Gostaria de ser nosso colaborador?

É especialista em alguma das áreas de conhecimento presentes na nossa enciclopédia? Tem gosto pela escrita? Gostaria de ser editor numa enciclopédia em português, integralmente escrita por especialistas? Gostaria de partilhar conhecimento?

Se a sua resposta é sim, então envie-nos o seu CV para geral@knoow.net para que possamos analisar e enviar mais detalhes sobre a forma de colaboração.

 

Áreas para as quais procuramos especialistas:

  •  Biologia
  •  Economia
  •  História
  •  Medicina
  •  Medicina Veterinária
  •  Filosofia
  •  Sociologia
  •  Contabilidade
  •  Direito
  •  Mecânica
  •  Química
  •  Física
  •  Matemática

 

 

Psicologia e Educação

Psicologia Educacional, a importância do Psicólogo Escolar

psicologo-escolar

Pretendemos, com esta revisão da literatura, compreender a importância da Psicologia em contexto escolar, e em que medida ela influencia os alunos além dos portões da instituição de ensino. Queremos compreender qual é, afinal, o papel do psicólogo nas escolas, como pode integrar-se numa equipa multidisciplinar e a que níveis realiza a sua intervenção. Por fim, focamos a importância da psicologia ao nível do ensino superior, uma vez que nem sempre é bem compreendida no contexto académico.

Palavras-chave: psicologia; educação; família; escola

Segundo Cordeiro, Donaduzzi e Schlindewin (2008) e Almeida (2015) quando falamos de Educação no contexto escolar, referimo-nos, nomeadamente, à relação entre professores e alunos, que passa pela escolha dos temas a abordar em aula, o método de trabalho e o facto de que tanto o método como a aprendizagem dependem de vários factores sociais, históricos e culturais e familiares que não apenas o contexto de aula.

Como tal, Cunha (1998) considera importante a formação dos professores que constroem relações de ensino e aprendizagem com os seus alunos.

É por isso que cada realidade pedagógica deve ser exercida tendo em conta o seu próprio contexto sócio educacional, tanto dos professores como dos alunos (Cordeiro, Donaduzzi, & Schlindewin, 2008).

Habitualmente os alunos são caracterizados de acordo com a sua performance, sendo unânime a ideia de que o “bom aluno” é o inteligente, empenhado, rápido, com apoio por parte dos familiares, ao contrário do aluno com dificuldades que é visto como dependente, com dificuldades comunicacionais, motoras e que se isola (Cordeiro, Donaduzzi, & Schlindewin, 2008).

Uma das características mais marcantes nas diferenças entre os alunos, é, para Aragão (2015), a relação entre a escola e a família, e é aqui que entra o Psicólogo Educacional, como promotor da mesma, mostrando a importância desta parceria para a Educação dos filhos e educandos. Frequentemente verificamos a ausência desta relação, na medida em que a família delega o acto de Educar para a escola, que se manifesta em repercussões ao nível social, para o aluno (Aragão 2015).

Parece unânime que um dos maiores desafios da Psicologia Educacional é conseguir responder a todas as necessidades das crianças, incluindo as que são sinalizadas com Necessidades Educativas Especiais (NEE) no sentido de promover a Escola Inclusiva que trabalha para o sucesso dos seus alunos (Dazzani, 2010).

A intervenção do Psicólogo Escolar, inicialmente, focava-se nos problemas de aprendizagem dos alunos que se traduziam em insucesso escolar e, consequentemente, em comportamentos inadequados (Almeida, 2007). No entanto, Cunha (1998) fala-nos da Psicologia como auxiliadora na arte da Educação, procurando compreender os processos de aquisição do conhecimento.

Almeida (2007) considera que a Psicologia no ramo Educacional parece influenciar os processos de aprendizagem e ensino tendo em conta o processo de desenvolvimento inerente ao ser humano, que também contribui para o processo de aprendizagem.

Uma das necessidades do Psicólogo Escolar é familiarizar-se e actualizar-se quanto aos processos de avaliação e ter a capacidade de entender o processo de intervenção de acordo com a história escolar de cada aluno, envolvendo-se nas atividades pedagógicas, prevenindo assim riscos de fracasso e desenvolvendo as suas competências, junto de uma equipa multidisciplinar composta pela família, a escola e a comunidade (Dazzani, 2010).

A intervenção deve ser assertiva, com conhecimento de campo das necessidades existentes, no sentido de verificar que meios de intervenção tem à sua disposição para poder trabalhar e que tipo de dinâmicas precisa de exercer uma vez que cada escola tem realidades diferente (Aragão, 2015).

O trabalho do Psicólogo passa então por diferentes objetivos:

  • Entender o aluno como um indivíduo que se insere num contexto e articular essas duas vertentes para poder intervir;
  • Entender as dificuldades do aluno inserido no contexto escolar, familiar e social e não apenas de forma intrínseca;
  • Estas dificuldades escolares devem ser compreendidas de acordo com a forma como o estudante interage com elas e reage a cada situação;
  • É preciso que o psicólogo consiga ajudar o estudante a compreender e a lidar com as situações e as relações estabelecidas no contexto escolar.

(Dazzani, 2010).

