Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Barros, Rui

Rui Barros é um ex-jogador do FC Porto, AS Monaco, Juventus e Marselha, sendo também internacional por Portugal.

Biografia de Rui Barros

Rui Barros é um ex-jogador do FC Porto, AS Mónaco, Juventus e Marselha, sendo também internacional por Portugal. Actualmente faz parte da estrutura técnica do FC Porto. Nascido a 24 de Novembro de 1965, na localidade de Paredes, Rui Gil Soares de Barros abandonou os estudos ainda muito cedo, apenas com 12 anos, juntando-se ao irmão e ao pai a trabalhar numa oficina. Mesmo assim, Rui Barros tinha energia e capacidade para jogar futebol e começou a mostrar a sua qualidade futebolística nos clubes da terra. Começou nos Iniciados do Aliados de Lordelo, foi Juvenil no Rebordosa e começou o seu percurso de Júnior no Paços de Ferreira, tendo sido recrutado pelo Porto, ainda, neste escalão etário.

RuiBarros-ks3C-U4329057208092PFH-1224x916@Corriere-Web-Sezioni-593x443Nos primeiros anos de sénior, Rui Barros esteve emprestado a outras equipas da II Divisão: em 84/85, ao Sporting da Covilhã e em 85/86 esteve cedido ao Varzim. Foi figura de destaque das duas equipas, tendo ajudado ambas a subir para a I Divisão. Em 86/87, continuou no Varzim e ajudou a equipa a ter um campeonato tranquilo cumprindo com os objectivos da equipa e a experiência acumulada enriqueceu-o para o que estaria a chegar no ano seguinte. A titularidade na equipa do FC Porto. A “Formiga Atómica” como era conhecido, fez uma época formidável no FC Porto, em 87/88, época posterior à que o FC Porto tinha sido campeão europeu, com Artur Jorge. Como jogador, Rui Barros era um jogador de baixa estatura mas de enorme valia técnica e dono de uma velocidade desconcertante. Era um desequilibrador nato e um trabalhador incansável. Com Artur Jorge no comando, Rui Barros foi sempre emprestado mas Tomislav Ivic nem pestanejou e Rui Barros foi figura de proa no meio-campo do FC Porto. Nessa época, ajudouRui Barros o FC Porto a ganhar quatro títulos: a Supertaça Europeia, a Taça Intercontinental, o Campeonato e a Taça de Portugal, num total de 18 golos em 47 jogos. Números formidáveis para um médio e que fizeram o FC Porto receber várias propostas pela sua contratação.

Levou a melhor a equipa italiana da Juventus ainda que foi surpreendente, num dia na Apresentação da Equipa do FC Porto e no dia seguinte, assinar contrato com a Juventus. Na “Vecchia Signora” Rui Barros apresentou-se a bom nível, realizando 60 jogos e marcando 14 golos, ganhando uma Taça UEFA e uma Taça de Itália pela equipa de Turim. Esteve na equipa italiana em 88/89 e 89/90. De seguida, surgiu na carreira o AS Mónaco, onde permaneceu por três anos tendo feito 81 jogos, marcado 14 golos e conquistado uma Taça de França e ainda chegou a ir à final da Taça das Taças, num jogo perdido contra a equipa germânica do Werder Bremen. Passou ainda por Marselha na companhia de Paulo Futre, em 93/94, antes do seu regresso às Antas. “ O Bom filho a casa torna”. Provérbio que se identifica com Rui Barros que voltou a ser feliz e a conquistar títulos no seu clube do coração, o FC Porto. Foi figura primordial do inédito Penta conquistado pelo Futebol Clube do Porto, entre 94/95 e 3841698/99, tendo acabado a sua carreira de futebolista na temporada seguinte, depois de pouca utilização por parte do treinador da altura, Fernando Santos. Além disso, ganhou mais duas edições da Taça de Portugal (97/98 e 99/00) e quatro Supertaças (94/95, 96/97, 98/99 e 99/00).

O seu percurso na selecção não faz jus aos seus dotes futebolísticos, muito por “culpa” pela fase em que passou pela selecção ter sido entre uma geração de transição entre o Mundial-86 e a do Euro-96. Ainda assim, teve papel de destaque na integração dos jovens da Geração de Ouro na selecção. Conta com 36 internacionalizações e 4 golos pela selecção entre 1987 e 1996. Desde 2005 que integra a estrutura técnica do FC Porto, tendo sido já treinador-adjunto e, inclusive, Treinador Interino do clube nortenho.

59 Visualizações 1 Total
59 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo

Flag Counter