Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Barbosa, Alves

Alves Barbosa foi um dos melhores ciclistas portugueses da década de 50, tendo conquistado três edições da Volta a Portugal em bicicleta.

Alves Barbosa foi um dos melhores ciclistas portugueses da década de 50, tendo conquistado três edições da Volta a Portugal em bicicleta.

Nascido na véspera de Natal do ano de 1931, na região da Figueira da Foz, Alves Barbosa começou novo nas lides velocipédicas numa paixão que lhe corria pelas veias e que se lhe mantém, ainda, durante os dias de hoje. Como atleta, foi um dos melhores ciclistas nacionais, alcançando três conquistas na Volta a Portugal nas edições de 1951, 1956 e 1958, sendo o primeiro ciclista a estabelecer o maior número de vitórias na prova por etapas portuguesa. Era um prodígio e isso reflectiu-se desde muito novo. Alves Barbosa foi dos ciclistas mais jovens a vencer a prova, já que na altura do primeiro triunfo na classificação geral da prova, Alves Barbosa contava, apenas, com 19 anos. Liderou a prova do início ao fim, da primeira à última etapa, sendo que ainda assim não terá sido nada fácil a conquista do natural da Figueira da Foz porque contou com a forte oposição de Ribeiro da Silva com quem iria rivalizar neste período. Era um ídolo de uns e ódio de outros. Nessa edição de 1951, após ter vencido a prova, viu a sua bicicleta ser roubada por um jovem que depois tentou vendê-la e em 1955, Alves Barbosa foi mesmo agredido por adeptos na zona do Porto, isto depois de entender que já fora prejudicado na cronometragem de algumas etapas. Depois de em 1952 não ter participado na Volta por cumprimento do dever militar e em 1953 e 1954, a Volta não se ter realizado, o regresso à prova maior do ciclismo português não corria bem ao ciclista português. O que vale é que em 1956, o triunfo na classificação geral não lhe iria escapar, ganhando nove etapas, num ano em que se tornou o primeiro português a participar na Volta a França, conseguindo um brilhante décimo lugar na classificação geral do Tour e se sagrou campeão nacional na prova de fundo. No ano seguinte, Alves Barbosa não alcançaria os mesmos resultados. No Tour não está em boa forma e acaba fora de controlo numa das etapas e na Volta a Portugal é batido por Ribeiro da Silva que conseguiu vencer a prova portuguesa. Mas no ano seguinte, o natural da Figueira da Foz regressaria à ribalta, com a conquista da terceira Volta a Portugal e tal como da primeira vez, liderou a prova de início ao fim, não dando hipóteses aos seus adversários num ano em que o ciclismo português estava de luto devido ao falecimento de Ribeiro da Silva e António Baptista. Nesse ano de 1958, participou tanto na Volta a Espanha como na Volta a França. No ano de 1959, Alves Barbosa vence sete etapas na Volta a Portugal mas não chegam para triunfar na prova, ficando abaixo dos dez primeiros da geral. Em 1960, Alves Barbosa tem um ano um tanto quanto frustrante, isto porque apesar de um bom início de época, tem uma actuação discreta no que toca ao resultado final na Volta a França e na Volta a Portugal chega, inclusive, a abandonar a prova ao fim de oito etapas devido a uma bronquite. Nesse ano, venceu duas etapas na Volta a Marrocos como já tinha feito em 1958 na etapa inaugural dessa edição. No ano seguinte, 1961, Alves Barbosa conquistou uma etapa na Volta a Espanha e foi o melhor dos portugueses na Volta a Espanha desse mesmo ano. Foi o seu último ano de carreira, tendo começado posteriormente, a ser treinador na secção de ciclismo do Sport Lisboa e Benfica, depois de ter tirado o curso de treinador no estrangeiro. Posteriormente, foi coordenador nacional de todo o ciclismo nacional entre 1975 e 1978 e 1989 e 1992, formador de vários treinadores por intermédio da União Ciclista Internacional e foi comentador para vários órgãos de comunicação social sobre a temática ou provas de ciclismo. Ao longo da sua vida, Alves Barbosa teve duas condecorações, com a medalha de mérito desportivo atribuída em 1990 e a Medalha de Ouro da Juventude e dos Desportos francesa no ano de 2007.

130 Visualizações 2 Total
130 Visualizações

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo