Iluminismo

Iluminismo, foi um movimento cultural, social, político, espiritual, ocorrido na Europa, no Século XVIII, que fazia a apologia da razão e propunha a procura da felicidade por parte do homem.

O Iluminismo ou o Século das luzes (como também é conhecido e denominado) descrever as tendências do pensamento e da literatura na Europa e em toda a América, antecedendo a Revolução Francesa. Foram empregados pelos próprios escritores do período, convencidos de que emergiam de um séculos de obscurantismo e ignorância para uma nova era, iluminada pela razão, a ciência e o respeito à humanidade.

O iluminismo foi um movimento intelectual que defendia o uso da razão (luz) contra o antigo regime (trevas)  e pregava maior liberdade económica e política. Promoveu grandes mudanças políticas, económicas e sociais, baseadas nos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. O Iluminismo caracterizou-se pela importância dada à razão. Com isso, a razão encaminharia o homem à sabedoria e o conduziria à verdade.

A maior expressão da manifestação iluminista aconteceu com o Iluminismo Francês, a partir daí propagou-se por todo o mundo ocidental. Os pensadores franceses aprofundaram e divulgaram a corrente de pensamento iluminista pelo mundo, influenciando directamente a Revolução Francesa, marco de ruptura com a sociedade do Antigo Regime.

Os pensadores iluministas acreditavam no progresso social e nas capacidades libertadoras do conhecimento racional e científico. As novas descobertas da ciência, a teoria da gravitação universal de Isaac Newton e o espírito de relativismo cultural fomentado pela exploração do mundo ainda não conhecido também foram muito importantes para a eclosão do Iluminismo.

As tendências gerais comuns a todos os iluministas, eram a ênfase nas ideias de progresso e perfectibilidade humana, assim como a defesa do conhecimento racional como meio para a superação de preconceitos e ideologias tradicionais. Eram frequentemente críticos da sociedade existente e manifestavam-se hostis à religião, que consideravam manter a mente humana aprisionada pela superstição.

Os filósofos iluministas defendiam o predomínio da razão sobre a fé e acreditavam que o progresso e a felicidade seriam o caminho traçado para a humanidade. Defendiam a liberdade de expressão dos cidadãos, a liberdade religiosa, acreditavam que todos são iguais perante a lei e que todos têm o direito de defesa contra o abuso das autoridades.

Iluminismo marcou um momento decisivo para o declínio da Igreja e o crescimento do secularismo actual, assim como serviu de modelo para o liberalismo político e económico e para a reforma humanista do mundo ocidental no século XIX.

atelier_de_nicolas_de_largilliere_portrait_de_voltaire_detail_musee_carnavalet_-002

Voltaire, por Nicolas de Largillière, 1718, no Museu Carnavalet

As revoluções: americana e francesa, foram justificadas à luz dos princípios iluministas dos direitos humanos naturais. Os principais representantes europeus do movimento iluminista foram John Locke, René Descartes, Voltaire, Francis Bacon, Gotthold Lessing e Denis Diderot. Outros expoentes do movimento foram Immanuel Kant, Johann Gottfried von Herder, Gotthold Ephraim Lessing, Moses Mendelssohn, na Alemanha; Adam Ferguson, David Hume, na Escócia; Cesare Beccaria, na Itália; Benjamin Franklin e Thomas Jefferson, nas colónias britânicas.

“O que é o iluminismo?” 

“O iluminismo representa a saída dos seres humanos de uma tutelagem que estes mesmos se impuseram a si. Tutelados são aqueles que se encontram incapazes de fazer uso da própria razão independentemente da direcção de outrem. É-se culpado da própria tutelagem quando esta resulta não de uma deficiência do entendimento mas da falta de resolução e coragem para se fazer uso do entendimento independentemente da direcção de outrem. Sapere aude! Tem coragem para fazer uso da tua própria razão! – Esse é o lema do iluminismo”. – Immanuel Kant, 1784

Voltaire assumiu um tom extremamente crítico do ideário iluminista, escritor competente e intelectualmente combativo, criticava ferozmente os privilégios da nobreza e do clero, apesar da sua crença em Deus. As suas posições levaram-no ao exílio na Inglaterra, onde entrou em contacto com as ideias de outros dois grandes iluministas, Jonh Locke e Isaac Newton. Juntos pregaram a favor da liberdade de expressão e da igualdade de direitos, lutaram contra a opressão absolutista.

O movimento iluminista desenvolveu-se em Portugal também a partir do século XVIII, devendo muito à acção dos estrangeirados, como António Luís Verney, Luís da Cunha e Alexandre de Gusmão. A grande dinamizadora da corrente iluminista foi, contudo, a Academia das Ciências de Lisboa, sendo o abade Correia da Serra o seu maior representante. Na literatura, a mentalidade iluminista reflectiu-se em José Anastácio da Cunha, Bocage, Filinto Elísio e Nicolau Tolentino, e, institucionalmente, na Arcádia Lusitana.

O movimento iluminista utilizou da razão no combate a fé na Igreja e a ideia de liberdade para combater o poder centralizado da monarquia. Com essa essência transformou a concepção de homem e de mundo. A partir do iluminismo surgiu outro movimento, de cunho mais económico e político: o liberalismo.

933 Visualizações 1 Total

References:

GRAY, John N. Voltaire: Voltaire e o iluminismo. UNESP, 1999

GRESPAN, Jorge Luis da Silva. Revolução francesa e iluminismo. Contexto, 2003

NEIMAN, Susan. Evil in Modern Thought: An Alternative History of Philosophy. Princeton University Press, 2004

SALAMANCA, Felipe Castañeda & HOYOS, Luis Eduardo. Immanuel Kant: vigencia de la filosofía crítica. Siglo del Hombre Editores, 2007

SCHILLING, Voltaire. As Grandes Correntes do Pensamento. Editora AGE Ltda

SCHÜLER, Arnaldo. Dicionário enciclopédico de teologia, (pg. 246). Editora da ULBRA, 2002

SOLOMON, Robert C. Introducing the German Idealists. Hackett Publishing. Cambridge, 1981

ZATTI, Vicente. Autonomia e Educação em Immanuel Kant & Paulo Freire. EDIPUCRS. Porto Alegre, 2007

933 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática