Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Sousa, Paulo

Paulo Sousa é um ex-futebolista e actual treinador português que, enquanto jogador, venceu duas edições consecutivas da Liga dos Campeões por equipas diferentes.

Biografia de Paulo Sousa

Paulo Sousa é um ex-futebolista e actual treinador português que, enquanto jogador, venceu duas edições consecutivas da Liga dos Campeões por equipas diferentes.

Paulo Manuel Carvalho Sousa nasceu na cidade de Viseu a 30 de Agosto de 1970 e começou por ser jogador de futebol no Repesenses, onde deu os primeiros toques com a bola e onde chamou à atenção dos responsáveis do Benfica com quinze anos. Aceitou o convite e foi para Lisboa sozinho rumo ao sonho de uma vida. Os directores das camadas jovens revelaram-se decisivos no papel de instrução desportiva e cívica de Paulo Sousa, o que o próprio admite como tendo sido fulcral na sua carreira. Tanto nas camadas jovens do Benfica como nas selecções nacionais foi presença habitual, sendo um dos campeões mundiais de sub-19, em Riade.

Paulo Sousa quando representava o Sport Lisboa e Benfica

Paulo Sousa quando representava o Sport Lisboa e Benfica

Jogava mais como extremo mas o treinador da equipa principal, Sven Goran Eriksson, viu potencialidades para ir para terrenos mais interiores e tratou de discipliná-lo tacticamente e dar-lhe carga física necessária para afrontar a nova posição, que exigia mais a nível táctico. Estava destinada a ser um trinco, um carregador de piano, um homem que faz os outros homens brilhar. Não tinha a técnica e a criatividade de uns mas tinha o posicionamento, o sentido táctico e o carisma de um líder que o fizeram caminhar no trilho das vitórias. Fez dois jogos na equipa principal durante a época de 89/90 mas na temporada seguinte foi uma das novidades da equipa titular e foi um dos responsáveis pelo título do clube encarnado em 90/91. As boas exibições do médio defensivo despertaram o interesse dos vários seleccionadores que o convocaram para a selecção nacional. Em 1991/1992 e 1992/1993, Paulo Sousa mantinha a preponderância na equipa encarnada mas títulos só a Taça de Portugal, em 92/93. Mas Paulo Sousa, tal como Pacheco, viria a rumar ao Sporting durante o defeso num processo em que foi o próprio jogador a pedir a rescisão do contrato. Devido a ser dos mais acarinhados pela massa associativa e por ser o segundo jogador que o Sporting retirava ao rival, os benfiquistas não ficaram agradados com a situação e fizeram com que Paulo Sousa passasse alguns calafrios. Contudo, na época de 1993/1994, continuou a ser importante como era na Luz, realizando 31 jogos no campeonato e chamando a atenção das grandes equipas internacionais, sobretudo, em Itália. Podia ter ido para a Roma mas escolheu o projecto desportivo da Juventus. Numa equipa recheada de grandes jogadores como Roberto Baggio, Del Piero, Vialli e Conte (actual treinador do Chelsea), Paulo Sousa impôs a sua qualidade ao serviço do colectivo logo na época de estreia de 94/95, sendo considerado o melhor jogador do campeonato pela comunicação social. Ganhou Campeonato, Taça e Supertaça de Itália, perdendo apenas na final da Taça UEFA para o Parma. Mas na época seguinte, alcançou o feito que qualquer jogador profissional ambicionava: vencedor da Liga dos Campeões. Contudo, Paulo Sousa não conseguia ter a mesma influência na equipa condicionado por uma lesão no tendão rotuliano do joelho esquerdo que só poderia ser recuperado com o descanso ou a cirurgia que só foi feita mais tarde. O português ainda jogou na fase final do europeu de 1996 por Portugal e só depois é que foi operado.

Paulo Sousa a levantar a taça da Liga dos Campeões.

Paulo Sousa a levantar a taça da Liga dos Campeões.

Contudo, a Juventus pretendia transferir o jogador por esperar que o português estimasse um longa paragem devido a lesão e no final do ano poderia transferir-se a custo zero para qualquer equipa visto que o contrato com o clube acabaria no final da época de 1996/1997. Os italianos trataram de vender Paulo Sousa ao Borussia Dortmund que quando se aperceberam da lesão do português quiseram abortar a operação, indicando que o jogador tinha a carreira em risco e que só a operação o poderia ajudar a passar. E essa lesão foi ultrapassada a tempo de jogar a final da Liga dos Campeões pelo Borussia Dortmund ganhando essa final contra a Juventus, sua anterior equipa, fazendo uma exibição de sonho. Ganhava duas vezes consecutivas a Liga dos Campeões por clubes diferentes. Ainda nesse ano, voltaria a erguer mais uma taça, a Taça Intercontinental. As constantes lesões não largaram Paulo Sousa, o que fez os responsáveis germânicos transferi-lo para Itália, para a equipa do Inter, onde esteve entre 1997/1998, 1998/1999 e 1999/2000. Na janela de transferências de Janeiro, foi cedido ao Parma por meia temporada para depois ser transferido para a Grécia, onde jogou época e meia no Panathinaikos, sendo que a meio da época de 2001/2002 foi para Espanha, jogar na equipa do Espanhol de Barcelona. Jogou pela selecção nacional nas fases finais do Euro-2000 e Mundial-2002, sua última prova internacional como jogador. Não abandonou o futebol, tendo seguido a carreira de treinador. Começou por trabalhar nas selecções jovens de Portugal, onde esteve entre 2005 e 2008. A sua primeira experiência como treinador de uma equipa de futebol foi em Inglaterra, na equipa do Queens Park Rangers que não correu muito bem, mas na época seguinte, seguiu para a equipa do Swansea . Em 2010/2011, foi contratado pelo Leicester para comandar a equipa mas não resistiu durante muito tempo.

Paulo Sousa, new head coach of Fiorentina during the press conference of presentation, Florence, 22 June 2015. ANSA/ MAURIZIO DEGL'INNOCENTI

E aí, Paulo Sousa testou outras paragens com mais sucesso. Em 2011/2012, foi para o Videoton, clube hungáro onde esteve duas épocas, vencendo uma Taça da Liga e duas Supertaças. Em 2013/2014, foi para Israel, e venceu o campeonato e a Taça enquanto treinador do Maccabi Telavive. O Basileia gostou do que viu e contratou o português para comandar os destinos do clube, em 2014/2015 e com sucesso porque venceram o campeonato principal suíço e fizeram uma boa carreira na Liga dos Campeões. Na época transacta, a Fiorentina contratou os serviços do português, mantendo-se no cargo até ao momento.

92 Visualizações 1 Total
92 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo