Adopção do Balanced Scorecard como ferramenta de gestão estratégica

Tese: A adopção do Balanced Scorecard como ferramenta de gestão estratégica para o desenvolvimento das organizações do terceiro sector; Autor: João Wengorovius Ferro Meneses

A adopção do Balanced Scorecard como ferramenta de gestão estratégica para o desenvolvimento das organizações do terceiro sector

Autor: João Wengorovius Ferro Meneses
Orientador: Rogério Roque Amaro

Mestrado em Desenvolvimento, Diversidades Locais e Desafios Mundiais

ISCTE-IUL

(Localização: Repositório Aberto do ISCTE-IUL)

 

Resumo

A presente dissertação tem como objectivo geral a descrição e análise das alterações propostas, e em parte realizadas, de melhoria dos procedimentos de gestão da Colectividade Cultural e Recreativa de Santa Catarina – Chapitô, entre Setembro de 2004 e Setembro de 2007. A Chapitô é uma organização sem fins lucrativos que tem os jovens em risco e as artes performativas como elemento transversal às três áreas em que actua – a Acção Social, a Educação e a Cultura. Adicionalmente, a Chapitô presta serviços de animação, explora um bar e aluga espaço para restauração na sua sede, em Lisboa, com vista assegurar uma maior sustentabilidade económica. Inicialmente, realiza-se uma breve revisão teórica, com o propósito de evidenciar a importância das organizações sem fins lucrativos do terceiro sector para um modelo de desenvolvimento alternativo e das ferramentas de gestão estratégica para a melhoria do seu desempenho. As organizações do terceiro sector desempenham um papel crucial para o desenvolvimento local e para a sustentabilidade o modelo de desenvolvimento. Não só contribuem para a criação de rendimento e emprego, como são determinantes para o bem-estar e a qualidade de vida dos seus beneficiários e para a sustentabilidade social, ambiental e cultural dos modelos de desenvolvimento das sociedades. As premissas deste trabalho são as de que, desde que devidamente seleccionadas e adaptadas, as boas práticas de gestão desenvolvidas e testadas com sucesso nas organizações do sector privado, podem contribuir para a criação de valor nas organizações do terceiro sector, permitindo-lhes melhorar o desempenho e concretizar melhor a sua missão. A profissionalização das práticas de gestão não é contrária aos fins sociais deste tipo de organizações nem à sua necessidade de adaptação e inovação permanentes. Este trabalho resulta de experiência de três anos do seu autor como responsável pela gestão administrativa e financeira da Chapitô, durante a qual procurou implementar um balanced scorecard, como forma de melhorar os seus níveis de eficiência, eficácia e impacte. Pretendeu-se contribuir para o esforço de investigação e experimentação que é necessário realizar quanto a novos modelos e ferramentas de gestão para as organizações do terceiro sector num contexto marcado por novas exigências.

 

Palavras chave: Desenvolvimento, Empowerment, Terceiro sector, Gestão estratégica, Balanced scorecard, Development, Third sector, Strategic management

 

Índice

Índice de figuras
RESUMO
ABSTRACT

I Introdução

I.1 Âmbito do presente trabalho
I.2 Objectivo
I.3 Método de pesquisa
I.4 Justificação do tema
I.5 Estrutura do trabalho

II Enquadramento geral

II.1 O conceito de desenvolvimento
II.2 Os modelos de desenvolvimento alternativos e o conceito de empowerment.
II.3 Os modelos de desenvolvimento alternativos e o terceiro sector
II.4 A crise do Estado-providência e o terceiro sector
II.5 Algumas notas sobre a importância do terceiro sector no Mundo, na União  Europeia e em Portugal
II.6 A gestão no contexto das organizações do terceiro sector
II.7 A avaliação do desempenho no contexto do terceiro sector
II.8 A prestação de contas no contexto do terceiro sector – o caso específico das  Organizações Não Governamentais (ONG)
II.9 Breve conclusão sobre o conceito de desenvolvimento, o terceiro sector e o  papel da gestão nesses contextos

