População

Uma população é constituída por um conjunto de indivíduos pertencentes à mesma espécie que habitam a mesma zona, se relacionam entre si e se reproduzem. As populações são caracterizadas por uma determinada estrutura, organização e dinâmica que permite a utilização dos recursos ecológicos existentes para a sua sobrevivência e perpetuação da espécie.

 

Densidade populacional

A densidade populacional é o número de indivíduos existentes por unidade de superfície ou de volume de habitat. Para populações de baixa densidade é maior o perigo da população não sobreviver caso haja alguma alteração ambiental, ou perante a introdução de um agente patogénico, por exemplo. Uma densidade demasiado alta aumenta a tensão de competição intra-específica, já que, um maior número de indivíduos utiliza os mesmos recursos disponíveis, o que leva a um decréscimo da taxa de natalidade e aumento da taxa de mortalidade.

 

Movimentos de dispersão

A capacidade de se reproduzir e de se dispersar pelo território são factores determinantes para a viabilidade de uma população. O tipo de dispersão é característica de cada grupo de organismos e relaciona-se com a sua forma de locomoção, com a estratégia de reprodução, e com a existência ou não de barreiras geográficas naturais à dispersão (montanhas, cursos de água, etc.).

Existem alguns movimentos de dispersão naturais nas populações selvagens. A emigração é o movimento dos indivíduos de uma população para fora da área em que habitam, com vista ao estabelecimento da população noutra região. A imigração é a chegada de novos indivíduos provenientes de outros territórios a uma população já estabelecida. Este tipo de movimento é extremamente importante na colonização de ilhas. A migração é caracterizada por movimentos cíclicos sazonais de partida e regresso de indivíduos de algumas populações. Muitas aves migram durante as estações frias para determinadas regiões do globo que são mais quentes e, quando chega a Primavera, regressam aos seus locais de origem para se reproduzir. A rota de migração mais longa que se conhece (cerca de 70 mil quilómetros) é a da gaivina do Ártico (Sterna paradisaea), que migra entre o Pólo Norte, o local de nidificação, e o Pólo Sul.

 

Distribuição geográfica das populações

A distribuição geográfica de uma população é o resultado de duas forças antagónicas – a tendência que os indivíduos têm de se agregar e a tendência de se separarem e colonizarem novos locais disponíveis. As populações podem estar distribuídas ao acaso ou de maneira mais ou menos regular, explorando uniformemente os recursos disponíveis. Podem também existir distribuições de poucos indivíduos ou de pequenos grupos isolados. Algumas populações podem ser de reduzidas dimensões, como as de grandes mamíferos, até grupos enormes, como as populações de invertebrados.

 

 

Referências bibliográficas

Lévêque, C. (2001). Ecologia: do ecossistema à biosfera. Instituto Piaget, Colecção Perspectivas Ecológicas, nº 36.

853 Visualizações 1 Total
853 Visualizações

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo