Procuramos Delegados Comerciais

(M/F)

 

Procuramos colaboradores com espírito empreendedor para angariação de anunciantes e patrocinadores para a Knoow.net.

Portugal e Brasil

Comissões até 33%

Total flexibilidade de horários

Candidaturas com CV para geral@knoow.net

 

 

 

 

Distocia de Ombros

Tese/Dissertação: Distocia de Ombros; Autor: Ana Filipa Heleno Lemos de Sousa; Mestrado Integrado em Medicina – Obstetricia; Faculdade de Medicina – Universidade do Porto…

Distocia de Ombros

Autor: Ana Filipa Heleno Lemos de Sousa
Orientador: Maria Antónia Moreira Nunes da Costa

Mestrado Integrado em Medicina – Obstetricia

Faculdade de Medicina
Universidade do Porto

(Localização: Repositório Aberto da Universidade do Porto)

 

Resumo

Introdução: A distocia de ombros (DO) representa uma das emergências obstétricas com maior impacto na morbimortalidade materna e neonatal. O objectivo deste trabalho consistiu na revisão sistemática da evidência científica acerca deste tema, no que respeita a dados epidemiológicos, definição, factores de risco, conduta obstétrica e, finalmente, complicações quer maternas quer neonatais.

Material e métodos: Realizou-se uma pesquisa bibliográfica na base de dados da PUBMED. Os critérios de selecção estabelecidos foram: artigos em língua inglesa e portuguesa com as seguintes palavras-chave:“shoulder dystocia”, publicados até 31/12/2009 e até nível de evidência III.

Resultados: Obtiveram-se um total de 46 artigos, 20 de nível de evidência I, 18 de nível evidência II e 8 de nível de evidência III. A prevalência de distocia de ombros descrita varia entre 0,2% e 6,1%, sendo os factores de risco mais referidos: macrossomia fetal, diabetes, parto instrumentado e distocia de ombros prévia. As manobras obstétricas de resolução mais utilizadas são a manobra de McRoberts, pressão suprapúbica, manobra de Woods, Rubins e libertação do braço posterior. As complicações neonatais mais frequentes são lesões do plexo braquial (LPB) e facturas ósseas. A hemorragia pós-parto, lacerações perineais 4º grau e lacerações cervicais ou vaginais são as complicações maternas mais frequentemente citadas.

Conclusões: Estas manobras obstétricas correctamente realizadas podem evitar, em grande parte, sequelas permanentes no recém-nascido, assim como lesões maternas.

 

Palavras chave: distocia de ombros, morbimortalidade fetal, morbilidade materna.

 

Índice

Lista de Abreviaturas:
Introdução:
Material e Métodos:

Resultados e Discussão:

  1. Definição e fisiopatologia
  2. Epidemiologia

III. Factores de risco

III.A. .Macrossomia

III.B. .Diabetes Materna

III.C. Parto instrumentado

III. D. História prévia de distocia de ombros

III.E. Outros factores de risco

  1. Manobras obstétricas de resolução

IV.A. Manobra de McRoberts

IV.B. Episiotomia

IV.C. Manobra de Woods e de Rubins

IV.D. Libertação do braço posterior

IV.E. Posição de Gaskin

IV.F.Fractura da clavícula/cleidotomia

IV.G. Manobra de Zavanelli

IV.H. Sinfisiotomia

  1. Manobra obstétricas contra-indicadas no período expulsivo
  2. Morbimortalidade fetal

VI.A. Lesão do plexo braquial

VI.B. Fracturas ósseas

VI.C. Lesões neurológicas centrais

VI.D. Mortalidade fetal

VII. Morbilidade materna

Conclusão

Bibliografia

Anexos/ Quadro

 

 

Trabalho completo

717 Visualizações 1 Total
717 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.