Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Dondo (Angola)

Apresentação da localidade de Dondo (Angola): caracterização sócio-económica e demográfica, história, património histórico e edificado e património natural.

Dondo é uma cidade angolana, sede do município de Cambambe, província de Kwanza Norte, sendo conhecida como uma das cidades mais quentes do país. Está localizada nas margens do rio Kwanza, a cerca de 183 quilómetros de Luanda. A população residente está estimada em 55 mil habitantes, oriundos maioritariamente dos municípios fronteiriços do Libolo (Kwanza Sul) e Kissama (Bengo), e cujo dialecto predominante é o kimbundo.dondo-01

Desde o final do período colonial e até à década de 80 do século XX, Dondo foi um importante centro industrial, sendo considerado como o 4º pólo industrial do país. Contudo, e ao contrário do que aconteceu em muitas outras cidades industriais angolanas, a indústria local entrou em declínio e atualmente a maioria da sua população dedica-se à prática da agricultura, pesca e comércio.

História do Dondo

No período pré-colonial, a cidade do Dondo (na altura denominada Mbanza Kabaza) pertencia ao Reino do Ndongo, um importante reino africano da região criado durante o século XIV pela migração de povos negros oriundos do centro de África, chefiados pelo rei Ngola Nzinga, que avançou para o Kwanza e ocupou todas as terras até ao mar.  Além de ter sido sede do Reino do Ndongo, o Dondo albergava a maior feira comercial do reino e provavelmente de toda a região, absorvendo produtos trazidos pelas caravanas provenientes das Lundas e da Quibala.

Com a instalalção em 1771, pelo português Francisco Inocêncio Coutinho, de uma grande fábrica de fundição de ferro na região, mais especificamente em Nova Oeiras, hoje na comuna de Massangano, o Dondo conhece um período de grande desenvolvimento e prosperidade económica. Face a esse desenvolvimento, a povoação é elevada a sede de concelho em 1857 e em 1870 é elevada a vila. Por essa altura, um grande número de habitantes da Aldeia do Soba Kambambe transfere-se para o Dondo dando novo impulso ao seu crescimento, sobretudo na área agrícola.

Contudo, foi já no decorrer do século XX que o Dondo conheceu o seu período de maior prosperidade, a que não será alheio a chegada do caminho de ferro à cidade em 1941 e a construção da barragem hidro-elétrica do Cambambe cujas obras foram concluídas em 1960. Com estas duas importantes infra-estruturas, segui-se uma fase de grande crescimento industrial da cidade, salientando-se a instalação do complexo industrial têxtil Satec (depois denominada Bula Matadi l), a sociedade de Vinhos Vinelo, uma unidade de produção de materiais de construção, a sociedade algodoeira de Ambriz e ainda a fábrica de cerveja EKA.

Em 29 de Maio de 1973, pouco antes da independência de Angola, e como resposta ao seu grande desenvolvimento, o Dondo é elevado à categoria de cidade.

Nos anos que se seguiram, e como consequência direta da guerra civil angolana, a indústria do Dondo entrou numa fase de grande declínio, restando atualmente apenas a barragem de Kambambe e a fábrica de cerveja EKA que ainda mantém a produção em pleno. Contudo, e pelo facto de o Dondo estar localizada a apenas 183 quilómetros de Luanda, na confluência de várias ligações rodoviárias entre a capital do país e as províncias do leste, centro e sul e ainda pelo facto de ser servida pelo Ramal de Zenza do Itombe que liga a cidade ao Caminho de Ferro de Luanda, existem perspetivas de um retorno do desenvolvimento industrial em áreas como a indústria têxtil e agro-alimentar.

+ + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + +
+   Este artigo está a ser comentado na nossa página do Facebook   +
+ + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + +

162 Visualizações 5 Total
162 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo

Flag Counter