Hiperatividade com Défice de Atenção (PHDA)

A perturbação de hiperatividade com défice de atenção (PHDA), de acordo com Cordinhã e Boavida, é o distúrbio neurocomportamental mais…

Perturbação de Hiperatividade com Défice de Atenção (PHDA)

A perturbação de hiperatividade com défice de atenção (PHDA), de acordo com Cordinhã e Boavida, é o distúrbio neurocomportamental mais frequente em crianças em idade escolar. Trata-se de uma perturbação comportamental e não, primariamente, de um problema disciplinar, sendo que muitas vezes é confundida com indisciplina ou até má educação. Podem existir problemas disciplinares associados à perturbação, mas estes não podem explicar a totalidade do quadro clínico. Os autores referem ainda que se trata de um distúrbio crónico, que afeta o desempenho académico, familiar, social e laboral, causando sofrimento tanto nas crianças como nas famílias.

Tomando como referência o autor Sauvé, e também o manual de diagnóstico das perturbações mentais, a PHDA é uma síndrome neurológica que comporta três características principais:

Falta de atenção: sendo que, com frequência, o indivíduo não presta atenção suficiente aos pormenores ou comete erros por descuido; apresenta dificuldades em manter a atenção focada em tarefas ou atividades; parece não ouvir quando se lhe fala diretamente; não segue as instruções e não termina trabalhos; tem dificuldades em organizar tarefas e atividades; evita, sente repugnância ou relutância em se envolver em tarefas que requeiram um esforço mental mantido; perde objetos necessários a tarefas ou atividades; distrai-se facilmente com estímulos irrelevantes; esquece-se das atividades quotidianas.

Hiperatividade: sendo que, com frequência, o indivíduo movimenta excessivamente as mãos e os pés, move-se quando está sentado; levanta-se em situações em que se espera que esteja sentado; corre ou salta excessivamente em situações inadequadas; apresenta dificuldade em dedicar-se tranquilamente a atividades de lazer; “anda” ou só atua como se estivesse “ligado a um motor”; fala em excesso

Impulsividade: sendo que, com frequência, o indivíduo se precipita ao dar respostas antes que as perguntas tenham sido feitas; demonstra dificuldades em esperar pela sua vez; interrompe ou interfere nas atividades dos outros.

De acordo com o manual anteriormente referido, para que o diagnóstico de PHDA seja estabelecido, seis ou mais dos sintomas de falta de atenção e/ou hiperatividade-impulsividade devem estar presentes e persistir por um período mínimo de 6 meses, sendo a sua intensidade desadaptativa e inconsistente tendo em consideração o nível de desenvolvimento. Estes sintomas surgem antes dos 7 anos, tanto em rapazes como em raparigas, e interferem com diferentes contextos, como em casa, na escola, trabalho, durante atividades recreativas, entre outros.

No manual de diagnóstico das perturbações mentais, a PHDA apresenta-se ainda classificada em 3 tipos:

PHDA, tipo misto: quando são preenchidos os critérios para falta de atenção e hiperatividade/impulsividade.

PHDA, tipo predominante desatento: quando são preenchidos os critérios de falta de atenção mas não de hiperatividade/impulsividade.

PHDA, tipo predominante hiperativo-impulsivo: quando são preenchidos os critérios de hiperatividade/impulsividade, mas não de falta de atenção.

Considerando Cordinhã e Boavida, podemos observar que a PHDA é a perturbação do desenvolvimento da infância e da adolescência mais estudada, e a qual apresenta uma prevalência de aproximadamente 7%. Observa-se também que é mais comum no sexo masculino, embora a diferença entre sexo masculino e sexo feminino seja menos evidente na adolescência. Acrescenta-se que, e de acordo com Fernandes e António, os sintomas da PHDA, nomeadamente a dificuldade de concentração e a impulsividade, podem persistir em cerca de 10-60% nos adultos, os quais se demonstram pouco organizados, impacientes, com dificuldade na planificação das atividades, com memória pobre e dificuldades na leitura e escrita.

Quanto a fatores que podem estar na origem da perturbação, as investigações apresentam dificuldades em revelar dados conclusivos. Não se conhecem ainda as causas da PHDA mas existem alguns fatores relacionados com a perturbação. Autores como Fernandes e António, Facion, e Monteiro, apontam: fatores genéticos; alterações bioquímicas; fatores neurológicos; fatores pré-natais e perinatais; entre outras causas como fatores alimentares, a exposição a metais pesados, a institucionalização ou privação afetiva precoce, o stress familiar, e outras situações traumatizantes ou ansiogénicas para a criança

A PHDA é geralmente diagnosticada quando a criança entra na idade escolar, embora os sintomas já possam estar presentes antes dessa fase. Para Facion, os principais sintomas podem persistir na adolescência e até na idade adulta. Em alguns casos é possível verificar uma remissão na puberdade e ainda na juventude. Esta remissão possibilita ao adolescente ou ao adulto uma vida mais produtiva, relacionamentos interpessoais gratificantes e poucas sequelas significativas. A maioria dos casos, no entanto, apresenta uma remissão apenas parcial, o que leva a uma maior vulnerabilidade face a outras perturbações.

De acordo com Maia e Verejão, fatores de bom e mau prognóstico podem ser identificados. Deste modo, temos como fatores de bom prognóstico o diagnóstico precoce; uma educação coerente; estabilidade familiar; adaptação e compreensão por parte dos professores; e a colaboração entre os pais e a escola.

Como, fatores de mau prognóstico assinalam-se o diagnóstico tardio; o fracasso escolar; uma educação demasiado permissiva ou excessivamente rígida; um ambiente familiar marcado pelo stress e/ou hostilidade/violência; problemas de saúde ou atrasos no desenvolvimento; e problemas familiares.

832 Visualizações 1 Total
832 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática