Café brasileiro, principal economia do século XIX

A história do café brasileiro, a expansão da produção cafeeira (conhecida como a onda verde), a sua importância económica no Brasil do século XIX.

 Obra de Cândido Portinari

Obra de Cândido Portinari

A história do Café brasileiro

Presente  cotidianamente na mesa do brasileiro, o café  representa muito da própria história , da cultura e da identidade deste país. O café (coffea arabica) chegou ao Brasil ainda no século XVIII, trazido pelo sargento-mor Francisco de Melo Palheta, que recebeu a planta de presente  da esposa do governador de Caiena ( capital da Guiana Francesa), em 1727. A planta entrou pelo norte do estado do Pará, onde Melo Palheta residia, na condição de  produto exótico e clandestino, que deveria ser cultivado apenas para  o consumo doméstico. Foi somente a partir de 1776, quando o café chegou ao Rio de Janeiro, que o seu cultivo, se expandiu pelo sudeste do país. O clima e solo adequados para sua produção e expansão tornou o café brasileiro a principal economia do país  ao longo do século XIX.

O café já havia conquistado o mercado europeu no século XVIII cujo principal fornecedor era o Haiti, na época colônia francesa. Após a guerra civil do Haiti ( guerra de Independência), que resultou na crise da produção cafeicultora haitiana, o governo português estimulou a produção do café no Brasil, acenando para a importância que o produto havia adquirido no mercado internacional.  Somado à crise da economia açucareira, devido à alta concorrência do açúcar das Antilhas, a atividade cafeeira  tornou-se predominante na Baixada Fluminense (RJ), no Vale do Paraíba e  se estendeu posteriormente para o Oeste Paulista, atingindo  também Minas Gerais e o norte do Paraná.  Com o aumento das regiões produtoras,  o Brasil  passou a ter o monopólio mundial da produção de café no século XIX. 

A economia cafeeira no século XIX

Ao longo do século XIX, o café brasileiro era, nas palavras de Taunay ,´a viga mestra da economia brasileira.´ Os cafezais delinearam os traços de uma nova sociedade em formação. A lavoura cafeeira era a principal atividade econômica do Império.  Em 1860 o  café brasileiro representava 50% da produção mundial e correspondia a 45% do valor total das exportações do Império. Os Estados Unidos da América se tornaram  um dos principais consumidores do café brasileiro. A modernização e urbanização das cidades do sudeste vieram com  as divisas do café. O desenvolvimento das cidades foi percebido com o surgimento das primeiras ferrovias, da chegada da rede elétrica, da criação de uma rede de comunicações, da criação de bancos e  também da chegada dos primeiros sistemas de água e esgoto do país. A sociedade imperial ostentava o café. Era uma sociedade de requinte dividida entre senhores e escravos. O Imperador Dom Pedro II concedia o título de Barão do café a todos os grandes fazendeiros produtores do fruto que disfrutavam de privilégios políticos.

A expansão do café: a onda verde

As plantações de café até a primeira metade do século XIX,  ocorriam dentro do sistema plantation de produção, em grandes propriedades, cuja base era o braço escravo. A cultura do café trouxe requinte e prosperidade para o período. Os Barões do café passaram a acumular e a investir nas primeiras fábricas e manufaturas do país e consequentemente a desempenhar também uma importância política no país. O comportamento da elite cafeeira, em especial a do baronato, era de apoiar o Imperador em troca, por exemplo,  da manutenção da escravidão.

O período conhecido por  ‘onda verde’ corresponde a todo o processo expansionista da cafeicultura pelo sudeste dos país que se iniciou ainda no final do século XVIII, mas que  a partir de 1870,  se intensificou com o surgimento da rede ferroviária. O  café se expandiu pelo Oeste paulista e para Minas Gerais. Com a abolição da escravidão em 1888, o trabalho na lavoura cafeeira passou a contar com a mão de obra imigrante assalariada, em especial os italianos, alemães e japoneses.

Os fazendeiros que investiram no café obtinham prestígio no Império e  alguma participação política ( eram os Barões do café) e esse importante grupo econômico exerceu influência também no período da Primeira República (1889-1930), em especial durante a República Oligárquica.

89 Visualizações 3 Total

References:

  • PRADO JÚNIOR. Caio. História econômica do Brasil. SP: Brasiliense, 1967.
  • SMITH, Herbert Hungtington. Uma fazenda de café no tempo do Império.Rio de Janeiro. Departamento Nacional do Café, 1941.
  • MARTINS. Ana Luiza. Império do Café – A grande lavoura no Brasil 1850 a 1890. São Paulo: Editora Atual, 1990.
  • TAUNAY, Afonso de E. História do café no Brasil de 1727-1822. Rio de Janeiro. Departamento Nacional do Café, 1939

 

 

89 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo