Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

 

Entroncamento (Portugal)

Apresentação da cidade do Entroncamento e do seu concelho: caracterização sócio-económica, histórica, heráldica, património histórico, edificado e património natural.

O Entroncamento é uma cidade portuguesa e sede de concelho pertencente ao distrito de Santarém localizada na região Centro e sub-região do Médio Tejo. Desde 03/04, a cidade tem duas freguesias, uma de cada lado da linha férrea que atravessa a cidade: a de São João Baptista e a de Nossa Senhora de Fátima sendo delimitada a Norte e Poente pelo concelho de Torres Novas, a sul pela Golegã e a nascente por Vila Nova da Barquinha. A cidade do Entroncamento localiza-se a 43 quilómetros da capital de distrito, Santarém, e 120 quilómetros da capital, Lisboa. É sede do segundo concelho mais pequeno de Portugal com um total de 13,8 km2, contabilizando um total de 20.206 habitantes, segundo o Censos de 2011.

Câmara Municipal do Entroncamento

Câmara Municipal do Entroncamento

História da cidade:

O nascimento do Entroncamento surge em meados do século XIX, com os alvores da construção ferroviária e começando por ser apenas uma simples estação de caminhos-de-ferro. Perto existiam apenas dois lugarejos com poucos habitantes: o Casal das Vaginhas e o Casal das Gouveias. Aqui se estabeleceram os primeiros trabalhadores que eram na maioria estrangeiros, sendo posteriormente trabalhadores vindos do Alentejo e Beira Baixa.

O nome da cidade deriva do “entroncamento rodoviário” que aqui se formou com a junção das Linhas do Norte e do Leste, em 1864. Foi durante décadas, ponto de paragem obrigatória para quem mudava da linha do Norte para a Linha do Leste e vice-versa. A estação e o seu restaurante foram mencionados em algumas obras literárias de vários escritores de renome: Hans Christian Andersen, Ramalho Ortigão, Eça de Queirós, Alberto Pimentel, Luzia, e Eduardo Meneres. Foi ainda palco do atentado a João Chagas, em 1915. Inicialmente, a pequena povoação pertencia a duas freguesias e a dois concelhos, porque a via-férrea assim o determinava. A poente das linhas, pertencia à freguesia de Santiago, no concelho de Torres Novas e, a nascente da via, pertencia à freguesia de Nossa Senhora da Assunção da Atalaia, no concelho de Vila Nova da Barquinha.

O crescimento da pequena aldeia foi acontecendo devido ao desenvolvimento dos transportes ferroviários e às respectivas estruturas que ali foram sendo construídas. A instalação de aquartelamentos militares, a partir de 1916, aumentou ainda mais a importância estratégica do local e, por consequência, aumentou também a população. Em 1926, a povoação foi elevada a freguesia, em 1932 a vila, e em 1945 promovida a concelho. Nos anos quarenta do século XX, o Entroncamento era, a seguir do Barreiro, o segundo meio operário do país. A CP dotou a povoação com uma série de estruturas de apoio social e com uma dimensão talvez única a nível nacional. Criou bairros habitacionais para os empregados, uma escolar, um armazém de víveres, um dispensário antituberculoso que funcionava como um centro de saúde e, ainda fomentava actividades desportivas.

A partir dos anos setenta, devido às alterações conjunturais ditadas pela história e com o passar dos anos a situação viu-se invertida. Actualmente, os caminhos-de-ferro continuam a ter alguma importância na cidade contudo, sem a dimensão do passado. Em 1991, foi elevada a cidade. Um facto pouco comum na história das terras portuguesas é que o Entroncamento foi aldeia, vila e cidade no mesmo século.

A dimensão enorme da Estação do Entroncamento

A dimensão enorme da Estação do Entroncamento

Património Natural e Edificado:

Como é uma cidade recente não tem património de grande valor histórico. No que toca ao património edificado, o Museu Nacional Ferroviário é o maior destaque da cidade do Entroncamento, servindo como ponto de atracção histórico sobre o comboio em Portugal, mas também como valorização do trabalho dos Caminhos de Ferro Portugueses no desenvolvimento da cidade do Entroncamento. Além do Museu, podemos destacar a Igreja Matriz, os Paços do Concelho e a Igreja de Nossa Senhora de Fátima como pontos de referência. O Património Natural da Cidade resume-se ao Parque Verde do Bonito, onde fica a maior área verde da cidade e onde existe uma albufeira artificial alimentada da Ribeira de Santa Catarina, com zonas de recreação e lazer e os Jardins Afonso Serrão Lopes e Doutor José Pereira Caldas.

Explicação da expressão “Fenómenos do Entroncamento”:

A cidade do Entroncamento é muito conhecida como a “cidade dos fenómenos”. O aparecimento do mito dos fenómenos do Entroncamento deveu-se muito ao simples facto da procura de “coisas” que pudessem causar sensação. Os grandes divulgadores dos tais fenómenos foram Leitão de Barros e Eduardo O. P. Brito. Este último foi quem mais influenciou e incentivou a procura de casos insólitos e de “coisas” sensacionalistas. O primeiro “fenómeno” – a existência de um melro branco – foi noticiado por ele. Mediante tal facto, a população ficou fascinada e começou uma procura desenfreada de mais casos fenomenais. A procura não foi difícil e seguiram-se inúmeros achados. Por exemplo, a notícia do ovo de galinha com 800 gramas foi tão sensacionalista que chegou ser noticiada no jornal francês “France Soir”. Além da cidade passar a ter o estatuto de “Terra dos Fenómenos”, os mesmos passaram a ser bastante divulgados e comercializados também. No estabelecimento comercial “Casa Carloto”, existem peças de vidro (copos) com decalques dos fenómenos. Também a “Tabacaria Luanda” expunha na sua montra os fenómenos que considerava realmente sensacionais para que as pessoas os pudessem testemunhar. Com o passar dos anos, e devido à desmistificação científica, os fenómenos foram perdendo a sua força mas a cidade do Entroncamento é ainda muitas vezes mencionada como terra dos fenómenos.

brasao entroncamentoBrasão da cidade:

O Brasão da Cidade do Entroncamento é de cor negra, com um disco de sinalização, fechado de vermelho, orlado de prata, hasteado de ouro entre dois perfis de carril do mesmo. A Coroa mural de cinco torres de prata e o listel branco com a inscrição, a negro, “Entroncamento”.

Acordos de Geminação:

A cidade do Entroncamento conta com quatro acordos de cooperação e geminação com localidades estrangeiras, a saber:

  • Friedberg, uma cidade alemã com 25.000 habitantes nos arredores de Frankfurt, capital de distrito no Estado de Hesse (desde 19 de Julho de 2015)
  • Mosteiros, uma localidade na Ilha do Fogo, em Cabo Verde (desde 22 de Maio de 1997)
  • Penafiel, cidade portuguesa da zona do Vale do Sousa a 30 quilómetros do Porto (desde 17 de Novembro de 1991)
  • Villiers-Sur-Marne, cidade francesa a 15 quilómetros de Paris (desde 3 de Dezembro de 1989)
446 Visualizações 2 Total
446 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo