Modos Gregos

Breve história dos modos musicais, originários da Antiga Grécia.

Conceito

Os modos correspondem às escalas que dominaram a música europeia entre 400 e 1500 d.C. e que influenciaram os compositores até cerca de 1600. Estes reapareceram de tempos a tempos na obra de alguns compositores, especialmente no século XX. Ao longo desse período, o cantochão da igreja, inteiramente modal, continuou a habituar as gerações mais novas para o efeito melódico dos modos, explicando-se talvez deste modo o uso genérico da expressão “modos eclesiásticos”, que está, na verdade, errada.

O material musical disponível na época em que os modos foram aceites era o equivalente às teclas brancas dos nossos piano, cujas notas foram (com ligeiras diferenças de tom) a escala cientificamente estabelecida no século IV a.C. por Pitágoras e pelos pensadores gregos do seu tempo. Por isso, a Grécia Antiga é, na realidade, a mãe de toda a teoria musical e os modos, gregos e não eclesiásticos, foram uma parte fundamental do desenvolvimento da música no Ocidente.

Na Grécia Antiga, os sons eram organizados diversamente de região para região, consoante as tradições estéticas e culturais de cada uma delas. Deste modo, cada uma das regiões originou um modo muito próprio, que adaptou a denominação da região. Por exemplo, o modo dórico provém da região da Dória, o modo frígio, da região da Frígia, etc.

Os modos gregos, originais, são uma espécie de inversão da escala maior. Se tocarmos a escala de dó maior a partir da nota dó, surge o módio jónio, que nada mais é do que a própria escala natural no seu estado fundamental (meios-tons entre o 3.º e 4.º e 7.º e 8.º graus); se essa mesma escala for tocada a partir do segundo grau, a nota ré, estamos perante o modo dórico, com uma nova configuração na escala (meios-tons entre o 2.º e 3.º graus e 6.º e 7.º graus); e assim sucessivamente (conferir na imagem abaixo).

modos

A influência grega era grande na primitiva Igreja Católica, o que explica o uso dos modos no contexto litúrgico, ainda que tenham sofrido várias mudanças no decorrer dos séculos:

  • No século V foram adoptados quatro modos, denominados de autênticos. Estes podem ser recriados tocando no piano escalas de oitava de notas brancas, começando em ré. A melodia tocada num dos modos e depois noutro permite a alteração significativa de alguns dos seus intervalos, e portanto, soa de um modo muito diverso, no geral, por oposição a uma melodia tocada nas actuais escalas maiores ou menores.
  • No tempo do papa S.Gregório (cerca 540-604), acrescentaram-se mais quatro modos, os plagais, no fundo, novas formas dos autênticos, mas com um âmbito diverso: moviam-se da quarta inferior à quinta acima da final.
  • Em 1547, um monge suiço, Henricus Glareanus, num livro chamado «Dodecachordon» propôs que deveriam existir 12 modos em vez de oito, acrescentando modos em lá e dó na forma plagal.

Actualmente, os modos são classificados como maiores e menores, de acordo com o primeiro acorde que formam no seu campo harmónico. Entre os maiores, encontramos os “originais” jónio, lídio e mixolídio. Entre os menores, os “dórico, frígio, eólio e lócrio”.

640 Visualizações 1 Total

References:

Kennedy, M. (1994). Dicionário Oxford de Música. Publicações Dom Quixote.

Manual de Teoria Musical. Em http://www.lxpro.pt/img/pdf/manual%20teoria%20musical.pdf

 

640 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática