Psicologia das Emoções

A psicologia das emoções compreende o desencadear destas de acordo com os fatores internos ao indivíduo que provêm de diferentes situações.

expressions-25277_960_720

Psicologia das emoções

A psicologia das emoções pretende compreender como elas se desencadeiam de acordo com os fatores internos ao indivíduo que provêm de diferentes situações.

A psicologia das emoções está diretamente ligada ao comportamento humano, uma vez que nos expressamos através da emoção, o que desencadeia o nosso comportamento (Casanova, Siqueira, & Silva, 2009).

As pesquisas levadas a cabo por Miguel (2015) levaram o autor a concluir que a emoção se trata de uma sensação momentânea devido a acontecimentos de caris afetivo que alteram o comportamento psicofisiológico do indivíduo.

De acordo com Casanova, Siqueira e Silva (2009) a emoção é uma reação neurológica que advém do sistema nervoso e que se expressa através de uma resposta imediata

Trata.se de fatores comportamentais, afetivos, subjetivos e cognitivos advêm de algo intrínseco a nós e refletem-se na nossa expressão facial (Miguel, 2015).

As reações mais comuns que temos a diferentes situações, são, de acordo com Casanova, Sequeira e Silva (2009) chorar, rir, tremer, desmaiar, entre outras.

Segundo a teoria d Darwin (1872/2000) as expressões faciais são inatas para o ser humano e até mesmo para outros primatas, uma vez que até mesmo pessoas que nascem cegas, conseguem exprimir emoções a partir das expressões (Miguel, 2015).

É preciso também compreender que as nossas emoções dependem da avaliação que fazemos de cada situação, ou seja, por exemplo, se um colaborador for despedido de uma empresa, pode associar o despedimento à sua dificuldade em ultrapassar os desafios que lhe são colocados, ou então sentir-se injustiçado por achar que era um colaborador exemplar (Miguel, 2015).

Numa outra situação, por exemplo, quando um adulto presencia o choro de um bebé, tenta automaticamente cuidar dele, por uma questão de sobrevivência da espécie que nos é inata (Casanova, Siqueira, & Silva, 2009).

As diferenças culturais e raciais influenciam também as nossas reações aos estímulos, provocando diferentes emoções que se traduzem em diferentes expressões faciais (Miguel, 2015).

Conclui-se que a expressão das emoções, bem como o controlo, é o que nos permite comunicar e relacionar com o mundo (Casanova, Siqueira, & Silva, 2009).

Reações corporais mais comuns, às emoções

  • Subjetivas – afetos
  • Fisiológicas – sudorese, dilatação das pupilas, alteração da batida cardíaca, etc
  • Comportamentais – mudanças na voz, na postura, nos movimentos

(Miguel, 2015)

Expressão emocional

Miguel (2015) refere a expressão vocal, ou seja, o ritmo e o volume, os gestos, que diferem de cultura para cultura e são interpretados de diferentes formas, mas principalmente a expressão facial que cujos músculos da boca, são os principais associados à emoção, os da sobrancelha, da testa, do pescoço, e das pálpebras.

Quanto aos movimentos faciais desencadeados pelas emoções, Casanova, Sequeira e Silva (2009) referem que “…emoção se origina de duas outras palavras do latim – “ex movere” – que significam em movimento.” (Casanova, Sequeira, & Silva, 2009, p.3).

As emoções mais comuns são a raiva, a tristeza, a alegria, o nojo, a surpresa e o medo, cuja expressão facial se faz mostrar de diferentes formas (Casanova, Siqueira, & Silva, 2009; Miguel, 2015).

Cada uma destas reações expressas pelo ser humano, são respostas que o nosso corpo dá a cada estímulo que surge, de acordo com a interpretação que faz do mesmo (Casanova, Siqueira, & Silva, 2009).

A par disto há expressões que resultam da mistura de outras emoções como por exemplo a decepção, que resulta da junção da tristeza com a surpresa, a saudade, resulta da mistura da tristeza com a alegria, etc (Miguel, 2015).

Vale referir que que a expressão em si, das emoções, é inata e que não varia muito de povo para povo e de cultura para cultura, e o que difere é a transformação facial ocorrida (Miguel, 2015).

Casanova, Siqueira e Silva (2009) consideram que, quanto à abordagem psicológica propriamente dita, devido às normas socais pré estabelecidas, por vezes sentimos que certas reações são descontextualizadas e é nesse campo que surge a neurose em forma de stresse, angústia, fobia, etc que nos levam à necessidade de procurar ajuda externa para nos orientar na procura de uma forma mais saudável de gerir os acontecimentos.

Conclusão

Verificamos assim que as emoções são inatas ao ser humano e que a forma como se expressam varia muito entre si, no que diz respeito aos movimentos fisiológicos associados a cada uma delas. Quanto às diferenças entre as culturas, uma vez que cada uma tem as suas especificidades, é comum que determinado estimulo provoque diferentes reações a diferentes indivíduos quando estes se inserem em diferentes contextos culturais. Contudo, a forma como expressão o mesmo tipo de reação, por exemplo, surpresa, é o mesmo.

De salientar ainda que a psicologia das emoções se foca bastante na interpretação que fazemos de determinada situação porque esta, ao desencadear um tipo de reação, pode ser interpretada como adequada ou como inadequada.

1176 Visualizações 2 Total

References:

  • Casanova, N., Sequeira, S, & Silva, V.M. (2009). EMOÇÕES. Trabalho desenvolvido no âmbito da disciplina “Psicologia Geral” do curso de Psicologia. [em linha] PSICOLOGIA.COM.PT. O PORTAL DOS PSICÓLOGOS. Disponível em http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0132.pdf
  • Miguel, F.K. (2015). Psicologia das emoções: uma proposta integrativa para compreender a expressão emocional. Psico-USF, Bragança Paulista. V.20, nº1, p. 153-162. Acedido a 16 de março de 2016 em http://www.scielo.br/pdf/pusf/v20n1/1413-8271-pusf-20-01-00153.pdf
1176 Visualizações

 

 

Knoow - a divulgar conhecimento pelo mundo

Flag Counter