Guitarra

Guitarra: morfologia do instrumento de cordas, origem, desenvolvimento e repertório.

O instrumento

guitarra 1A guitarra é um instrumento de cordas (cordofone, portanto) dedilhadas, que possui uma caixa de ressonância em forma de 8 e um tampo e fundo planos; no tampo pode observar-se um orifício circular, a boca. Tem um braço direito e largo, com trastos metálicos que delimitam intervalos de meio-tom, sobre o qual se dispõe as cordas (geralmente, entre 6 a 12) em tensão; estas estão presas a um sistema de parafusos sem-fim, no cravelhame (ligeiramente inclinado em relação ao braço). No interior, colocam-se uma série de barras junto ao tampo e às costas, com o objectivo de de reforçar a solidez da caixa e de delimitar as partes vibrantes (o que condiciona directamente o timbre do instrumento).

O número e disposição das barras varia conforme o construtor. Aliás, importa salientar que a guitarra não é, de todo, um instrumento standardizado, dado poder ser construída, também, em diferentes tamanhos. Ao mesmo tempo, é um instrumento popular, pela sua portabilidade, formato (que facilita uma posição de execução cómoda ao instrumentista) e facilidade de afinação. Esta polivalência faz da guitarra um instrumento ideal a diferentes géneros musicais e ocasiões.

Contudo, as vibrações do instrumento são extremamente amortecidas, o que origina um volume sonoro reduzido. Neste sentido, para uma boa audição – entenda-se, sem recurso a captadores e amplificadores  (guitarra eléctrica) – exige-se salas de concerto de pequenas dimensões, mas com certa reverberação.

A guitarra tem uma extensão de Mi1 a Si4 mas a música escreve-se uma oitava acima do som real, utilizando-se, assim, a clave de sol.

História

As origens da guitarra não são claras. De acordo com Luís Henrique: “Pensa-se que a guitarra possa ter a sua origem em alaúdes do antigo Egipto, por terem sido encontrados em escavações instrumentos de caixa de ressonância cintada com um braço longo e estreito e vestígios da existência de três ou quatro cordas e alguns trastos” (1998, p.149).

As dúvidas persistem quanto ao seu desenvolvimento inicial. No final da Idade Média e no início do Renascimento, os diferentes registos de vários instrumentos sob o mesmo nome ‘guittern’ não permitiram, pelo menos ainda, esclarecer o predecessor “original”. Sabe-se, no entanto, que a guitarra desenvolvida ao longo desse período, embora mais pequena e estreita que a actual, terminou com quatro cordas. Existem várias publicações a ela destinadas da autoria de Guillaume Morlaye e Adrian Le Roy.

No século XVI co-existiam em Espanha a guitarra e a vihuela, sendo a escrita para a primeira mais simples em relação à segunda. Por volta de 1600, foi adicionada uma quinta corda à guitarra (inovação atribuída a Vicente Espinel), em Espanha, razão pela qual esta passou a ser considerada a guitarra espanhola. No fim do século XVIII, o instrumento passou a ter uma sexta corda e estas passaram de duplas a simples. O sistema de barras no interior foi também modificado, o que conduziu a um aumento considerável da sonoridade.

É, no entanto, em meados do século XIX que nasce aquela que se considera a guitarra moderna, construída em Espanha por Antonio Torres. Torres alterou “substancialmente a forma da caixa, tornando-a mais larga e mais cintada, com a forma de 8 com que hoje a conhecemos” (Henrique, 1998, p. 151). O compositor e guitarrista espanhol Dionisio Aguado passou, aí, a usar as unhas da mão direita, em vez de se limitar, como havia sido feito até àquele momento, unicamente com polpa do dedo.

“A modificação da caixa tornou a posição de execução muito melhor, e a utilização das unhas permitiu a obtenção de uma sonoridade muito mais rica, podendo-se jogar com o contraste entre o som mais metálico produzido pela unha e o som mais aveludado produzido pela polpa do dedo. O instrumento ficou assim mais adaptado às exigências da literatura romântico” (Henrique, 1998, p.151-152).

Repertório clássico da guitarra

Foi o período Romântico – pelas suas próprias características – que viu nascer uma maior quantidade de repertório para o instrumento, pese o facto de sobreviverem algumas tabulaturas do Renascimento, suites barrocas e algumas peças de destaque de compositores clássicos como Haydn, Weber, Paganini, Schubert, Boccherini e Berlioz.

Entre os primeiros grandes virtuosos de guitarra encontram-se os espanhóis Dionisio Aguado (1784-1849) e Fernando Sor (1778-1839), que se considera terem estabelecido os métodos através dos quais ainda hoje se toca guitarra. Ainda da primeira metade do século XIX contam-se Mauro Giuliani, Mateo Carcassi, Napoléon Coste, Luigi Legnani, Johann Kaspar Mertz, Ferdinando Carulli.

Na segunda metade do século XIX, o compositor mais importante foi Francisco Tárrega (1854-1909), considerado por alguns o maior guitarrista de todos os tempos. Não só renovou a técnica guitarrística como escreveu inúmeros transcrições de obras (sobretudo para piano) de grandes compositores como Bach, Haydn, Mozart e Beethoven, além de compositores espanhóis seus contemporâneos, entre os quais Albéniz.

Contudo, a grande difusão da guitarra como instrumento clássico deve-se ao guitarrista espanhol Andrés Segovia, que dedicou a sua vida à guitarra, tocando em todo o mundo um vasto repertório, que incluiu inúmeras transcrições de obras, desde o século XVII até aos nossos dias, originalmente destinadas a outros instrumentos de cordas e de teclas.

 

127 Visualizações 2 Total

References:

Henrique, L. (1998). Instrumentos Musicais. Fundação Calouste Gulbenkian

127 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática