Canto Gregoriano

O canto gregoriano designa um tipo de canto em uníssono (monódico), sem acompanhamento, utilizado na liturgia católica e ortodoxa. Esta forma tem um ritmo livre e usa como notação figuras conhecidas como neumas, em pautas de quatro linhas.

O mito gregoriano

A origem do canto gregoriano é frequentemente atribuída a S. Gregório Magno (540-604), papa da Igreja Católica entre os anos 590 e 604.

A primeira pessoa a associar uma acção musical a S.Gregório é João, o Diácono, cerca de 872-875, com a escrita da obra «Vita» que relata a vida de Gregório Magno. Aqui afirma-se, pela primeira vez, ter sido este papa o fundador da Schola Cantorum e o compilador do Antifonário.

Existe também a lenda segundo a qual o Canto Gregoriano terá sido inspirado por Deus directamente a S.Gregório. Tal comprova-se pela existência de iconografias datadas do século XII e seguintes, que apresentam a figura de S.Gregório com uma pomba ao ouvido a ditar a um copista os modelos gregorianos.

Não se sabe, rigorosamente, quando começou o mito gregoriano, que não vai além disso mesmo: um mito. Os factos históricos são os seguintes: S.Gregório esteve em Constantinopla, antes de ser Papa, onde teve oportunidade de conhecer a liturgia e o canto dos cristãos orientais. Durante o seu pontificado fez algumas reformas litúrgicas (simplificou alguns ritos, colocou o Pai Nosso no fim da anáfora, admitiu o uso de duas leituras, em vez de três tradicionais), mas não há qualquer referência à disciplina musical. Quanto ao Antifonário, não há qualquer garantia de que o tivesse compilado, e mesmo que assim fosse, não o teria feito com música, uma vez que não se conhece notação daquela época. No que diz respeito à Schola Cantorum, existem documentos que provam a existência de cantores organizados, já no século V.

Para além dos factos, a tradição gregoriana é tardia (a «Vita» de João, o Diácono aparece quase três séculos depois do pontificado de S.Gregório) e só se explica pelo hábito de colocar acções inovadoras sob a égide e nome de personagens famosas, como forma de dar autoridade e universalidade às inovações.

Formação do canto gregoriano

Em 754, o Papa Estêvão II procurou apoio junto de Pepino, o Breve, rei dos Francos, contra a aproximação dos Lombardos. Durante essa permanência na França, percebe a diferença de ritos e cantos ali praticada pelo que decide exortar à unidade e deixar, em território gaulês, o sub-chefe da Schola Cantorum, para ensinar a música romana.

Por sua vez, o Bispo de Metz, Chrodegang, depois da sua estada em Roma, onde tinha acompanhado o Papa, pretende introduzir o canto romano na sua cidade e constitui uma Schola à imitação da romana. De facto, Metz converter-se-á em importante centro de irradiação litúrgica e musical, durante a Idade Média.

Após a expedição militar de Pepino, o Breve, na Lombardia, pela qual restituiu a cidade de Ravenna ao Papa, o Papa Paulo III enviou ao rei dos Francos, entre outras dádivas, um Antifonário e um Responsarial, juntamente com novos cantores, encarregados de instituir os franceses.

Carlos Magno (seu sucessor e filho), sentindo a mesma divergência na disciplina litúrgica, interessou-se pela aproximação a Roma e ordenou, em 789, que os clérigos aprendessem perfeitamente o canto romano, impondo-se sucessivamente, para a Missa e para o Ofício.

A seu tempo seu tempo, chegaram de Roma mais dois cantores, trazendo o Sacramentário Gregoriano. Alcuíno (ministro de Carlos Magno) e outros mestres, entre eles Amalario, Bispo de Metz, e Agobardo, Bispo de Lyon, copiaram esses livros. O resultado de tais acções foi uma liturgia enculturada ou um compromisso entre ambas as tradições; um canto litúrgico fundamentalmente romano, com marcas galicanas, muito definidas.

A notação gregoriana

Até ao século IX, o cantochão desconhecia qualquer sistema de notação dado que era uma simples tradição oral. Isso implicava um respeito sagrado pela tradição, de que só alguns especialistas podiam assumir a responsabilidade. E sabe-se que não era fácil assumir o papel de cantor solista porque este precisava de cerca de 10 anos para memorizar todo o repertório litúrgico.

É evidente que os sábios medievais conheciam sistemas de notação antiga, pelo menos, a praticada entre os Gregos. Talvez não fosse muito fácil adaptá-la, sobretudo para um tipo de música adornada ou melismática. Contudo, quando o repertório se alargou excessivamente e era necessário manter a uniformidade em regiões distintas, começaram-se a utilizar alguns sinais que tinham como propósito ajudar a memória do cantor. A esses sinais, ou acentos com função musical, chamavam-se neumas.

Os neumas começam a utilizar-se no século IX e aparecem, originalmente, sem qualquer referência interválica definida, por cima da palavra ou da sílaba. Tendo-se descoberto a vantagem de uma linha orientadora, no princípio do século XI, os neumas aparecem em torno de duas linhas: uma vermelha, a indicar o fá, e outra amarela, a indicar o dó. Estas cores eram confirmadas, ainda, com as letras F e C, que se transformariam em verdadeiras claves na futura pauta. Em meados desse mesmo século, existe já a pauta de quatro linhas, que ficaria identificada com a notação gregoriana e que permite uma definição interválica bastante perfeita.

