Bioma

Conceito de Bioma , palavra de origem grega que significa grupo de vida, trata-se por tanto de um conjunto de seres vivos, que se distribuem consoante o clima que encontram (…)

Conceito de Bioma

Imagem (4)

Bioma é uma palavra de origem grega que significa grupo de vida, trata-se por tanto de um conjunto de seres vivos, que possuem caraterísticas específicas para habitarem um determinado local com caraterísticas especificas de clima, solo e geografia. Estes são constituídos por diversos ecossistemas, isto é, comunidades bióticas que se encontram em equilíbrio com o meio em que se encontram. A estes locais estão associados uma fauna e uma flora específica que se encontrar adaptada aos fatores abióticos presentes naquela área geográfica e é reconhecível a nível regional.

O termo foi usado pela primeira vez por Frederic Edward Clements, para descrever o espaço geográfico com caraterísticas específicas definidas pela altitude, pelo clima, pelo relevo e pelo solo entre outros fatores. No entanto, a definição tem vindo a ser alterada e adaptada consoante o autor que a usa, pois é uma definição que abrange diversas áreas.

Muitos cientistas têm vindo a debruçar-se sobre este assunto, existindo por isso diversas classificações diferentes com base em características diferentes. Por exemplo Whittaker criou uma divisão de biomas simplificada, com base na precipitação e na temperatura existentes no local. Já Heinrich Walter analisou a sazonalidade da temperatura e precipitação, determinando assim 9 biomas diferentes com características climáticas e de vegetação específicas. Muitos outros investigadores criaram as suas próprias divisões sendo a mais recente por parte do WWF (World Wide Found for Nature) que determinou 14 biomas diferentes.

A biodiversidade a nível global aumenta a partir dos polos, que são regiões com muito poucas espécies, para o equador onde podemos encontrar uma enorme quantidade de espécies, muitas delas ainda por descobrir e identificar. Este aumento de diversidade deve-se à existência de um clima e humidade que variam da mesma forma, isto é, nos polos temos climas muito frios e pouca humidade o que não favorece a existência de vida, já no equador os climas quentes e húmidos proporcionam condições que favorecem a existência de vida.

Um bioma é definido não só pelas suas características climáticas mas também pela vegetação predominante na região. Alguns exemplos dos biomas que podem ser encontrados na biosfera são:

  1. Deserto

Região árida, com elevadas temperaturas durante o dia e baixas temperaturas à noite. A precipitação é bastante baixa pois trata-se de uma área de altas pressões o que cria uma grande variação de temperatura, baixa humidade e baixa taxa de precipitação anual. Estas caraterísticas são típicas dos desertos quentes. No entanto, nos desertos frios as temperaturas são extremamente frias. A vegetação é praticamente inexistente, por um lado temos espécies com raízes muito curtas que se desenvolvem muito rapidamente aproveitando os períodos de chuva. Por outro lado temos espécies com raízes profundas que apresentam um desenvolvimento muito lento, as suculentas. As suculentas absorvem o máximo de água possível durante os períodos de chuva para conseguirem sobreviver durante o resto do tempo, além de controlarem a perda de água através de adaptações, como as folhas em forma de picos e o fecho dos seus estomas. A fauna é muito escassa e tendencialmente nómada pois necessitam de se deslocar para obter água. Algumas espécies podem obter a água do seu alimento como é o caso de alguns roedores. A maioria da fauna do deserto é notívaga devido às condições climáticas presentes neste ambiente, permanecendo enterrada ou em tocas durante o dia. O deserto do Sahara é um exemplo deste bioma.

  1. Tundra

Este bioma é caraterístico do Círculo Polar Ártico, possui apenas duas estações; invernos longos e frios com noites muito longas ou verões curtos com temperaturas amenas que rondam os 10⁰C. A precipitação é muito escassa e concentrada no verão o que dificulta a existência de vida. O subsolo encontra-se constantemente congelado o que torna o solo pouco profundo, este fica congelado grande parte do ano, no verão apenas a parte superior fica descongelada e encontra-se encharcada devido à precipitação. A vegetação consiste em musgos, gramíneas e líquenes que crescem muito próximos uns dos outros. A maioria da fauna presente surge durante o verão e parte no início do inverno, as espécies que permanecem possuem caraterísticas que lhes permitem camuflar ou hibernar durante os meses mais frios.

  1. Taiga

Floresta de coníferas (floresta boreal) encontra-se abaixo do Círculo Polar Ártico, até cerca dos 60º de latitude. A área apresenta duas estações definidas sendo que o inverno é maior do que o verão. O inverno é muito frio congelando o solo que acaba por descongelar durante o verão, com exceção de determinadas zonas. A vegetação predominante são as árvores de coníferas como os Pinus (pinheiros), os Abies (abetos) entre outras espécies que possuem adaptações contra a falta de água e o frio, como as folhas em forma de agulha. Nestas áreas é comum encontrar florestas de uma única espécie, não sendo caraterístico o crescimento de outras espécies arbustivas ou herbáceas, em estratos inferiores, devido à decomposição das folhas destas árvores. A fauna deste bioma carateriza-se por uma grande variedade de herbívoros e carnívoros, podendo ser ainda encontradas diversas espécies de aves. Um exemplo deste bioma é a Floresta Negra na Alemanha.

  1. Savana

Localizada em zonas muito quentes do globo, possui precipitação irregular, uma vez que podem ocorrer períodos de grande seca com incêndios e períodos curtos de precipitação intensa. Os incêndios são de grande importância pois permitem a renovação da vegetação. A vegetação presente é herbácea com alguns arbustos e árvores de pequeno porte espaçados. Pode existir uma predominância de uma única espécie de herbáceas formando grandes planícies, de forma espaçada é também possível encontrar algumas espécies arbóreas e arbustivas. A fauna predominante são herbívoros de grande porte e carnívoros, os insetos são também bastante abundantes assim como os répteis. A fauna é caraterizada por períodos de migração, nos quais buscam alimentos, particularmente na estação seca.

  1. Estepe

Localizado na zona temperada do planeta, apresenta clima extremo com verões muito quentes e invernos muito frios, a precipitação é pouco comum. A cobertura do solo carateriza-se pela existência de herbáceas de pequeno porte assim como pequenos bosques, se as herbáceas forem altas denomina-se por pradarias. A fauna carateriza-se por mamíferos de pequeno porte que se organizam em colonias, assim como os seus predadores. Estas áreas são muito modificadas pelo ser humano, pois ocorrem criação de gado nestes locais.

  1. Floresta tropicais

Desenvolve-se em zonas com baixa latitude, perto do equador, entre os trópicos. Este bioma abriga uma enorme variedade de espécies tanto em termos de fauna como de flora. A grande produtividade deve-se a uma elevada taxa de radiação solar assim como uma grande percentagem de precipitação anual, não existindo estações definidas. A vegetação é estratificada verticalmente tendo árvores que podem atingir os 46 metros. As árvores possuem folhas largas e sempre verdes para captar a radiação do sol, devido à densidade do estrato superior. Os estratos inferiores são menos densos, uma vez que são constituídos por espécies arbustivas e herbáceas. A luta pela obtenção da luz solar fez com que as espécies vegetais desenvolvessem estratégias mais incomuns para conseguirem obter luz solar, como crescerem de forma epífita nas árvores ou treparem pelas árvores até obterem luz. Por se tratar de um solo com grande riqueza em detritos, estes são ricos em microrganismos que decompõem os restos vegetais e animais que ai se encontram. Um exemplo deste bioma é a Floresta Amazónica.

  1. Floresta temperada

Bioma caraterístico de zonas entre os polos e os trópicos é possível identificar as quatro estações, com temperaturas médias amenas e precipitação distribuída de forma uniforme. Dominadas por árvores de folha caducifólia, isto é, árvores que perdem a folha e ficam dormentes durante os meses mais frios. Solos com bastante matéria orgânica e uma cobertura de herbáceas rasteiras (ervas). A fauna existente migra durante os meses mais frios ou possui adaptações que lhes permite sobreviver a temperaturas baixas, como por exemplo hibernar ou armazenar alimentos.

  1. Biomas aquáticos

Estes biomas dividem-se em ambientes de água doce e ambientes de água salgada. Tal como os biomas terrestres, estes biomas são ricos em biodiversidade, constituindo a maior parte dos biomas existentes no planeta. A temperatura, a luz solar e a salinidade são fatores de extrema importância para a existência de vida nas massas de água. Ambientes mais frios são menos biodiversos do que ambientes mais quentes, já ambientes mais luminosos possuem uma maior biodiversidade tanto em termos de fauna como de flora. Um exemplo destes biomas é a Grande barreira de Coral na Austrália, muito apreciada pelos turistas que praticam mergulho.

Apesar das divisões existentes, o bioma não é algo estático podendo muitas vezes coexistirem caraterísticas de dois biomas num mesmo espaço, uma vez que os seres vivos não respeitam fronteiras, o que torna a sua classificação bastante difícil.

Muitos destes biomas encontram-se protegidos por leis, sejam estas locais ou internacionais, uma vez que são de grande importância para o equilíbrio do planeta, não só porque abrigam milhões de seres vivos mas também porque são responsáveis por manter os ciclos biogeoquímicos que regulam a vida na Terra e sem os quais não seria possível viver.

1433 Visualizações 1 Total
1433 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo