Motivação escolar

A motivação escolar diz respeito às características que impulsionam os alunos a agir através de comportamentos que busquem objetivos.

A motivação escolar diz respeito às características que impulsionam os alunos a agir através de comportamentos que busquem objetivos. Estes objetivos visam o desempenho escolar com sucesso.

 

Lourenço e Paiva (2010) consideram a importância da motivação escolar no que concerne à qualidade do envolvimento dos alunos em relação ao processo do ensino e da aprendizagem um vez que os estudos revelam o facto de as oportunidades serem abraçadas de forma mais eficaz quando existe a vertente da motivação (Lourenço, & Paiva, 2010). Muitos estudos demonstram a evidencia de relacionamento entre o fator motivação e o fator entrega, ou seja, o aluno motivado envolve-se muito mais nos planos de estudo que lhe são propostos e está mais aberto a encarar novos desafios (Lourenço, & Paiva, 2010).

Os autores mencionam ainda que a motivação é tão importante como a inteligência, o contexto familiar e o nível sócio-económico (NSE) (Lourenço, & Paiva, 2010).

Segundo os estudos de Siqueira e Wechsler (2006) a motivação é um processo e não o produto final pelo que a forma como ela se traduz é a partir do comportamento dos alunos.

Corroborando estas ideias, Lourenço e Paiva (2010) referem que é então necessário compreender o processo de motivação no âmbito escolar como algo que é interno ao indivíduo e que impulsiona o mesmo a agir, levando-o a ter um determinado comportamento Podemos então dizer que a motivação se trata de um processo psicológico, que funciona como uma alavanca que desperta, que dirige e que condiciona a nossa conduta (Lourenço, & Paiva, 2010).

Alguns autores, observados nos estudos de Lourenço e Paiva (2010) mostram como a motivação em contexto escolar leva a determinados fatores que contribuem enormemente para o sucesso dos alunos porque “… consegue-se que o aluno encontre razões para aprender, para melhorar, para descobrir rentabilizar competências.” (p. 2).

O desempenho escolar está então diretamente ligado à motivação do aluno a partir do momento em que o mesmo tem um objetivo a cumprir e que, de acordo com o cenário em que está envolvido, vai procurar atrair ou evitar as situações conforme a forma como o aproximam ou afastam da meta (Lourenço, & Paiva, 2010). A motivação escolar é ainda dirigida por uma determinada atividade, seja ela física, como algo que requer esforço e persistência, ou seja ela mental como pensar, planear e avaliar (Lourenço, & Paiva, 2010; Siqueira, & Wechshler, 20006).

Na maioria das vezes, devido à natureza dos programas escolares, as atividades levadas a cabo pelos alunos são mais frequentemente do tipo mental porque existem atenção, concentração, processamento de informação e de raciocínio para a resolução do problema (Lourenço, & Paiva, 2010; Siqueira, & Wechsler, 2006).

Esta interpretação acerca das atividades dos alunos no contexto escolar, já tinha sido antes referida nos estudos de Siqueira e Wechsler (2006) onde os autores referiram como o ambiente escolar estava significativamente relacionado com os processos cognitivos colocados em prática.

Para autores como Bowlby (1983, cit in Siqueira, & Wechsler, 2006) e Bzuneck (2002, cit in Siqueira, & Wechsler, 2006) as particularidades do contexto escolar, são muito importantes para compreender a forma como se processa a motivação escolar dos alunos.

Siqueira e Wechsler (2006) compreenderam ainda nas suas pesquisas acerca da motivação escolar que, ao contrário do que se acreditava até então, existe uma relação mútua entre as duas, ou seja, a motivação tem um lugar importante no que diz respeito ao desempenho e à aprendizagem e vice-versa.

Conclusão

Os diferentes estudos no âmbito da motivação escolar sugerem que a mesma está direta e significativamente ligada à aprendizagem e ao desempenho pelo que além do ambiente escolar, do NSE e do ambiente familiar, o indivíduo em idade escolar, também depende grandemente desta. Na maioria das vezes, devido à natureza dos planos académicos, o comportamento proveniente da motivação, já que a mesma se trata de um processo e não de um produto, são mais mentais do que físicos porque ligados à planificação, atenção e concentração. No entanto, ela pode também acontecer através de comportamentos físicos como o esforço e a persistência. Em todos os estudos se observa como a motivação e a aprendizagem se relacionam mutuamente.

286 Visualizações 1 Total

References:

  • Lourenço, A.A., & Paiva, M.O.A. (2010). A motivação escolar e o processo de aprendizagem. Ciências & Cognição 2020; Vol 5 (2):132-141. Recuperado em 6 de julho de 2018 de http://cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/313/195;
  • Siqueira, L.G.G., & Wechsler, S.M (2006). MOTIVAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM ESCOLAR: POSSIBILIDADE DE MEDIDA. Avaliação Psicológica, 2006, 5(1), pp.21-31. Recuperado em 6 de julho de 2018 de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5115239.
286 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.