destaca é a Praia Fluvial de Bitetos, na margem direita do rio Douro. Este local já recebeu por vários anos o galardão de “Praia Acessível – Praia para Todos”.

A envolver os dois rios estão as serras da Aboboreira e de Montedeiras, que proporcionam paisagens únicas. Além disso, é na serra da Aboboreira que encontramos importantes vestígios arqueológicos, como antas e mamoas. No contexto arqueológico podemos ainda destacar, como já mencionado, Tongobriga, uma importante cidade romana.

Na vertente do património edificado destacam-se em Marco de Canaveses as edificações religiosas, sendo obrigatório falar-se dos circuitos do românico e do barroco, presentes em várias igrejas e nas casas solarengas. A cidade de Marco de Canaveses ganhou projeção internacional com a Igreja de Santa Maria, desenhada pelo arquiteto Siza Vieira, sendo de destacar o Convento de Alpendurada e as Obras do Fidalgo.

Gastronomia

Na gastronomia de Marco de Canaveses destacam-se pratos como o anho assado com arroz de forno, o verde, a roupa velha e a lampreia (no Torrão). O verde (também conhecido como bazulaque) é uma mistura de várias carnes (carne de vaca, frango, chouriço e miúdos de porco) que, depois de cozidas, são partidas aos bocados e adicionadas ao refogado, aos quais se adiciona pão aos bocado e sangue de porco, previamente cozido e ralado. Nas sobremesas a doçaria regional é representada pelas fatias do Freixo, pelas cavacas do Freixo e de Favões, pelos biscoitos de Soalhães e pelo pão-de-ló e pão-podre (populares na altura da Páscoa).

A complementar a oferta gastronómica estão os vinhos verdes da região, uma vez que esta pertence à Região Demarcada dos Vinhos Verdes.

Geminações

Com o objetivo de aproximar os povos e criar laços históricos e culturais de amizade, o município de Marco de Canaveses celebrou os seguintes Protocolos de Geminação:

  • Saint Georges les Baillargeaux (França) a 22 de maio de 1994
  • Santo António do Príncipe (S. Tomé e Príncipe) a 14 de agosto de 1998

Brasão

brasao

O brasão de Marco de Canaveses é escudo de negro, ponte de sete arcos, ameada de prata, lavrada de negro, movente dos flancos sobre um pé ondado de prata e azul; em chefe está um chafariz de ouro, que repuxa água de prata; a coroa mural é de cinco torres de prata e o listel é branco com as palavras a negro “MARCO DE CANAVESES”.

Municípios do Distrito do Porto

Amarante Baião Felgueiras Gondomar Lousada
Maia Marco de Canaveses Matosinhos Paços de Ferreira Paredes
Penafiel Porto Póvoa de Varzim Santo Tirso Trofa
Valongo Vila do Conde Vila Nova de Gaia
282 Visualizações 1 Total
282 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.