Poema Sinfónico

Poema Sinfónico: origem da forma sinfónica e respectivo desenvolvimento.

Conceito

O poema sinfónico é uma forma sinfónica com um único andamento, em que o desenho é influenciado pelo programa ou história.

Este termo descritivo foi utilizado pela primeira vez pelo compositor romântico Franz Liszt. Como músico da sua época (ver romantismo), Liszt era estimulado e inspirado por ideias extra-musicais, provenientes, por exemplo, da mitologia, da literatura ou da pintura, e preferia escrever segundo um programa definido, que pudesse partilhar com o seu público. Desta forma, acabou por liderar uma tendência, entre os compositores do seu período, de desprendimento em relação ao classicismo: “ele apercebeu-se de que as estruturas aceites da sinfonia poderiam desviar e embaraçar o desenvolvimento da ideia poética e que vergar-se  às disciplinas estabelecidas à custa da lógica era uma forma de pedantice a que nenhum artista corajoso de uma época emancipada deveria submeter-se” (Moore, 1962, p.170).

É neste contexto que surge o poema sinfónico. Com a sua invenção, Lizst colocou de parte a forma rígida da sinfonia, permitindo que o programa determinasse a estrutura da obra, substituindo, deste modo, os tradicionais quatro andamentos por uma composição única mas mais extensa. Embora não tenha abandonado o princípio sinfónico dos temas concentrados, do seu desenvolvimento e sucessão e o cuidado equilíbrio tonal, desenvolveu a chamada “metamorfose do tema” central, obtendo variedade de tom e cor, sem sacrificar a unidade interna do andamento. Entre os seus vários poemas sinfónicos, podem ser destacados, a título de exemplo, «Os Prelúdios» e «Prometheus».

Esta tendência foi seguida por outros compositores, entre os quais, Smetana, Tchaikovsky e Franck. Foi, no entanto, Richard Strauss que deu um novo ímpeto a esta forma («Don Juan», etc), adoptando o termo poema sonoro para as obras deste tipo. A expressão “poema musical” é, também sinónimo para esta forma.

No final do século XIX e início do século XX, os compositores continuaram a escrever poemas sinfónicos, embora lhes tenham dado outros nomes. Elgar, por exemplo, usou  a designação “abertura de concerto”. Salientam-se, neste período de transição, poemas sinfónicos de grande beleza como «Prèlude à L’Àpres-Midi d’un Faune» de Debussy e «Tapiola» de Sibelius mas assiste-se, de igual modo, a uma mudança gradual do carácter das composições, cada vez mais voltadas para o realismo literal e não meramente interpretativo. O lado mais negativo da vida exercia fascínio sobre os compositores deste novo período moderno, algo que não acontecera realmente até então. Mais tarde, já pelo século XX a dentro, os compositores começaram a demonstrar menos interesse neste género sinfónico, embora ele continue a sobreviver.

835 Visualizações 1 Total

References:

Kennedy, M. (1994). Dicionário Oxford de Música. Publicações Dom Quixote.

Moore, D. (1962). Guia dos estilos musicais. Edições 70.

835 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática