Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Descolonização

Apresentação do conceito de Descolonização, fenómeno político e social de retirada de administradores e colonos europeus da África e da Ásia…

Descolonização refere-se ao fenómeno político e social de retirada de administradores e colonos europeus da África e da Ásia e da concepção de independências formais aos novos países. Após a 1ª Guerra, algumas colónias, nomeadamente as alemãs, tenham sido desmanteladas e estabelecidas como mandatos de outras potências europeias. Alguns “domínios” britânicos de maioria branca, como a Austrália, o Canadá, a Nova Zelândia e a África do Sul tinham também já obtido independência do Reino Unido. Muitos países das Caraíbas e das Américas, além dos EUA, eram também soberanos. De forma inversa, muitos países permaneceram colónias de países não-europeus, como Timor-Lorosae, ocupada pela Indonésia até 2002, a Palestina, ocupada por Israel ou o Saara Ocidental, ocupado por Marrocos.

Para efeitos de precisão, o período histórico aqui considerado é o pós-2ª Guerra Mundial e a análise geográfica restringe-se aos continentes asiático e africano. Estas descolonizações foram classificadas por Dietmar Rothermund como “provavelmente o processo histórico mais importante do século XX”. De 1945 a 1974, os impérios coloniais desapareceram formalmente, dando lugar a instituições de cooperação, como a CPLP, a Commonwealth ou a Francofonia. As descolonizações foram um fenómeno maioritariamente violento, replicando o próprio processo de colonização, embora também tenham existido transições de poder pacíficas, não sem luta e resistência por parte dos movimentos nacionalistas anti-coloniais. Deveram-se, além da resistência dos povos ocupados, ao enfraquecimento político e militar das potências europeias no final da 2ª Guerra Mundial.

No século XIX, todo o continente africano – excepto a Etiópia, que havia resistido à invasão da Itália, e a Libéria, ocupada por indivíduos que haviam sido escravizados – havia sido ocupado por potências europeias. A Inglaterra e França detinham as maiores porções de territórios, mas Portugal, Espanha, Itália, Alemanha e Bélgica também conquistaram terrenos no continente. Estas ocupações não se fizeram sem resistência nativa, mas foram, devido ao superior poderio militar, bem-sucedidas. No final da 1ª Guerra Mundial, a maioria dos países árabes, como a Siria ou a Palestina, foram também dividos, ao abrigo do acordo secreto de Sykes-Picot.

Os esforços de resistência anticolonial foram diversos, em todos os continentes. O mais famoso foi a campanha não-violenta de Gandhi, que começou em 1920 e terminou com Marcha do Sal em 1930. Em 1927 tinha-se igualmente realizado um congresso das “Nações Oprimidas” em Berlim, com participação de vários líderes nacionalistas africanos e asiáticos. Em 1945, tanto a Indonésia, sob a alçada de Sukarno, como o Vietname, liderado por Ho Chi Minh, proclamam a sua independência. No ano seguinte, a maioria dos países árabes também reconquista a soberania, assim como Ceilão, Myanmar e Malásia.

A grande conferência de resistência anti-colonial e de solidariedade afro-asiática realizou-se em Bandung na Indonésia, em 1955. No ano a seguir, emerge o Movimento dos Não-Alinhados, sob liderança do presidente egípcio Nasser, do primeiro-ministro indiano Nehru e do marechal jugoslavo Tito, que preconizava uma política de neutralidade perante as duas potências mundiais, EUA e URSS, e uma oposição activa ao racismo e colonialismo e imperialismo europeu, assim como promover uma maior cooperação cultural e económica entre as nações asiáticas e africanas. Conta, ainda hoje, com 120 países, embora tenha perdido o seu ímpeto inicial com o fim do colonialismo e da Guerra Fria.

O primeiro país africanos a reclamar a soberania no pós-II Guerra Mundial foi o Gana, comandado por Kwame Nkrumah, no ano de 1952. Em 1960, também no Gana, o primeiro-ministro britânico Harold Macmillan pronuncia o seu famoso discurso sobre “os ventos da mudança” em África, mas a descolonização de muitos países ainda estava por completar. Os países colonizados por Portugal – Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique – só conseguiram a independência 14 anos depois, com a revolução militar do 25 de abril, provocada pela resistência dos líderes nacionalistas desses países. Outros países africanos, como a África do Sul ou o Zimbabué, mesmo sem a presença dos administradores britânicos, continuaram a sofrer uma colonização interna de brancos sobre negros até, respectivamente, 1994 e 1980.

A descolonização foi um processo histórico extremamente completo e com muitas variáveis, mas que mudou a face do mundo e ajudou a estabelecer umas relações internações mais horizontais, dignas e igualitárias. Contudo, muitos autores argumentam que, embora a maioria dos países tenham conquistado a independência, ainda resta libertar-se economicamente de formas de neocolonialismo e sobretudo realizar a “descolonização da mente”, ou seja, dos conceitos e visões do mundo do (ex-)colonizador.

610 Visualizações 1 Total
610 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo

Flag Counter