Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  História do Brasil
  •  História de Angola
  •  História de Moçambique
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Akita Inu (Raça de Cão)

Apresentação do Akita Inu (Raça de Cão): Origem, aspeto físico, personalidade e cuidados especiais.

Apresentação do Akita Inu (Raça de Cão)

Akita Inu
País de origem Classificação FCI Utilização
Japão Grupo 5 – Spitz e cães do tipo primitivo

Secção 5 –Spitz asiáticos e raças semelhantes

Padrão nº255 – 13/03/2001

Cão de companhia

 

Características Gerais
Tamanho 61 – 70 cm
Peso 34 – 54 kg
Cores Vermelho-fulvo, sésamo (pelos vermelhos com pontas pretas), tigrado e branco. Todas as cores acima mencionadas, exceto a branca, devem apresentar o “urajiro” (1)
Esperança de vida 11 – 15 anos
Personalidade       Fiel, corajoso, dócil e calmo

Origem

O Akita Inu (Raça de cão) (também chamado Akita japonês ou simplesmente Akita) é uma raça originária da prefeitura de Akita, numa região montanhosa e fria da ilha de Honshū no Japão.Akita Inu

Akita Inu significa literalmente “cão de Akita”.

Pensa-se que os ancestrais dessa raça são Spitz primitivos cujos vestígios no Japão datam de 2.000 A.C. A sua origem propriamente dita remonta ao início do século XVII e consta que esse cão, então popularmente chamado Matagi Inu, era usado como cão de caça ao urso e outros animais grande porte (Matagi é o nome dado aos tradicionais caçadores de urso dessa região).

A partir de 1854, inicia a revolução industrial. A população das aldeias aumenta e com ela também aumenta a criminalidade. É nessa época que os Matagi Inu passam a ser usados como cães de guarda. Alguns começam a utilizá-los como cães de combate, cruzando-os com o Tosa  ou o Mastiff (Mastim Inglês) para aumentar as suas capacidades de luta. O resultado foi uma perda gradual das características próprias do tipo Spitz.

No início dos anos 1900, um devastador surto de raiva quase leva esta raça à extinção e as lutas de cães passam então a ser proibidas.

Em 1929, regras estritas são estabelecidas no sentido de preservar as raças puras japonesas, proibindo-se os cruzamentos com outras raças. Os Matagi Inu ainda sobreviventes são então usados no processo de restauração da raça original. Em 1931, passa a ser oficialmente chamada Akita Inu, sendo declarada Tesouro Nacional (Monumento Natural do Japão). A partir desse momento, torna-se extremamente popular.

Esse crescente interesse pelo Akita aumenta com a publicação em 1932 de um artigo que reportava a história da lealdade de Hachikō, um Akita nascido em 1923 que, todos os dias, acompanhava o seu dono, o professor universitário Hidesaburō Ueno, até à estação de comboios de Shibuya (Tóquio) e aguardava o seu regresso no mesmo local. Numa tarde de Maio de 1925, o professor não regressou, pois tinha falecido após ter sofrido um AVC na Universidade. Naquele dia, Hachikō esperou-o em vão e acabou por ser levado para casa de familiares e amigos, mas regressava persistentemente à casa onde viveu com o professor e todos os dias, por volta da mesma hora, voltava à estação onde retomava a sua espera.

A lealdade e devoção de Hachikō torno-o num herói nacional. Em 1934, uma estátua de bronze foi erguida na estação de Shibuya em homenagem ao fiel Akita. Hachikō morreu no ano seguinte, a 8 de Março, após uma longa espera de quase 10 anos. Desde então, é relembrado como símbolo de lealdade, inteligência e confiança.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a raça passou novamente perto da extinção, uma vez que os cães, exceto Pastor-alemão, eram requisitados pela sua carne e pele. Com o objetivo de proteger as ninhadas, alguns Akita foram cruzados com Pastores Alemães. No final da guerra, soldados norte-americanos levaram alguns exemplares para os EUA, onde a raça divergiu e deu origem ao Akita Americano. Contemporaneamente, os criadores japoneses esforçaram-se para eliminar as características estrangeiras conseguindo regenerar a raça pura do Akita Inu que conhecemos hoje em dia.

A raça foi reconhecida pela FCI em 1964.

Aspeto físico

Os cães de raça Akita Inu são cães de porte grande bem proporcionados, robustos e musculosos. Possuem uma cabeça triangular maciça e olhos pequenos, quase triangulares, de cor castanho escuro. O stop é marcado, o focinho não muito longo e forte, e o nariz largo e preto. Possuem uma dentição forte, articulada em tesoura.

As orelhas são pequenas, eretas e inclinadas para a frente. Apresentam uma forma triangular, levemente arredonda na ponta.   

A cauda possui uma inserção alta. É densa e sempre enrolada sobre o dorso.

A pelagem é dura e reta. O subpelo é leve e denso. Possuem pelos mais longos no garrote, na garupa e ainda mais longos na cauda. Quanto à cor, o pelo pode ser vermelho-fulvo, sésamo (isto é vermelho com pontas pretas), tigrado ou branco. Todos os Akita Inu, exceto os de  cor branca, devem apresentar o “urajiro” (pelagem esbranquiçada nas laterais do focinho, nas bochechas, sob o queixo, pescoço e ventre, na face inferior da cauda e face interna do membros)(1).

Personalidade

O Akita Inu é muito fiel e carinhoso com os seus familiares humanos. Destemido e calmo, é desconfiado com estranhos e dominador, pelo que pode ser agressivo com outros animais. A caça está nos seus genes, qualquer pequeno animal (gato, coelho, galinha, etc.) poderá ser visto por ele como uma presa. No entanto, uma boa convivência é perfeitamente possível se tiver sido habituado desde pequeno à presença de outro animal. Deve ser vigiado quando em presença de crianças e estas devem ser ensinadas a respeitá-lo e a ser respeitadas.

É um cão inteligente, dócil mas por vezes também teimoso. Como tal, deve ser treinado de forma  firme e consistente mas sem brutalidade e com muita paciência.   

Vocaliza com vários sons divertidos mas não ladra muito.

É uma raça muito energética, não sendo por isso adequada para uma vida em apartamento a não ser que possa descarregar a sua energia ao longo do dia. Gosta do frio e de brincar na neve.

Cuidados especiais

Os Akita perdem alguns pelos ao longo de todo o ano, devem por isso ser escovados diariamente. Duas vezes no ano, a queda de pelo é mais acentuada.

Estão sujeitos a desenvolver problemas de visão, pelo que os seus olhos devem ser vigiados.

87 Visualizações 2 Total

References:

  • Bouyet, B. (1992). Akita, treasure of Japan. Montecito, California.: MIP Pub.
  • Chrystyn, J. (2009). Hachiko. Beverly Hills, CA: Dove Books.
  • Fédération Cynologique Internationale (2017). AKITA. [online] Available at: http://www.fci.be/en/nomenclature/AKITA-255.html [Accessed 15 Dec. 2017].
  • The Kennel Club’s illustrated breed standards. (2011). London: Ebury
87 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo