Hiperatividade

A hiperatividade define-se como uma dificuldade de concentração e de controlo da impulsividade mais ou menos intensa.

Hiperatividade

A hiperatividade define-se como uma dificuldade de concentração e de controlo da impulsividade mais ou menos intensa.

Os estudos de Eidt e Tuleski (2010) indicam que, cada vez mais, se observa a precocidade com que muitas crianças são encaminhadas, avaliadas e sujeitas a indicações medicamentosas relacionadas com a hiperatividade, baseada em consequências como o baixo rendimento escolar, a falta de atenção e a incapacidade geral para aprender.

Por esse motivo assiste-se à administração de grandes quantidades de ritalina no sentido de controlar a hiperatividade da criança, durante o período escolar (Eidt, & Tuleski, 2010).

De referir que a hiperatividade, enquanto perturbação do foro mental é reconhecida em todo o mundo pela Organização Mundial de Saúde (OMS), com a expressão de impulsividade e falta de atenção, no palco dos principais sintomas associados (Marques, 2013).

Assim, alguns estudos mencionam a tendência para rotular as crianças que têm hiperatividade, como portadoras de perturbação de hiperatividade com défice de atenção (PHDA), sem averiguar fatores como o ambiente familiar, alterações significativas no estilo de vida, entre outros (Eidt, & Tuleski, 2010).

Estudos como os de Marques (2013) consideram ainda alterações no âmbito do desenvolvimento que afetam a vida diária do indivíduo, que afeta a vida biopsicossocial e tem bastante origem em fatores genéticos, biológicos, sociais e da vida, que podem intensificar os sintomas.

Um dos maiores obstáculos que se encontram quando se faz investigação no âmbito da hiperatividade é ainda a escassez geral de informação acerca do tema, uma vez que os estudos não são claros porque são inconsistente entre si (Eidt, & Tuleski, 2010).

No entanto, em relação aos sintomas associados à hiperatividade, continua a verificar-se um conjunto de características tais como a impulsividade, a dificuldade de autocontrolo, o atraso no desenvolvimento, a dificuldade em delinear objetivos futuros, entre outros (Eidt, & Tuleski, 2010).

Apesar da escassez de informação, segundo Marques (2013), em outros tempos previa-se que os sintomas de hiperatividade acalmavam quando o indivíduo entrava na adolescência, contudo, os estudos levados a cabo por Eidt e Tuleski (2010) permitem concluir que, ao longo do crescimento da criança, os sintomas de hiperatividade continuam a manter-se cada vez com maior expressão mas dependendo de caso para caso no que concerne ao grau com que se expressa (Eidt, & Tuleski, 2010). Apesar disso, é possível também observar que, tal como na maioria das perturbações que começam a expressar-se ainda na infância, o ambiente em que a criança cresce e se desenvolve, contribui significativamente para a manutenção ou extinção dos sintomas de hiperatividade (Eidt, & Tuleski, 2010).

A revisão da literatura permite-nos afirmar que a hiperatividade atinge 3 a 5% da população ao longo de todo o percurso vital, no entanto, e tal como já mencionamos, existem fatores que podem atenuar ou intensificar os sintomas, tais como o diagnóstico atempado, os conflitos familiares, escolares, comportamentais e psicológicos com que o indivíduo hiperativo vive (Marques, 2013).

Estudos indicam que existe mesmo a possibilidade de tratar ou até evitar problemas de depressão, comportamento desviante (abuso de drogas, álcool, etc), abandono escolar, problemas de vocação e de relacionamentos interpessoais, quando o diagnóstico de uma hiperatividade é observado precocemente (Marques, 2013). Devido a todos estes sintomas há maior probabilidade de a criança desenvolver perturbação de ansiedade quando tem uma perturbação de hiperatividade (Marques, 2013).

De grosso modo, uma definição bastante simples para a hiperatividade é a dificuldade em organizar mentalmente a grande quantidade de estímulos aos quais a criança está permanentemente e diariamente exposta, quer individualmente quer em grupo (Eidt, & Tuleski, 2010).

Isto significa que é preciso reavaliar o tempo que se proporciona às crianças para obterem resultados nas mais variadas áreas e a associação que se faz desse mesmo tempo, em relação ao fracasso (Eidt, & Tuleski, 2010).

“A hiperatividade e déficit de atenção é um problema mais comumente visto em crianças e se baseia nos sintomas de desatenção (pessoa muito distraída) e hiperatividade (pessoa muito ativa, por vezes agitada, bem além do comum).”

(Marques, 2013).

Conclusão

A hiperatividade diz respeito à dificuldade de concentração e de controlo da impulsividade que afeta alguns indivíduos e que, muitas vezes, acompanha os mesmos ao longo de toda a vida. No entanto, além da medicação que é, em muitos casos, administrada, verifica-se que o ambiente familiar e escolar em que o indivíduo vive, podem intensificar ou amenizar estes sintomas.

678 Visualizações 1 Total

References:

  • Edit, Nadia Mara, & Tuleski, Silvana Calvo. (2010). TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATNEÇÃO/ HIPERATIVIDADE E PSICOLOGIA HISTÓRICO-CULTURAL. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.139, p.121-146, jan/abr, 2010. Recuperado a 07 de outubro de 2016 de scielo.br/pdf/cp/v40n139/v40n139a07.pdf;
  • Marques, Challine, Mendes. (2013). Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade: Aspectos Sociais e Psicológicos. PSICOLOGADO Artigos. psicologado.com. Recuperado em 07 de outubro de 2016 em https://psicologado.com/atuacao/psicologia-escolar/transtorno-de-deficit-de-atencao-e-hiperatividade-aspectos-sociais-e-psicologicos.
678 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática