Perturbação de oposição

A POD expressa-se, fundamentalmente, por um comportamento anormalmente agressivo e desafiador da criança/adolescente para o adulto.

Perturbação de oposição e desafio (POD)

A POD expressa-se, fundamentalmente, por um comportamento anormalmente agressivo e desafiador da criança/adolescente para o adulto. Para se fazer um diagnóstico correto, é importante perceber, ao pormenor, toda a sintomatologia associada.

Segundo os estudos de Homem, Gaspar, Santos, Azevedo e Canavarro (2013) e Sá, Albuquerque e Simões (2008) a POD, descrita no DSM III: Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (American Psychiatric Association, 2002), diz respeito a uma perturbação do comportamento e défice de atenção na adolescência. De referir que a partir da nova edição, DSM-IV, o conceito de POD, passou a ser assumido como Perturbação de Oposição (PO) (Homem, Gaspar, Santos, Azevedo, & Canavarro, 2013).

Homem, Gaspar, Santos, Azevedo e Canavarro (2013) consideram que, tanto a PO, juntamente com a Hiperatividade com Défice de Atenção (HDA), têm tido um crescimento exponencial, de tal forma, que se tem tornado preocupante, uma vez que se verificam problemas no desenvolvimento das crianças e dos adolescentes quando se manifestam portadores de problemas de comportamento externalizante.

Para que possamos dizer que estamos diante de uma perturbação de oposição, é necessário que se verifique, repetidamente, ao longo de pelo menos seis meses, um conjunto de sintomas (quatro, no mínimo) tais como:

  • Acessos de cólera
  • Discussão com adultos
  • Incumprimento de regras
  • Incomodar os outros
  • Responsabilizar os outros pelas próprias atitudes inadequadas
  • Sentir-se excessivamente ofendido com os outros
  • Raiva
  • Ressentimento
  • Atitudes de rancor e vingança
  • Impulsividade

(Borduin, Henggeler, & Marley, 1995, cit in Sá, Albuquerque, & Simões, 2008; Homem, Gaspar, Santos, Azevedo, & Canavarro, 2013).

Crianças com problemas de PO chegam aos gabinetes de psicologia, frequentemente sinalizadas como sendo indisciplinadas, pouco autorreguladas, descontroladas e com um histórico comportamental padronizado (Homem, Gaspar, Santos, Azevedo, & Canavarro, 2013).

A PO não se manifesta necessariamente em contexto escolar ou comunitário, pelo que é mais frequente de ocorrerem episódios agessivos em casa, associados a traços de HDA, problemas de aprendizagem e dificuldades de comunicação, que se tornam mais evidentes na puberdade e mais comuns em rapazes do que em raparigas (Sá, Albuquerque, & Simões, 2008).

Perturbação de comportamento, condutas antissociais e perturbações de humor com ansiedade, são alguns dos sintomas que podem trazer um diagnóstico de PO durante a infância (Homem, Gaspar, Santos, Azevedo, & Canavarro, 2013).

Quando estamos perante uma criança com antecedentes de conduta inadequada tais como violação de regras básicas de socialização, a situação é mais grave (Sá, Albuquerque, & Simões, 2008).

Habitualmente, indivíduos portadores de PO são vistos, por parte dos educadores, pais e profissionais como “mal comportados” pelo que qualquer acesso de agressividade ou desobediência, mesmo que com contornos desafiadores, é visto como normal, de acordo com a idade (normalmente pré-escolar) e não como originados por uma perturbação de comportamento externalizante (Homem, Gaspar, Santos, Azevedo, & Canavarro, 2013).

Mencionamos as características de HDA pelo fato de que a mesma, na maioria das vezes, vir associada a comportamentos de PO, principalmente na infância, além de outros défices neuropsicológicos que também lhe estão associados, embora a informação acerca dos mesmos, além de pouca, seja contraditória (Sá, Albuquerque, & Simões, 2008).

Podemos, contudo, referir dificuldades ao nível das competências orais e das capacidades executivas (Sá, Albuquerque, & Simões, 2008).

Normalmente a atenção está pouco em evidência, porém, uma vez presente, traduz-se em forma de agressividade, a hiperatividade e a impulsividade, o que acaba por se tornar confuso quando há necessidade de fazer um diagnóstico (Sá, Albuquerque, & Simões, 2008).

Uma das maiores preocupações relacionadas com as crianças e adolescentes portadores de PO é que o diagnóstico traz, agregada, a hipótese de estes indivíduos virem a ter problemas de comportamento tanto na adolescência como na idade adulta, os quais podem assumir contornos de personalidade antissocial, como alcoolismo e toxicodependência (Homem, Gaspar, Santos, Azevedo, & Canavarro, 2013). A par de todos estes problemas longitudinais, ainda na infância, estas crianças sofrem, muitas vezes, com o isolamento social, porque são rejeitadas pelos pares (Homem, Gaspar, Santos, Azevedo, & Canavarro, 2013).

Conclusão

A PO apresenta-se com um comportamento patologicamente inadequado, porque repetitivo e ao longo de toda a infância e adolescência, o que causa problemas em vários níveis, para o indivíduo. Referimo-nos a problemas de desenvolvimento, sociais, interpessoais, de autocontrolo, entre outros. Uma vez que a perturbação é facilmente confundida com a HDA, já que vem, frequentemente associada, é importante analisar os sintomas meticulosamente para se fazer um diagnóstico correto.

866 Visualizações 1 Total

References:

  • Homem, Tatiana Carvalho et al. Perturbações de comportamento externalizante em idade pré-escolar. O caso específico da perturbação de oposição. Aná. Psicológica [online]. 2013, vol.31, n.1 [citado 2016-07-07], pp. 31-48. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S0870-82312013000100003&script=sci_arttext&tlng=pt;
  • Sá, Diana Sofia Ferreira de; Albuquerque, Cristina Petrucci e Simões, Mário Manuel Rodrigues. Neuropsychological assesment of the oppositional defiant disorder. , Saúde & Doenças [online]. 2008, vol.9, n.2 [citado 2016-07-07], pp.229-317. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S1645-00862008000200009&script=sci_arttext&tlng=en.
866 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática