Caminha, Portugal

Apresentação do município de Caminha: história, demografia, características geográficas, património natural e edificado, gastronomia e brasão

Este artigo é patrocinado por: «A sua instituição aqui»

Apresentação da vila e município de Caminha

Caminha é um município português localizado no distrito de Viana do Castelo, na região do Norte e sub-região do Minho-Lima. É um município com 16 684 habitantes, de acordo com os censos de 2011, estando dividido em 14 freguesias em 136,52 km². O município é limitado a nordeste por Vila Nova de Cerveira, a sudeste por Ponte de Lima, a sul por Viana do Castelo, a norte pela Galiza e a oeste pelo Oceano Atlântico.

As 14 freguesias do concelho de Caminha são Âncora, Arga (Baixo, Cima e São João), Argela, Caminha (Matriz) e Vilarelho, Dem, Gondar e Orbacém, Lanhelas, Moledo e Cristelo, Riba de Âncora, Seixas, Venade e Azevedo, Vila Praia de Âncora, Vilar de Mouros e Vile.

História do concelho de Caminha

A antiguidade de Caminha verifica-se pelos vestígios de civilizações atribuídas a épocas proto e pré-históricas, nomeadamente mamoas, dólmen e castros.

Na organização paroquial suévia do século V surgem os topónimos “Camenae” ou “Camina”. O perímetro e a configuração oval da antiga muralha seguem as características de construção das típicas fortalezas romanas dos séculos IV e V e deste período encontram-se ainda pontes, caminhos e alguns monumentos.

Em 1060, I. Magno de Leão designa Caminha como sede de um condado denominado “Caput Mini”. Cerca de meio século depois, Edereci localiza “um forte castelo em ilha a montante da foz do Minho” e outro “acima do precedente em terra firme e eminente”.

Pela sua localização, Caminha era um ponto avançado na estratégia militar portuguesa contra os castelhanos e os leoneses. Por isso, D. Dinis mandou aumentar as muralhas e construir mais duas torres. A 24 de julho de 1284 este monarca outorgou a primeira carta foral ao concelho.

A 1 de junho de 1371 D. Fernando criou o Condado de Caminha, com doação a D. Álvaro Pires de Castro. D. João I doou-a em 1390 a Fernão Martins. Em 1464 D. Afonso V fez D. Henrique de Meneses, da Casa de Vila Real, senhor de Caminha. O novo foral foi concedido a 1 de julho de 1512 por D. Manuel, que ordenou ainda a reconstrução do Forte da Ínsua.

Património edificado e natural

Em termos de património edificado destaca-se neste concelho:

  • Igreja Matriz de Nossa Senhora da Assunção
  • Castelo de Caminha
  • Muralhas seiscentistas
  • Torre do Relógio
  • Chafariz do Terreiro
  • Igreja da Misericórdia
  • Salão Nobre da Antiga Câmara Municipal
  • Casa dos Pitas
  • Conjunto de oito casas manuelinas e renascentistas da rua Direita
  • Museu Municipal
  • Igreja de Santa Clara
  • Estação Arqueológica do Coto da Pena
  • Capela e Cruzeiro de São Bento
  • Vila Idalina
  • Casa da Torre
  • Gravuras rúnicas da Lage das Fogaças
  • Cruzeiro de Venade
  • Gravuras rupestres da Chã da Vermelha
  • Ponte românica de Vilar de Mouos
  • Forte da Ínsua
  • Forte da Lagarteira
  • Forte do Cão
  • Ponte românica de Abadim
  • Cividade de Âncora

Além do património edificado, neste concelho do Alto Minho pode encontrar locais de uma beleza natural única, como:

  • Estuário do Rio Minho
  • Serra de Arga
  • Miradouro de Santo António
  • Miradouro da Fraga
  • Miradouro do Monte de Santo Antão
  • Praia da Foz do Minho
  • Dunas e Pinhal do Camarido
  • Praia de Moledo
  • Ilhéu da Ínsua
  • Miradouro do Monte Gorito
  • Ilha da Morraceira
  • Praia fluvial de Vilar de Mouros
  • Juncais do rio Coura
  • Miradouro da Senhora das Neves
  • Miradouro da Pedra Alçada
  • Cascatas dos Caldeirões
  • Praia de Âncora
  • Miradouro do Monte do Calvário
  • Praia da Gelfa
  • Dunas e Pinhal da Gelfa
  • Cascata do Pincho

Gastronomia

A gastronomia caminhense reflete a sua localização no litoral e no interior, com um vasto leque de opções. Da proximidade com o mar e os rios surgem pratos que potenciam o sabor e a frescura do peixe, destacando-se a truta, o salmão, o sável, o robalo, o linguado, a sardinha e a solha, mas também a lampreia. Deste modo, pode provar solha seca frita, polvo à moda do Portinho, robalo escalado do mar da ínsua, arroz de sável e parrilhada de peixe. Mais no interior do concelho encontramos uma gastronomia em que a carne, principalmente de porco, é a rainha. Assim, destaca-se o cabrito à Serra d’Arga e o cabrito de S. Pedro de Varais, o sarapatel de cabrito e os enchidos de porco. Para terminar a refeição pode optar por leite-creme, arroz doce, caminhenses, mokas, petingas doces, telhas de amêndoa e natas, rocas e papudos.

Geminações

Com o objetivo de aproximar os povos e criar laços históricos e culturais de amizade, o município celebrou o seguinte Protocolo de Geminação:

  • Pontault-Combault (França)

Brasão da cidade

Brasão de Caminha

O brasão da cidade é um escudo de vermelho, um pé ondado de três faixetas de prata e azul, delas saindo três ilhéus de negro, cada um encimado por uma torre de prata, lavrada de negro, aberta e iluminada do campo, sendo a do meio a mais alta. A coroa mural é de prata de quatro torres e o listel é branco com os dizeres CAMINHA a negro.

Municípios do Distrito de Viana do Castelo

Arcos de Valdevez Caminha Melgaço Monção Paredes de Coura
Ponte da Barca Ponte de Lima Valença Viana do Castelo Vila Nova de Cerveira
161 Visualizações 1 Total
161 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.