Afetividade na adolescência

A afetividade na adolescência diz respeito aos vínculos afetivos construídos nesta fase de desenvolvimento.

A afetividade na adolescência diz respeito aos vínculos afetivos construídos nesta fase de desenvolvimento.

Os estudos realizados por Siqueira, Betts e Dell’Aglio (2006) demonstram, de forma muito clara e significativa, a importância da afetividade na adolescência, especialmente e mais frequentemente dentro da família e entre os grupos de pares. Quanto à questão da família, os autores referem a afetividade do ponto de vista do apego, uma vez que é onde a criança está em contato direto com o seu cuidador primário, o qual, vai ser o primeiro a influenciar o seu desenvolvimento (Siqueira, Betts, & Dell’Aglio, 2006).

Para Pratta e Santos (2007) é notório o lugar privilegiado da família quando falamos da afetividade na adolescência pelos motivos acima referidos, uma vez que é aqui, em grande percentagem dos casos, que se dão as primeiras expressões de emoção e é, numa grande parte dos casos, onde os adolescentes conhecem os primeiros ambientes de aprendizagem e de desenvolvimento, até mesmo ao nível cognitivo.

 Em contextos onde os adolescentes não vivem perto dos seus familiares mas em instituições de acolhimento, é a partir destes elementos, que estão inseridos nas mesmas, que são construídos os laços de afeto iniciais (Siqueira, Betts, & Dell’Aglio, 2006).

Apesar de estarmos a falar de contextos e ambientes totalmente diferentes, Siqueira, Betts e Dell’Aglio (2006) acreditam que, devido às condições que proporcionam alguns centros de acolhimento e de abrigo, muitas vezes, é nestes lugares onde alguns adolescentes conseguem construir graus de afetividade mais fortes que, em casa, junto das suas famílias, nem sempre teriam a mesma oportunidade.

No caso dos adolescentes cuja afetividade começa no ambiente familiar, será dentro deste que se darão as trocas emocionais significativas, os relacionamentos interpessoais mais marcantes e, principalmente, o suporte afetivo que vai permitir a evolução para o equilíbrio afetivo na idade adulta (Pratta & Samtos, 2007).

Conclusão

A afetividade na adolescência demonstra ser muito influenciada e pautada pelos relacionamentos internos construídos dentro do seio da família, uma vez que é onde se criam os primeiros vínculos afetivos. Muito embora, uma boa parte dos estudos demonstre que é assim que acontece na maioria dos casos, conhecem-se vários relatos de adolescentes que construíram laços de afeto dentro de abrigos e instituições, muitos dos quais, conseguiram promover um desenvolvimento mais saudável para os mesmos.

  • Cardoso Siqueira, Aline, Kraemer Betts, Mariana, Dalbosco Dell-Aglio, Débora, A rede de apoio social e afetivo de adolescentes Institucionalizados no Sul do Brasil. Interamerican Journal of Psychology [en linea] 2006, 40 (agosto) : [Fecha de consulta: 22 de febrero de 2019] Disponible en:<http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=28440202> ISSN 0034-9690:
  • Pratta, E.M.M, & Santos, A.A. (2007). FAMÍLIA E ADOLESCÊNCIA: A INFLUÊNCIA DO CONTEXTO FAMILIAR NO DESENVOLVIMENTO PSICOLÓGICO DE SEUS MEMBROS. Psicologia em Estudo, Maingá v 12, n. 2, p. 247-256, maio /ago 2007.

 

213 Visualizações 1 Total
213 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.