Deve-se a Guido d’Arezzo a sistematização destas experiências de notação, bem como o achado dos nomes das notas, tiradas do hino de S.João Baptista: Ut queant laxis / Resonare fibris / Mira gestorum / Famuli tuorum / Solve polluti / Labii reatu / Sancte Ioannes.

Processos de formação do canto gregoriano

Distinguem-se, na música gregoriana, três processos bem claros:

1. Processo original: a melodia é composta, originalmente, por um determinado texto. Neste caso, é este quem condiciona a expressão musical. Este processo emprega-se, frequentemente, na composição de Introitos, Ofertórios e Comunhões.

2. Processo de melodias-tipo: não se cria uma melodia nova, mas aplica-se um novo texto a modelos do passado, com as adaptações indispensáveis. A expressão, neste caso, não depende só do texto, mas também do modelo passado.

3. Processo centónico: utiliza-se, agora, material pré-existente, mas este não é, agora, uma melodia-tipo completa, mas simples fórmulas, ou células, que se podem dispor adequadamente à maneira de mosaico sonoro, para uma peça bem proporcionada.

Géneros e formas gregorianas

O canto gregoriano possui três géneros e estes, consequentemente, constituem-se por formas.

Género estrófico: feito sobre uma base estrófica, isto é, em que uma mesma melodia se aplica sucessivamente a diversas estrofes. Inclui duas formas: o hino (forma monostrófica [uma só estrofe], utilizada no Ofício com celebrações para litúrgicas) e a sequência (forma polistrófica [estrofes que podem ser algo diferentes entre si], utilizada na Missa).

Género salmódico: todo o espécime gregoriano construído sobre um salmo (canto acompanhado por instrumentos de corda) e, de uma outra forma, dependente da fórmula salmódica (corresponde ao suporte melódico de cada salmo).

Género monológico: corresponde ao repertório dos monólogos ou diálogos das celebrações, normalmente em estilo silábico e em forma de recitativo. Entram neste género as orações, as leituras, o prefácio da Missa e, ainda, alguns diálogos entre os ministros celebrantes e a assembleia. Como a forma de recitativo deixa entender, não se trata de um canto, propriamente dito (concentus), mas de uma cantilação, essencialmente dependente dos sinais de pontuação (accentus).

Estilos de composição

À semelhança dos processos de formação e dos géneros, também se contam três estilos.

Estilo silábico: a cada sílaba corresponde, normalmente, uma só nota musical, embora por vezes alternadas com neumas de duas notas. É utilizado em muitos hinos e em quase todas as antífonas do Ofício.

Estilo neumático (ornamentado): na composição prevalecem neumas de duas, três e mais notas, sobre cada sílaba do texto. É o estilo normal da Missa, de alguns hinos, mais solenes, e de algumas missas do Kyriale.

Estilo melismático (florido): é o estilo utilizado em composições em que a uma sílaba corresponde um neuma longo, composto de muitos elementos neumáticos. Utiliza-se, sobretudo, no Tracto, Gradual e Aleluia da Missa, e, ainda, em alguns Responsórios de Matinas. Pelo seu carácter especial, os melismas do Aleluia da Missa são chamados Jubilus, que corresponde ao próprio sentido da palavra.

A teoria gregoriana

O sistema teórico gregoriano está na base a tonalidade, da harmonia e das grandes correntes de música ocidental. Os seus pontos essenciais são os modos, os hexacordes e o ritmo.

Os modos

Sistematizados no século IX por Aurelianus Reomensis e Odo de Cluny, os modos supõem um repertório variado e suficientemente aprovado pela prática. Na passagem do século IX para o X assumiram os nomes das escalas gregas, através da teoria de Boécio, mas um erro motivou a falsa identificação do dórico: era a escala de mi na Grécia e passou a Ré na música medieval.

Os elementos que caracterizam o modo gregoriano são:

  • A finalis: nota de repouso, final (espécie de tónica).
  • A tenor: nota melódica principal (espécie de dominante).
  • O ambitus: extensão ou escala – normalmente uma oitava, mas eventualmente acrescida de uma nota inferior e duas superioras.

Existem oito modos, quatro autênticos e quatro plagais. Os modos plagais são obtidos através do deslocamento do âmbito a uma quarta inferior.

Os hexacordes

Conjunto de seis notas, base do sistema tonal gregoriano. No repertório gregoriano é rara a peça que permanece dentro de um só hexacorde. Normalmente acontecem mutationes (mutações), por exemplo, mudanças de um hexacorde para outro, que são verdadeiras modulações tonais.

O ritmo gregoriano

Ao contrário do que pode pensar, ritmo livre não significa arrítmico. A ordem rítmica do canto gregoriano exprime-se através de uma curva ou arco formado, basicamente, por uma elevação e um repouso (arsis/tesis), e que se verifica de uma forma crescente e envolvente. A relação de arsis e tesis estabelece-se sobre as unidades elementares binários e ternários, de um valor considerado indivisível, identificados pelo ictus.

Ainda na dimensão teórica do Canto Gregoriano, importa referir a existência de verdadeiras cadências.

1178 Visualizações 1 Total

References:

Borges, M.J. & Cardoso, J.P. (2008). História da Música Vol I. Sebenta Editora.

1178 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática