Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Botânica

Define-se como a ciência que se dedica ao estudo da morfologia e da fisiologia das espécies vegetais. A palavra botânica…

Define-se como a ciência que se dedica ao estudo da morfologia e da fisiologia das espécies vegetais. A palavra botânica, que etimologicamente deriva do grego (botaniké) significa a ciência “que trata das plantas”. A sua grande importância resulta do facto de os vegetais serem os únicos organismos vivos capazes de elaborar o seu próprio alimento, que por sua vez são indispensáveis na alimentação dos animais. Usualmente, a Botânica é dividida em duas grandes áreas: a Botânica pura/teórica e a Botânica aplicada. No entanto, a teoria e a prática relacionam-se intimamente, uma vez que é imprescindível um conhecimento teórico profundo da botânica para conseguir extrair um rendimento prático das plantas. Assim, define-se a Botânica pura/teórica como a área da botânica que estuda as espécies vegetais com finalidade puramente científica, sem preocupação com as suas possíveis aplicações práticas.

As principais divisões da Botânica pura/teórica são as seguintes:

  • Anatomia vegetal, que dá informações sobre a estrutura interna das plantas;
  • Bioquímica botânica, que estuda os compostos químicos presentes nos vegetais, a sua utilização por estes e o seu valor para o homem;
  • Citologia vegetal, que analisa os fenómenos vitais da célula vegetal;
  • Ecologia, interessada no conhecimento das relações recíprocas entre a planta e o seu meio;
  • Fisiologia vegetal, que investiga o funcionamento dos órgãos das plantas, o seu metabolismo, crescimento e reprodução;
  • Fitogeografia, que estuda a sua distribuição;
  • Fitopatologia, que estuda as doenças das plantas, os seus agentes causadores e o modo de as combater.
  • Fitotaxia, que identifica, descreve e classifica as plantas;
  • Genética, interessada na fenomenologia da hereditariedade e dos métodos de hibridação;
  • Morfologia vegetal, que estuda a estrutura externa das plantas e formula critérios para elaborar sistemas de classificação;

Paleobotânica, que investiga a história geológica do reino vegetal;

A Botânica aplicada estuda as relações entre as espécies vegetais e a vida humana e as aplicações práticas dos resultados desse estudo. As suas principais divisões são:

  • Agronomia, que regula praticamente os trabalhos do campo para obter melhores rendimentos;
  • Botânica económica, dedicada ao estudo das plantas do ponto de vista utilitário;
  • Botânica médica ou farmacêutica, que estuda as propriedades medicinais dos vegetais;
  • Dasonomia, que estabelece normas para a conservação das florestas e dos terrenos por elas ocupados;
  • Floricultura, que estuda as plantas cultivadas com fins decorativos;
  • Silvicultura, que se ocupa das florestas, do tratamento e utilização das mesmas, do repovoamento de terras não florestadas e do aproveitamento da madeira e seus derivados;

Evolução da Botânica ao longo da História

Pensa-se que o interesse pelas plantas deve ter surgido com caracter utilitário, uma vez que o homem depende delas para obter alimento, madeira, fibras têxteis, remédios e drogas, substâncias aromáticas e corantes. Entre os antigos gregos sublinha-se Teofrasto (372 a.C. – 287 a.C.) que classificou as plantas segundo a sua morfologia e fez distinção entre árvores, arbustos, plantas e ervas. Outros como Plínio (23 – 79), o Velho, e Dioscórides (40 – 90) foram compiladores importantes e tiveram uma grande influência na Idade Média. Para além destes, as viagens exploratórias ou de conquista permitiram também um grande desenvolvimento da Botânica. A partir destas viagens e resolvido o problema de aclimatização das espécies, começaram a multiplicar-se os jardins botânicos pela Europa (século XVI). Também começaram a surgir os herbários, de enorme interesse documental e científico. Existem várias plantas cujo nome lembra o de algum botânico importante na época, como Andrea Cesalpino (1519 – 1603), Charles l’Écluse (1526 – 1609), Nicolás Monardes (1493 – 1588) e os exploradores Pierre Belon (1517 – 1564) e Leonhard Rauwolf (1535 – 1596). A partir do século XVII o problema-chave a solucionar é o da classificação ou sistemática, a par das noções de espécie, género e família. Para a resolução deste problema destacaram-se nomes como irmãos Bauhin, John Ray (1627 – 1705) e Augustus Rivinus (1652 – 1723), defensor da nomenclatura binária, por género e espécie, muito antes de Lineu e Joseph Tournefort (1656-1708). No entanto, é só no século XVIII, e por Karl von Linné ou Lineu (1707 – 1778), que é fixada definitivamente a taxionomia binária. Até aos dias de hoje descreveram-se mais de 350000 espécies vegetais. No entanto, atualmente considera-se que a nomenclatura clássica é insuficiente, estando em discussão outras formas de a substituir ou de a melhorar.

Outras personalidades que contribuíram para o desenvolvimento da Botânica:

  • Leonhart Fuchs (1501 – 1566)
  • Valerius Cordus (1515 – 1544)
  • Conrad Gesner (1516 – 1565)
  • Joachim Jungius (1587 – 1657)
  • Robert Hooke (1635 – 1703)
  • Aintoine Jussieu (1748 – 1836)
  • Augustin de Candolle (1778 – 1841)
  • Lorenz Oken (1779 – 1851)
  • Richard Spruce (1817 – 1893)
2624 Visualizações 1 Total
2624 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.