III Quadro conceptual sobre gestão estratégica e balanced scorecard

III.1 Introdução
III.2 A gestão estratégica e a avaliação do desempenho das organizações
III.2.1 A evolução do conceito de controlo de gestão ao longo do século XX e a sua relação com a gestão estratégica
III.2.2 A gestão estratégica em organizações do terceiro sector
III.2.3 Metodologias de avaliação do desempenho para organizações do terceiro sector – O exemplo da organização do terceiro sector “The Nature Conservancy”
III.2.4 A avaliação de impacte
III.2.5 O Modelo Lógico de avaliação de desempenho da W. K. Kellogg Foundation
III.3 Quadro conceptual sobre o balanced scorecard
III.4 O balanced scorecad como ferramenta de gestão estratégica
III.5 As quatro perspectivas do balanced scorecard
III.5.1 A perspectiva financeira
III.5.2 A perspectiva cliente
III.5.3 A perspectiva interna
III.5.4 A perspectiva de aprendizagem e crescimento
III.6 Os princípios das Organizações Focalizadas na Estratégia
III.7 A construção de um mapa da estratégia
III.8 O balanced scorecard e as três famílias de indicadores de avaliação do  desempenho
III.9 Adaptação do balanced scorecard à estrutura orgânica da organização
III.10 O Balanced scorecard e orçamento
III.11 O balanced scorecard e a gestão estratégica da mudança
III.12 A implementação do balanced scorecard
III.13 Conclusão sobre a avaliação de desempenho em organização do terceiro sector e sobre o balanced scorecard

IV O balanced scorecard e as organizações do terceiro sector

IV.1 Introdução
IV.2 Balanced scorecard para organizações do terceiro sector
IV.3 Exemplos da aplicação do balanced scorecard no terceiro sector
IV.3.1 O caso da Fundação Avina
IV.3.2 O caso da “Teach for America”
IV.3.3 O caso do mapa de estratégia da Ópera Lírica de Boston
IV.4 A implementação do balanced scorecard em organizações do terceiro sector
IV.5 Conclusão sobre o balanced scorecard para organizações do terceiro sector

V Estudo de caso: O processo de implementação de ferramentas de gestão  estratégica na Chapitô, nomeadamente do balanced scorecard

V.1 Introdução
V.2 A Chapitô como organização de economia social e solidária
V.3 A necessidade de profissionalizar a gestão da Chapitô
V.4 As três fases de profissionalização da gestão da Chapitô
V.4.1 Fase 1: Capacitação dos Serviços Administrativo-Financeiros (SAF) e controlo de gestão operacional da Chapitô
V.4.1.1 A adopção de um novo software de contabilidade e controlo de gestão
V.4.1.2 A construção de um mapa de indicadores de base contabilística
V.4.2 Fase 2 – Introdução de procedimentos de gestão estratégica: melhoria dos mecanismos de planeamento e controlo de gestão
V.4.2.1 Análise estratégica da Chapitô
V.4.2.2 Missão, visão, objectivos e estratégia da Chapitô
V.4.2.3 Aplicação do Modelo Lógico da W. K. Kellogg Foundation à Chapitô
V.4.3 Fase 3 – Implementação do balanced scorecard na Chapitô
O Mapa de Estratégia da Chapitô
O scorecard da Chapitô
V.5 Resultados e dificuldades do processo de profissionalização da gestão da Chapitô

VI Conclusões e recomendações

VI.1 Conclusões
VI.2 Recomendações para futuros trabalhos

Bibliografia

 

Trabalho completo

Anexo 1 – Balanced scorecard AVINA

Anexo 2 – Plano de Implementação do BSC na AVINA

Anexo 3 – Fluxograma

Anexo 4 – Fluxograma SAF

Anexo 5 – Mapa Tesouraria

Anexo 6 – Manual instruções mapa indicadores

554 Visualizações 1 Total
554 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.