Aragão (2015) propõe ainda algumas estratégias interventivas para responder às necessidades de toda a comunidade escolar:

  • Promover um espaço aberto ao diálogo, especialmente para o aluno, uma vez que a intervenção deve ser exercida de forma multidisciplinar, muitas vezes em formato de reunião, contudo, nem sempre é possível que os alunos participem destas actividades;
  • Promover e consciencializar para a necessidade de vínculo entre os pais e a escola, no sentido de compreender e satisfazer melhor as necessidades dos alunos;
  • Cultivar a cidadania e o espírito de democracia, para além do factor ensino/aprendizagem;
  • Exercer as suas funções o ponto de vista preventivo, no que diz respeito aos problemas e dificuldades que poderão vir a surgir, através do olhar atento e observação constante;
  • No caso da necessidade de realizar psicoterapia e psicodiagnósticos, encaminhar para os profissionais competentes e manter-se informado sobre a evolução do aluno, tendo o cuidado de trocar informação através de relatórios, no sentido de intervir de forma mais eficaz.

Isto significa que o grande foco de intervenção do psicólogo é, comunitário, articulando as questões individuais com o regulamento escolar e as relações construídas dentro da instituição de ensino (Dazzani, 2010).

Algumas das formas de incluir a família no processo escolar do educando, é procurar que esteja presente em reuniões, debates, entrega de notas avaliativas, colocar questões, dar a sua opinião, etc., de forma a conhecer melhor a realidade de cada aluno e responder às suas necessidades de forma mais eficaz (Aragão, 2015).

Para além da Psicologia Escolar, Santana, Pereira, e Rodrigues (2014) vão mais longe, levando a intervenção psicológica ao nível do ensino superior na medida em que a mesma possibilita melhores resultados académicos e profissionais aos alunos. Um dos campos em que esta pode ser uma mais valia é ao nível da remodelação da Educação, de acordo com as necessidades de cada instituição, quer pelos professores quer pelos alunos (Santana, Pereira, & Rodrigues, 2014). Por exemplo, a promoção de debates entre docentes e discentes, mediada pelo psicólogo, ou mesmo a formação continua aos professores (Santana, Pereira, & Rodrigues, 2014).

Conclusão

Mediante as linhas acima descritas, podemos concluir como o psicólogo em contexto educacional é imprescindível. Verificamos que, mais do que diagnosticar problemas de aprendizagem e intervir ao nível do fracasso escolar, ele deve compreender a instituição de ensino, conhecer a sua cultura, o seu ambiente e a sua história e compreender as relações existentes dentro da mesma (processo ensino/aprendizagem entre professores e alunos). A par disto, ele é a ponte de contacto entre a família e a escola, no sentido de conhecer e compreender melhor as necessidades de cada aluno para intervir ao nível da promoção do seu sucesso escolar. A abertura ao diálogo com toda a comunidade escolar, especialmente com os alunos, é imprescindível no sentido de que estes falem sobre as suas dificuldades e necessidades, e agir em função da resposta mais eficaz às mesmas. Ao nível do ensino superior, parece evidente a necessidade de promover debates entre professores e alunos, remodelando o sistema educativo e tornando este mais eficaz.

2245 Visualizações 2 Total

References:

  • Almeida, M. S. R. (2007). Educação: um grande desafio para o psicólogo e a Psicologia. [em linha]. PSICOLOGIA.PT, O PORTAL DOS PSICÓLOGOS. Disponível em http://www.psicologia.pt/ artigos/ver_opiniao.php?codigo=AOP0131
  • Aragão, S. R. (2015). A intervenção do psicólogo escolar na parceria família-escola. [em linha]. PSICOLOGIA.PT, O PORTAL DOS PSICÓLOGOS. Disponível em http://www.psicologia.pt/artigos/ver_opiniao.php?codigo=AOP0378
  • Cordeiro, M.H., Donaduzzi, A., & Schlindwein, S.M. (2008). Psicologia e educação: Representação social do bom aluno: implicações éticas na educação. Acedido em Novembro 29, 2015, em http://books.scielo.org/i d/qfx4x/pdf/ploner-9788599662854-13.pdf
  • Cunha, M.V. (1998). A psicologia na educação: dos paradigmas científicos às finalidades educacionais. Revista da Faculdade de Educação, nº2 (24).
  • Dazzani, M.V.M. (2010). A Psicologia Escolar e a Educação Inclusiva: Uma Leitura Crítica. PSICOLOGIA CIÊNCIA E PROFISSÃO, nº 80, 302-375. Acedido em 26 de Novembro de 2015 em http://www.scielo.br/ pdf/pcp/v30n2/v30n2a11.pdf
  • Santana, A.C., Pereira, A.B.M., & Rodrigues, L.G. (2014). Psicologia Escolar e educação superior: possibilidades de atuação profissional. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional. Nº2, 229-237. Acedido em 26 de Novembro de 2015 em http://www.scielo.br/pdf/pee/v18n2/1413-8557-pee-18-02-0229.pdf
2245 Visualizações

A Knoow é uma enciclopédia colaborativa e em permamente adaptação e melhoria. Se detetou alguma falha em algum dos nossos verbetes, pedimos que nos informe para o mail geral@knoow.net para que possamos verificar. Ajude-nos a melhorar.

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo