Ácido hialurónico

O ácido hialurónico (HA) é um biopolímero linear composto por múltiplas unidades dissacáridas repetidas. O dissacárido que se repete na cadeia do ácido hialurónico é constituído por dois açúcares simples: o ácido D-glucurónico (GlcUA) e a N-acetilglucosamina (GlcNAc). Estes açúcares estão associados entre si por ligações glicosídicas de β-1,3 e β-1,4 alternadamente.

O ácido hialurónico é um dos componentes principais do tecido conjuntivo encontrado na pele, cartilagem, articulações, no humor vítreo dos olhos e no cordão umbilical.

A sua principal função nas articulações é lubrificá-las e na pele serve como um componente estrutural da derme que preenche os espaços entre o colagénio e as fibras de elastina, distribuindo nutrientes, hidratando a pele pela retenção de moléculas de água e atuando como um agente de amortecimento. Outras funções biológicas do ácido hialurónico incluem a manutenção da elastoviscosidade dos tecidos conjuntivos líquidos, tais como o líquido sinovial nas articulações e o fluido vítreo no olho, o controlo da hidratação de tecidos e a polimerização supramolecular de proteoglicanos na matriz extracelular.

História

O ácido hialurónico foi isolado pela primeira vez em 1934 por Karl Meyer e pelo seu colega John Palmer a partir do corpo vítreo dos olhos de vaca. Eles descobriram que a substância continha dois tipos de moléculas de açúcar, um dos quais era o ácido urónico. Assim, propuseram o nome “ácido hialurónico” derivado de ácido urónico e da palavra grega para vidro, hyalos. A estrutura química do ácido hialurónico só foi finalmente resolvida por Karl Mayer e os seus associados na década de 1950. Ele foi isolado pela primeira vez como um ácido, mas sob condições fisiológicas, comporta como um sal (hialuronato de sódio).

A primeira aplicação médica do ácido hialurónico para seres humanos era como um substituto do vítreo durante a cirurgia ocular no final da década de 1950. O ácido hialurónico utilizado foi inicialmente isolado a partir de cordão umbilical humano, e pouco tempo depois a partir da crista de galos de uma forma altamente purificada e de elevado peso molecular.

Biossíntese

A síntese celular do ácido hialurónico ocorre na face interna da membrana plasmática por uma classe de proteínas integrais chamadas hialurano sintetases (HAS). Estas enzimas são glicosiltransferases que coordenadamente polimerizam e translocam o ácido hialurónico para a matriz extracelular. As hialurano sintetases sintetizam polímeros lineares da estrutura dissacárida repetida pela adição alternada de ácido glucurónico e N-acetilglucosamina à cadeia crescente de ácido hialuránico usando como substratos os açúcares activados por.nucleótidos,UDP-ácido glucurónico e UDP-N-acetilglucosamina, respectivamente.

 

Degradação

Nos mamíferos, a degradação enzimática do ácido hialurónico resulta da acção de três enzimas:

a) hialuronidases;

b) β-d-glucuronidases;

c) β-N-acetil-hexosaminidases.

Estas enzimas são encontradas intracelularmente ou no soro. As hialuronidases clivam ácido hialurónico de alto peso molecular em pequenos oligossacáridos enquanto que as β-d-glucuronidases e as β-N-acetil-hexosaminidases degradam os fragmentos de oligossacáridos pela remoção de açúcares terminais não redutores.

Os produtos da degradação do ácido hialurónico, oligossacáridos e hialurano de muito baixo peso molecular apresentam propriedades pró-angiogénicos.

Por catalisar a hidrólise do ácido hialurónico, um dos principais constituintes da barreira intersticial, as hialuronidases reduzem a viscosidade do ácido hialurónico, aumentando assim a permeabilidade do tecido. São, por conseguinte, utilizadas na medicina, em conjunção com outros medicamentos, a fim de acelerar a sua dispersão e distribuição.

 

Aplicações

Dada a natureza hidratante do ácido hialurónico, é usado amiúde em produtos para o cuidado da pele. De fato, o ácido hialurónico é uma das moléculas mais hidrofílicas na natureza, isto é, uma das moléculas com maior afinidade para se ligar à água.

A natureza viscoelástica única do ácido hialurónico aliada à sua biocompatibilidade e à sua não imunogenicidade também levou à sua utilização em várias aplicações clínicas, incluindo a suplementação de fluido das articulações na artrite, como na cirurgia aos olhos, e no auxílio da cicatrização e da regeneração de feridas cirúrgicas.

608 Visualizações 1 Total

References:

  • Barbucci, R., Lamponi, S., Borzacchiello, A., Ambrosio, L., Fini, M., Torricelli, P., Giardino, R. (2002): Hyaluronic acid hydrogel in the treatment of osteoarthritis. Biomaterials, 23: 4503–4513.
  • Lee, J.Y., Spicer, A.P (2000). Hyaluronan: a multifunctional, megaDalton, stealth molecule. Current Opinion in Cell Biology, 12: 581–586.
  • Liu, L., Liu, Y., Li J., Du G., Chen, J. (2011).Microbial production of hyaluronic acid: current state, challenges, and perspectives. Microbial Cell Factories, 10 (99).
  • Necas, J., Bartosikova, L., Brauner, P., Kolar, J. (2008). Hyaluronic acid (hyaluronan): a review. Veterinarni Medicina, 53 (8): 397–411.
608 Visualizações

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo