Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

Psicopatologia no senescente

A psicopatologia no senescente trata-se da perda gradual de funções psíquicas de que o indivíduo vai começando a padecer, à medida que a idade avança.

psicopatologiasenescente

Psicopatologia no senescente

A psicopatologia no senescente trata-se da perda gradual de funções psíquicas de que o indivíduo vai começando a padecer, à medida que a idade avança.

Segundo Vargas (2004) o envelhecimento faz parte do desenvolvimento do indivíduo e caracteriza-se pela perda de capacidade para se adaptar aos diferentes contextos, bem como pela vulnerabilidade a que, gradualmente, o mesmo fica, no que concerne à saúde do seu organismo.

Para Soares (2005) a psicopatologia é inerente à condição humana, ao longo do envelhecimento, já que o ser humano é, naturalmente, imperfeito, o que o torna, por si só, um ser mortal.

Apesar de não ser fácil fazer uma correta avaliação da saúde mental do senescente devido às dificuldades de cooperação do mesmo para com a entrevista de avaliação psicológica, é certo que um dos grandes sinais de que começa a nascer um quadro de psicopatologia é a presença de senilidade (Vargas, 2004).

No entanto, sabemos que a psicopatologia se relaciona, também, com o início do desfasamento entre a resposta que o corpo consegue dar e o tempo, ou seja, as situações do dia a dia, continuam a manter-se, enquanto que o corpo já não consegue dar as mesmas respostas, trazendo cada vez mais dificuldade em adaptar as duas variáveis (Soares, 2005).

No campo da senilidade, Soares (2005) refere que a mesma é avaliada pelo geriatra.

Do ponto de vista da psicanálise verifica-se que a psicopatologia no senescente assenta ainda na capacidade associada às pulsões, que, habitualmente, passa por um processo semelhante ao da fase de desenvolvimento caracterizada na adolescência, principalmente a respeito do desencadear de neuroses e de melancolia.

Freud entendia que as dificuldades do idoso em adaptar-se a cada situação, estavam relacionadas com o hábito ou com a receptividade que fazia com que os mesmos quase que ficassem bloqueados nesse sentido, devido ao facto de seguir sempre mesmo padrão (Soares, 2005).

De acordo com Weschler, a base para podermos verificar a senilidade é comparação entre que o indivíduo ainda consegue fazer e aquilo que já não consegue (Vargas, 2004).

Segundo Vargas (2004) isto significa que o desenvolvimento de uma psicopatologia no senescente começa por uma diminuição, primeiro ténue, depois, cada vez mais profunda do desempenho de funções que o indivíduo, anteriormente, era perfeitamente capaz de exercer.

Para Soares (2005) a psicopatologia do senescente é, sobretudo, caracterizada por lesões ou disfunções químicas, analisadas por psiquiatras e neurologista. No que diz respeito à avaliação da perda gradual das funções superiores, ou seja, da memória, da inteligência e da imaginação, é realizada pelo psicólogo, tendo em conta a interação do senescente, através destas capacidades, com o meio ambiente onde está inserido (Soares, 2005).

Para fazer uma avaliação adequada no que concerne às capacidades ou à falta das mesmas, no indivíduo senescente, é necessário que se disponha de uma equipa multidisciplinar formada pelo geriatra, pelo psiquiatra, pelo psicólogo, pelo enfermeiro e pelo assistente social (Vargas, 2004). No entanto, é importante ter em mente que, mais do que a perda das capacidades anteriormente existentes, a equipa deve concentrar-se, prioritariamente, naquilo que o senescente ainda é capaz de fazer e apostar nessas mesmas competências (Vargas, 2004).

Desta forma, promove-se as coisas positivas relacionadas com as capacidades mentais, no sentido de as estimular, tendo em conta a noção de que o senescente tem em relação à sua condição enquanto indivíduo mais velho, bem como a sua capacidade para aceitar o meio envolvente (Vargas, 2004).

Em relação à intervenção realizada pela equipa multidisciplinar, existem duas situações a ter em conta, que se tornam paradoxais, isto é, por um lado há a preocupação em evitar o desgaste das funções funcionais que o idoso tem, por outro, é preciso ter em mente que as mesmas devem ser trabalhadas para que se desenvolvam de forma saudável (Vargas, 2004).

Alguns dos sinais de psicopatologia no senescente apresentam-se como:

  • Perda da memória a curto prazo
  • Recuo da memória a acontecimentos passados, de forma cada vez mais nítida
  • As memórias mais complexas são mais rapidamente afetadas
  • A perda de memória começa das mais abstratas para as mais concretas.

(Vargas, 2004).

Conclusão

A psicopatologia no senescente é, sobretudo, observada na comparação entre as capacidades psíquicas atuais e as que o indivíduo tinha até começarem os sintomas. Nesse sentido é importante que o mesmo seja avaliado por uma equipa multidisciplinar que se foque, essencialmente, nas competências ainda em atividade, mais do que nas incapacidades já apresentadas.

675 Visualizações 1 Total

References:

  • Soares, Flávia Maria de Paula. (2005). O conceito de velhice: da gerontologia à psicopatologia fundamental. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental. Vol III, nº1, março, 2005, pp.86-95. (Vargas, 2004);
  • Vargas, H.S. (2004). ASPECTOS PSICOLÓGICOS E PSICOPATOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO. Semina, 8(2): 203-207. uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/viewFile/…/5698.
675 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.