Resiliência no adolescente

A resiliência no adolescente está associada à capacidade de adaptação e de ultrapassar desafios ao longo da vida e mediante os contextos.

A resiliência no adolescente está associada à capacidade de adaptação e de ultrapassar desafios ao longo da vida e mediante os contextos.

De acordo com os dados da literatura que contemplam a resiliência no âmbito da adolescência, alguns autores afirmam que as duas vertentes dizem respeito aos recursos sociais e intrapsíquicos que o indivíduo, nesta fase de desenvolvimento, usam, principalmente em ambientes adversos onde é necessário enfrentar grandes desafios e adversidades (Haack, Vasconcellos, Pinheiro, & Prati, 2012).

Para alguns autores a resiliência diz respeito a “(…) um conjunto de processos intrapsíquicos e sociais que favorecem um desenvolvimento sadio, mesmo que o indivíduo esteja inserido num ambiente desadaptativo” (Rutter, 1987, cit in Haack, Vasconcellos, Pinheiro, & Prati, 2012).

No entanto, não podemos deixar de fazer a observação de que a resiliência no adolescente também se encontra fortemente relacionada com a inteligência dos mesmos e as suas habilidades para a resolução de problemas, a sua autoestima, a sua autoimagem positiva, etc (Vinaccia, Quiceno, & San Pedro, 2007).

Na maioria dos casos, na adolescência, encontramos cenários em que é necessária a capacidade resiliência, onde existe violência, agressividade, catástrofes, baixo nível sócio-económico (NSE), problemas familiares, e até mesmo, em casos mais extremos, terrorismo (Haack, Vasconcellos, Pinheiro, & Prati, 2012).

A resiliência no adolescente observa-se quando o jovem consegue, apesar das circunstancias, desenvolver capacidades como estabilidade emocional, afetividade, boa autoestima, tolerância mesmo perante o sofrimento, capacidade de apoio e suporte, etc (Haack, Vasconcellos, Pinheiro, & Prati, 2012).

Situações adversas destas dizem respeito a adolescentes que vivem em famílias em situação de pobreza, agressividade, violência, abuso, etc (Vinaccia, Quiceno, & San Pedro, 2007).

Conclusão

A resiliência no adolescente está fortemente ligada a fatores internos e externos. Os internos dizem respeito a sua autoestima, autoimagem, inteligência, emoção, etc. No que diz respeito a fatores externos diz respeito aos aspetos ambientais como a família, o contexto onde vive, o NSE, recursos sociais, entre outros. Todos estes fatores levam a que o adolescente tenha maior ou menos competência para enfrentar desafios e obstáculos que a vida coloca.

  • Haack, K.R., Vasconcellos, J.S.L, Pinheiro, S.D, & Prati, L. (2012). Resiliência em Adolescentes em Situação de Vulnerabilidade Social. Revista Institucional de Psicologia, 5 (2). Jul-dez 2012, 270-281;
  • Vinaccia, S, Quiceno, J.M, & San Pedro, E.M. (2007). Resiliência em adolescentes. REVISTA COLOMBIANA DE PSICOLOGIA Nº 16 2007. Disponível em https://revistas.unal.edu.co/index.php/psicologia/article/view/1011/1471.
38 Visualizações 1 Total
38 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.