Ameba (Género Amoeba)

Ameba ou amiba, é um protista unicelular do género Amoeba. É caracterizado por não possuir uma forma estável, visto que carece de parede celular e pelo seu movimento ameboide atráves de pseudópodes, que também são usados para capturar alimentos. Espécies deste género vivem livremente em águas de todos os tipos ou em terras alimentando-se de organismos mais pequenos ou de partículas em decomposição.

A espécie mais famosa é a Amoeba proteus que mede 700-800 μm de comprimento, mas outras espécies são normalmente muito mais pequenas, podendo ser apenas observadas com a ajuda de um microscópio. Possuem um só núcleo celular e vacúolos digestivos com as quais processam o alimento. As espécies de água doce possuem um vacúolo contráctil que mantem a sua pressão osmótica (osmorregulação), eliminando o excesso de água absorvida pela célula, e prevenindo a sua rutura. Existem muitas outras espécies e géneros de amebas, usando-se este termo para os organismos ameboides em geral.

Ainda que a maioria das amebas seja de vida livre, algumas espécies são parasíticas provocando uma variedade de problemas (1, 3).

 

            Taxonomia

Ameba é um organismo unicelular do género Amoeba que pertence ao reino Protista. A Ameba foi descoberta pelo naturalista alemão August Johann Rösel von Rosenhof em 1757(2). Os naturalistas referiram-se à ameba como animal de Proteo, um Deus grego que conseguia mudar de forma, originando assim o seu nome cientifico. Por extensão denomina-se de amebas a qualquer membro do filo Amoebozoa. Pelo menos seis espécies sao parasíticas do homem. De estas, a de maior importância é a éspecie Entamoeba histolytica, que causa disentería (diarreia grave acompanhada de muco e sangue) (3). Também se pode encontrar outras espécies não-parasíticas no corpo humano. Amebas dos géneros Chaos e Pelomyxa podem apresentar centenas de núcleos, em contraste com as espécies do género Amoeba, que possuem um único núcleo. As amebas dos géneros Arcella e Difflugia produzem conchas ou tecas que servem de proteção (4).

 

            Morfologia

As amebas possuem uma estructura típica de uma célula eucariota, apresentando citoplasma, núcleo, e diversos organelos. O citoplasma divide-se numa massa central granular denominada de endoplasma e uma camada externa e mais clara chamada de ectoplasma. Os elementos mais reconheciveis de uma ameba são o núcleo e o vacúolo contráctil que usa para manter a pressão osmótica. Este vacúolo recebe o excesso de água e periódicamente une-se à membrana citoplasmática para expulsar a água do interior. Os vacúolos digestivos recebem o alimento uma vez ingerido e procedem à sua digestão. As amebas desclocam-se extendendo o citoplasma para fora, formando prolongações similares a tentáculos, conhecidos como pseudópodes ou falsos pés (5). Estes pseudópodes também se utilizam para envolver o alimento num processo conhecido como fagocitose. Quando as condições são desfavoráveis, as amebas podem formar quistos, uma fase de reposo na qual a ameba se transforma num organismo circular e segrega uma parede protetora. Os quistos conseguem sobreviver a condições ambientais muito mais desfavoráveis que a ameba original. A célula permanece neste estado dormente até que as condições se tornem mais favoráveis.

 

260px-Amoeba_(PSF)Créditos de imagem: Wikipedia.org

 

            Alimentação

A ameba é um organismo heterótrofo visto que se alimenta de toda a classe de plantas e animais microscópicos, de bacterias e de outras células. A formação de pseudópodes produz-se como resposta a estímulos químicos gerados por microorganismos que constituem o seu alimento. A ameba envolve o alimento, transportando-o para o seu interior. Este proceso é conhecido como fagocitose.

Um ácido segregado nos vacúolos digestivos, decompõe o alimento em substâncias químicas soluveis que são difundidas para o citoplasma. Este processo chama-se de digestão intracelular.

 

            Reprodução

As amebas maduras multiplicam-se asexualmente por fissão binária, na qual o material genético duplica-se por mitose, enquanto a célula aumenta de tamanho, e o citoplasma divide-se em duas células-filhas. Cada nova célula fica com uma cópia identica do ADN.

 

 

400px-Amoeba_proteus_x_100

Créditos de imagem: microbewiki.kenyon.edu/index.php/Amoeba_proteus

 

Bibliografia:

  • Cateau, E., Delafont, V., Hechard, Y., Rodier, M.H. (2014) Free-living amoebae: What part do they play in healthcare-associated infections?. J. Hospital Infection 87:131-140.

 

  • Leidy, Joseph (1878) Amoeba proteus. The American Naturalist 12: 235-238.

 

  • Martinez, A.J., Visvesvara, G.S. (2003) Amoebae (Free-living and Parasitic). Encyclopedia of the Neurological Sciences: 116-121.

 

  • Volkova, E., Smirnov, A. (2016) Regeneration of test in testate amoebae of the genus Arcella (Tubulinea, Arcellinida). Eur. J. Protistology 55: 128-140.

 

  • Dembo, M. (1989) Mechanics and control of the cytoskeleton in Amoeba proteus. Biophys. J. 55:1053-1080.

 

4051 Visualizações 1 Total
4051 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática