Risco psicossocial

O risco psicossocial diz respeito a cenários de violência, agressividade, baixa autoestima, entre outros, que interferem com o desenvolvimento do indivíduo.

O risco psicossocial diz respeito a cenários de violência, agressividade, baixa autoestima, entre outros, que interferem com o desenvolvimento do indivíduo.

De acordo com estudos levados a cabo por Amparo, Galvão, Alves, Brasil e Koller (2008) o risco psicossocial, vem sendo estudado já há algum tempo pela psicologia positiva e pela psicologia do desenvolvimento devido à, cada vez maior, necessidade de procurar soluções para os problemas vividos no quotidiano.

Da mesma forma, Lemos (2010) encontra também fortes influencias da psicologia do desenvolvimento, no que diz respeito ao risco psicossocial, uma vez que a mesma procura prevenir cenários de delinquência desde a infância e demonstra, ainda, claramente, diferenças geográficas no que diz respeito às tendências.

Alguns dos riscos associados a este tipo de problema estão relacionados com autoestima, apoio, auto eficácia, etc, que influenciam diretamente o desenvolvimento humano (Amparo, Galvão, Alves, Brasil, & Koller, 2008). Estes tipos de risco psicossocial, consequentemente, levam à tendência para o incumprimento de normas sociais, comportamento antissocial, acusação e condenação do indivíduo em risco (Lemos, 2010).

Para tal é importante salientar a resiliência que não é mais do que a capacidade de o indivíduo que se encontra em qualquer risco, inclusive o psicossocial, de recuperar de uma situação associada ao mesmo, seja dentro de um cenário de violência, adversidade, etc (Amparo, Galvão, Alves, Brasil, & Koller, 2008).

Assim, a resiliência a que Amparo, Galvão, Brasil e Koller (2008) se referem, diz respeito à capacidade para ultrapassar obstáculos potencialmente perigosos para o indivíduo, que o tornem mais vulnerável ao risco de se desenvolver de uma forma menos saudável, prejudicando a sua saúde em todos os níveis, num futuro próximo.

É importante referir que, segundo Lemos (2010) os estudos revelam que a tendência para enveredar em situação de risco psicossocial, é maior para homens do que para mulheres, provocada por famílias desestruturadas, castigos severos, imaturidade emocional, violência doméstica, impulsividade e agressividade, entre muitos outros fatores.

Conclusão

O risco psicossocial está associado a questões ambientais, sociais e familiares, que influenciam todo o desenvolvimento do indivíduo. Daí ser de extrema importância que se intervenha junto de indivíduos inseridos nestes cenários para que se possa prevenir o enveredar em situações de violência, delinquência, falta de estrutura, etc, de modo a que os mesmos se tornem resilientes.

8 Visualizações 3 Total

References:

  • Amparo, D.M, Galvão, A.C,T, Alves, P., Brasil, K.T, & Koller, S.H. (2008). Adolescentes e jovens m situação de risco psicossocial: redes de apoio social e fatores pessoais de proteção. Estudos de Psicologia 2008, 13(2), 165-174. https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/23224/000718556.pdf?sequence=1&isAllowed=y;
  • Lemos, Ida Timóteo. (2010). Risco psicossocial e psicopatologia em adolescentes com percurso delinquente. Análise Psicológica, 28(1), 117-132. Recuperado em 05 de janeiro de 2020, de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312010000100009&lng=pt&tlng=es.

8 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.