Nucleossoma

Conceito de Nucleossoma

O termo nucleossoma diz respeito à unidade estrutural fundamental da cromatina, na célula eucariota. É este complexo proteico que dá à cromatina o aspeto de ‘colar de contas’.

Núcleo e Cromatina

A célula armazena toda a informação necessária para o seu crescimento, metabolismo e divisão no núcleo, na forma de DNA. No entanto, se a molécula de DNA estivesse num estado relaxado e ‘esticado’, o núcleo não seria suficientemente grande para acomodar os 2m de DNA existentes em cada célula. De modo a solucionar este problema de espaço, a célula tornou possível o empacotamento do DNA através da formação da cromatina. A cromatina é caraterizada pela existência de complexos proteicos (histonas e outras proteínas) ao redor dos quais o DNA se enrola, o que ao microscópio é observado como um ‘colar de contas’. Com esta compactação o DNA fica com um terço do seu tamanho inicial.

Características do Nucleossoma

O nucleossoma foi descoberto em 1974 após digestão da cromatina com nucleases, que ‘cortaram’ o DNA entre nucleossomas.

Cada nucleossoma consiste num complexo com cerca de 10nm, formado por 8 histonas (duas moléculas das histonas H2A, H2B, H3 e H4) e 146 nucleótidos da molécula de DNA. As histonas formam um complexo proteico – octâmero de histonas – que se situa no centro e à volta do qual se enrolam os 146 nucleótidos do DNA. Os nucleossomas estão separados por uma pequena sequência de DNA que vai no máximo até aos 80 nucleótidos.

A formação do octâmero de histonas é feita, inicialmente, pela formação de tetrâmeros H2A-H2B e H3-H4. Posteriormente, os dois tetrâmeros associam-se e formam o octâmero. O DNA liga-se ao octâmero de histonas através de ligações de hidrogénio, interações hidrofóbicas e interações eletrostáticas. Esta ligação entre o DNA e o octâmero de histona é facilitado/dificultado pela presença de proteínas específicas.

Figura 1 - Imagem esquemática da estrutura tridimensinal de um nucleossoma. As histonas estão presentes em dímeros; os dímeros H2A e H2B formam um tetrâmero; os dímeros H3 e H4 formam outro tetrâmero; por sua vez, os dois tetrâmero juntam-se e formam o octâmero de histonas. À direita da imagem, observa-se o octâmero de histonas numa localização central, com o DNA enrolado à sua volta.

Figura 1 – Imagem esquemática da estrutura tridimensinal de um nucleossoma. As histonas estão presentes em dímeros; os dímeros H2A e H2B formam um tetrâmero; os dímeros H3 e H4 formam outro tetrâmero; por sua vez, os dois tetrâmero juntam-se e formam o octâmero de histonas. À direita da imagem, observa-se o octâmero de histonas numa localização central, com o DNA enrolado à sua volta.

485 Visualizações 4 Total

References:

Alberts B., Johnson A., Lewis J., Raff M., Keith R., Walter P. (2007). Molecular Biology of the Cell (5th edition). Garland Science, New York.

Berg J.M., Tymoczko J.L., Stryer L. (2002). Biochemistry (5th edition). W. H. Freeman, New York.

Brown T.A. (2002). Genomes (2nd edition). Wiley-Liss, Oxford.

Cooper G.M. (2000). The Cell: A Molecular Approach (2th edition). Sinauer Associates, Sunderland (MA).

Griffiths A.J.F., Miller J.H., Lewontin R.C., Gelbart W.M. (1999). Modern Genetic Analysis (2nd edition). W. H. Freeman, New York.

Griffiths A.J.F., Miller J.H., Suzuki D.T., Lewontin R.C., Gelbart W.M. (2000). An Introduction to Genetic Analysis (7th edition). W. H. Freeman, New York.

Lodish H., Berk A., Zipursky S.L., Matsudaira P., Baltimore D., Darnell J. (2000). Molecular Cell Biology (4th edition). W. H. Freeman, New York.

485 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo

Flag Counter