Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

 

Torres Novas (Portugal)

Apresentação da cidade de Torres Novas e do seu concelho: caracterização sócio-económica, histórica, heráldica, património histórico, edificado e património natural.

Torres Novas é uma cidade portuguesa e sede de concelho que pertence ao distrito de Santarém, localizado na região Centro e sub-região do Médio Tejo. O concelho conta com 10 freguesias, a saber: Assentiz, Chancelaria, Meia Via, Pedrógão, Riachos, União das Freguesias de Brogueira, Parceiros de Igreja e Alcorochel, União das Freguesias de Olaia e Paço, União das Freguesias de Santa Maria, Salvador e Santiago, União das Freguesias de São Pedro, Lapas e Ribeira Branca e, por fim, Zibreira. Segundo o Censos, o concelho é habitado por 36.717 habitantes numa área total de 270 km2 e faz fronteira a Noroeste, com Ourém, a Leste por Entroncamento, Tomar e Vila Nova da Barquinha, a Sul por Santarém, a Sueste pela Golegã e a Oeste por Alcanena. A cidade de Torres Novas conta com 12823 habitantes.

torresnovas

História da cidade:

A história da cidade remonta aos tempos mais longínquos, havendo indícios da presença Paleolítica na orla da rede cársica do rio Almonda. São exemplo disso, as grutas de Buraca da Moura e da Oliveira ou a Lapa da Bugalheira.

Também a presença romana deixou marcas no território. Nos primórdios do domínio romano, Cardílio e Avita tornaram-se proprietários de uma das diversas “villae” existentes na zona, a apelidada Vila Cardílio . Esta villae lusitano-romana consta ter sido habitada nos séculos I a IV d.C.. Da suas ruínas recuperaram-se painéis de mosaicos, moedas, esculturas e uma inscrição latina indicando “felicidades ao casal na sua villa da torre”. Expressão que ficou associada a uma possível origem toponímica da cidade.

No início do período medieval, o território conhecido por Turris começou a adquirir os seus contornos actuais, aquando da expulsão dos invasores árabes pelas tropas de D. Afonso Henriques (1148) e com a fundação do concelho no foral atribuído por D. Sancho I a 1 de Outubro de 1190. O castelo, que chegou a ficar em ruínas, foi reconstruído por ordem de D. Sancho I e, mais tarde, por D. Fernando I devido às guerras travadas com Castela. A fortificação foi resistindo ao tempo e só voltou a ser alvo de nova reconstrução em 1910, altura em que já detinha a classificação de Monumento Nacional.

No decurso da Idade Média, a área que circundava o castelo conheceu um forte crescimento quer demográfico quer económico, recebendo, por isso, a Carta de Feira em 1263 e passando a pertencer aos domínios da rainha Santa Isabel de Aragão em 1304, por doação do marido, o rei D. Dinis. Nos séculos seguintes, foi-se afirmando como local de reunião das Cortes e de alguns momentos históricos como o juramento do casamento entre os Infantes D. Beatriz e D. Henrique e o estabelecimento da regência de D. Leonor de Aragão.

Na primeira metade do século XV, a vila passa a ter D. Isabel de Avis como donatária e recebe novo foral em 1510, durante o reinado de D. Manuel I. Na década seguinte, D. João Lencastre passaria a deter o título de primeiro Marquês de Torres Novas. A rainha D. Maria I, concedeu em 1783, a licença a Henrique Meuron e David Suabe para instalarem a Fábrica das Chitas, que acabou por ser destruída em 1810 pelas tropas francesas do general Massena.

A economia da cidade desenvolveu-se durante o século XIX, tendo como maiores casos de sucesso a fundação da Fábrica de Papel Almonda, em 1818, a Companhia de Fiação de Torres Novas, em 1845, bem como a criação da transportadora João Clara e Companhia Limitada.  A crescente afirmação do concelho determinou a elevação de Torres Novas a cidade, em 1985.

e5678bb4c2f253eca22465c7adc4292a

Património Histórico e Natural:

A cidade de Torres Novas tem um património histórico bem conservado e valorizado pela população. O Castelo de Torres Novas pode ser alvo de visitas e é o destaque principal de uma cidade que ainda tem as Grutas das Lapas, a Villa Cardilio, onde existem ruínas romanas e os Moinhos da Pena. Como património natural, Torres Novas tem vários locais de relevo como o Rio Almonda e a sua Reserva Natural do Paul do Boquilobo, sendo que o concelho, também, ainda faz parte do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros. Neste Parque Natural situa-se o Monumento Natural das Pegadas de Dinossauros que encontra-se entre Torres Novas e Ourém. Além deste museu, ainda se podem visitar outros como o Museu Municipal Carlos Reis, o Museu Etnográfico da Região de Torres Novas, o Museu Agrícola dos Riachos e a Casa Memorial dos Riachos. De destacar ainda, a Igreja da Misericórdia de Torres Novas, a Igreja do Salvador e o Cineteatro Virgínia como ponto de confluência cultural da cidade e dos concelhos à sua volta.

Gastronomia do Concelho:

A gastronomia torrejana é rica e diversificada. Como entrada destaca-se o pão caseiro com queijo de ovelha ou morcela de arroz. A sopa mais tradicional é a sopa de couves com feijões e a sopa de fressura. Como prato principal destaca-se o requentado de bacalhau assado ou a petinga frita, as migas à pescador, as enguias do Boquilobo, a fataça na telha e, o cabrito assado no forno com batata e grelos. Na doçaria temos o bolo de cabeça, as merendeiras das lapas, o doce de amêndoa e o figuinho de Torres Novas. Nas bebidas temos a aguardente de figo, o vinho tinto caseiro e o abafado de soutos.

Brasão da Cidade:

Torres_NovasO Brasão da Cidade contempla um tom vermelho, um castelo de ouro aberto e iluminado de verde, cortado por três faixas ondadas, duas de prata e uma azul. A torre central, rematada por um braço armado de prata empunhando uma maça de armas de ouro. Coroa mural de prata de cinco torres. Listel branco com a legenda a negro “Torres Novas”. O vermelho do brasão simboliza Guerra, vitórias, força, vida e audácia; o castelo a antiguidade e importância histórica da cidade, reforçadas pelo braço armado de maça de armas; o verde que abre e ilumina o castelo significa fé e esperança e as três faixas ondadas representam o Rio Almonda e a sua importância para a cidade.

Acordos de Geminação:

  • Manatuto, cidade costeira de Timor, a 87 quilómetros de Dili (desde 23 de Maio de 2002)
  • Moreni, cidade romena com cerca de 22000 habitantes (desde 5 de Março de 2007)
  • Rambouillet, cidade francesa nos arredores de Paris (desde 27 de Abril de 2009)
  • Ribeira Grande, localidade na Ilha de Santo Antão de Cabo Verde (desde 31 de Maio de 1997)
299 Visualizações 1 Total
299 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo